As Metas Internacionais da Segurança do Paciente

Segurança do Paciente

A segurança do paciente envolve todos os estudos, práticas e ações promovidos pelas instituições de saúde para diminuir ou eliminar os riscos de danos desnecessários relacionados ao cuidado em saúde.

O Ministério da Saúde desenvolve ações com vistas a promoção da segurança do paciente, por meio de medidas de educação e divulgação das boas práticas para profissionais de saúde, pacientes e acompanhantes e com ações preventivas como a implementação das seis metas da OMS, preconizadas pela Joint Commisssion International (JCI).

Portanto, quais são as metas e a sua importância?

1. Meta 1 – Identificar corretamente o paciente

A identificação falha de pacientes pode levar à administração de medicamentos errados e até realização de cirurgias em paciente diferente. Utilizar estratégias para a identificação correta evita esse tipo de equívoco, como:

  • todo paciente deve utilizar pulseira com dois identificadores (nome, prontuário, data de nascimento, nome da mãe);
  • a pulseira deve ser checada antes de qualquer procedimento (medicamentos, hemotransfusão, coleta de exame);
  • o paciente deve fazer uma confirmação verbal do seu nome, se possível.

2. Meta 2 –  Melhorar a Comunicação entre os profissionais de saúde

A comunicação entre os profissionais de saúde envolvidos no cuidado deve ser clara e efetiva, para que não comprometa nenhuma etapa da assistência. Falhas na comunicação podem causar sérios danos ao paciente.

Ao fazer um relato verbal, escrito ou por telefone, o profissional precisa se certificar de que o outro o compreendeu e registrou a informação da forma certa. Os registros e a passagem de plantão devem ser de fácil leitura e compreensíveis.

3. Meta 3 – Melhorar a segurança do uso de medicações

As medicações de alta vigilância são aquelas relacionadas a um alto percentual de erros e com risco elevado de resultados adversos. Cada instituição define a sua lista de medicações de alta vigilância, que costumam incluir eletrólitos concentrados, insulina, heparina e drogas vasoativas (epinefrina).

Algumas formas de aumentar sua segurança são:

  • enviar medicação individualmente para o paciente com identificação de alta vigilância (etiqueta vermelha);
  • não deixar essas medicações com fácil acesso;
  • separar essas medicações daquelas comuns.

4. Meta 4 – As Cirurgias Seguras

A quarta meta de segurança visa garantir que as cirurgias sejam feitas no local correto, com o procedimento correto e no paciente correto. Comunicação ruim entre a equipe e imprecisões nos processos podem levar a enganos durante a realização da cirurgia.

Os passos para a cirurgia segura incluem:

  • educar os pacientes sobre a cirurgia que será feita e em qual local;
  • utilizar listas de verificações antes da indução anestésica, da incisão cirúrgica e do paciente deixar o centro cirúrgico.

5. Meta 5 – A Higienização das Mãos

Essa meta visa promover a prevenção e o controle de infecções no hospital, por meio, principalmente, da correta higienização das mãos, que é a medida primária essencial de prevenção.

O ensino e incentivo aos profissionais pode ser feito por cursos, cartazes e lembretes espalhados pelos setores do hospital. Outras formas de reduzir o risco de infecção são:

  • monitorar o uso de antibióticos;
  • implementar medidas para prevenção de infecção de corrente sanguínea pelo correto manuseio de cateteres venosos;
  • utilizar corretamente os isolamentos.

6. Meta 6 – Reduzir o risco de lesões e quedas

As quedas no ambiente hospitalar são responsáveis por diversos danos e lesões aos pacientes. Todos os pacientes devem ser avaliados quanto ao seu risco de queda e identificados de acordo, para que as medidas apropriadas possam ser tomadas para a prevenção.

No caso de maior risco de queda, é preciso garantir:

  • eliminação de obstáculos e objetos no chão;
  • presença constante de acompanhante;
  • ajuste de medicamentos que causam tontura ou fraqueza.

As metas internacionais de segurança do paciente devem ser adotadas por todos os estabelecimentos de saúde, para garantir uma assistência segura para pacientes e seus acompanhantes.

Fonte: Ministério da Saúde

Veja também:

A Administração Segura de Medicamentos: O uso do protocolo

Segurança do Paciente: Pulseira de Identificação

Dez Passos para a Segurança do Paciente

Comentários