Luxação, Entorse, Estiramento, Contusão: As Diferenças

Ao praticar exercícios físicos, quando estamos no trabalho ou, mesmo, cumprindo tarefas rotineiras, estamos sujeitos a sofrer uma lesão como entorse, contusão, estiramento e luxação. Todas essas condições precisam ser diagnosticadas corretamente para receber o cuidado adequado.

No entanto, esses problemas são comumente confundidos, seja em função dos seus sintomas ou porque o conceito é aplicado de forma errada. Foi pensando nisso que preparamos este artigo para explicar quais são as diferenças entre eles.

O que é Luxação?

A luxação ocorre somente nas articulações. Essa lesão faz com que os ossos que se encontram desloquem, ficando posicionados do modo errado. É muito comum que a luxação aconteça nos tornozelos, ombros, cotovelos, joelhos, quadris, dedos e mandíbula.

A pessoa que sofre uma luxação não consegue realizar movimentos, uma vez que os ossos não estão se encontrando adequadamente na articulação. Por isso, ela precisa receber tratamento profissional, pois o cuidado inadequado pode causar danos aos nervos e tendões.

Essa lesão pode acontecer em função de um movimento malfeito, uma pancada, acidente, queda ou qualquer outra situação que venha forçar a articulação e faça com que os ossos se movimentem e se desencontrem.

Sintomas

A luxação provoca uma dor muito intensa na articulação afetada e pode irradiar pelo membro ou região do corpo, em função de dano ao nervo. Outros sintomas que se manifestam são o inchaço, hematoma, limitação ou impossibilidade de movimentos e deformidade.

O que é um Entorse?

A entorse, popularmente conhecida como torção, é um tipo de lesão que afeta os tecidos fibrosos que fazem a conexão de dois ossos na articulação. É comumente provocada por um movimento atípico, em geral, rotacional. Por isso, costumamos dizer que torcemos o tornozelo ou o pulso, por exemplo.

Quando ocorre essa movimentação inadequada, os ligamentos podem sofrer um estiramento, que ocorre quando o tecido se estica além da sua capacidade. Como consequência, pode acontecer a ruptura parcial ou total deles.

A entorse resulta de movimentos inadequados ou exagerados de uma articulação. Também pode ser o resultado da falta de aquecimento antes da prática de exercícios, ou um preparo físico deficiente para aquela atividade.

Sintomas

A pessoa que sofre uma entorse sente uma dor intensa no local lesionado, bem como pode perceber a formação de edema, inchaço e vermelhidão na pele. O local fica sensível, existe a possibilidade de inflamar e, muitas vezes, há dificuldade para realizar movimentos. Em casos mais graves também pode ser notada uma deformidade e hematoma.

O que é um Estiramento?

O estiramento muscular é a lesão que acontece quando existe ruptura das fibras musculares, sendo mais comum após um esforço físico excessivo que acabe esticando demasiado o músculo.

Assim que acontece o estiramento, a pessoa pode sentir uma dor intensa no local da lesão, além de também poder notar diminuição da força muscular e da flexibilidade.

Sintomas

Os principais sintomas de estiramento muscular são:

  • Dor intensa no local do estiramento;
  • Perda de força muscular;
  • Diminuição da amplitude do movimento;
  • Diminuição da flexibilidade.

O estiramento muscular acontece com mais frequência na musculatura da coxa e nas panturrilhas, mas também pode acontecer nas costas e nos braços.

É importante que assim que surgirem sintomas sugestivos de estiramento se consulte um ortopedista ou fisioterapeuta, para que seja avaliada a gravidade da lesão e indicado o tratamento mais adequado.

O que é uma Contusão?

A contusão é um tipo de lesão menos grave do que a entorse porque ela não provoca grandes danos, uma vez que não afeta os ossos nem os ligamentos. É um problema que acontece de forma superficial, afetando somente tecidos moles, como a pele, a camada de gordura, a musculatura e vasos sanguíneos ou linfáticos.

Um tombo ou pancada podem desencadear uma contusão. Sendo assim, quando você bate a perna ou o braço, por exemplo, e o local fica dolorido por um tempo, você sofreu uma lesão desse tipo. Assim que os sintomas cessam, é possível retornar às atividades sem limitações.

Sintomas

É muito difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha sofrido uma contusão, e provavelmente isso também já aconteceu com você. Ela provoca sintomas como dor, inchaço, hematoma, vermelhidão e sensação de calor na região afetada. Esses incômodos podem passar em menos ou mais tempo, dependendo da intensidade da pancada sofrida.

Cuidados após sofrer estes tipos de lesões

Se você sofrer uma lesão que apresente sintomas característicos de entorse ou luxação é muito importante manter o local imobilizado e procurar ajuda médica, pois esses dois problemas podem trazer danos mais significativos que exigem atendimento especializado.

No caso da contusão, como ela é uma lesão mais superficial, dificilmente haverá necessidade de procurar um médico. Você mesmo pode se tratar em casa aplicando uma compressa fria no local para aliviar a dor e reduzir o inchaço. De toda forma, se os sintomas persistirem, é importante procurar um especialista.

Para qualquer uma dessas lesões não é recomendado fazer a automedicação. A única medida segura é a aplicação de compressas frias ou usar uma bolsa de gelo no local até que o especialista seja consultado, se preciso.

Também evite tocar o local, massagear ou tentar por conta própria reposicionar os ossos em caso de uma luxação. Isso porque também existe a possibilidade de ter ocorrido uma fratura, condição que somente pode ser tratada por um médico.

Para não sofrer uma entorse, luxação ou contusão é muito importante aquecer corretamente antes da prática de exercícios, respeitar os limites do organismo e usar equipamentos como tornozeleiras e joelheiras. Prevenir uma lesão é fundamental para que você não comprometa nenhuma estrutura do seu corpo, tenha mais saúde e qualidade de vida.

Referências:

  1. Clínica Mayo
  2. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
  3. Fundação AO

Veja também:

Tipos de Fraturas Ósseas

Classificação de Fraturas Salter-Harris

Artroplastia de Quadril

Também conhecido como Artroplastia total do quadril, é a cirurgia de substituição da articulação por modelo mecânico chamado prótese de quadril, que reproduz a função articular a semelhança do modelo biológico original.

Mas como funciona a Articulação de Quadril?

Antes de tudo devemos entender que o quadril é uma articulação formada pelo encontro de duas peças ósseas: a cabeça do fêmur (osso da coxa) e o acetábulo (parte da bacia).

Essa engrenagem tem numa relação congruente, semelhante ao de uma bola com um soquete e é estabilizada por um conjunto reforçado de ligamentos. Já  as superfícies ósseas que estão em contato são cobertas por cartilagem articular – o que permite amplo espectro de movimento, com mínimo atrito entre as partes.

E a Artrose, o que é ?

São doenças articulares que levam ao desgaste das superfícies ou alteração da forma articular podem acarretar dor e limitação da mobilidade, na maioria das vezes reconhecida como artrose.

Outras causas

  • Osteoartrite. Este é um tipo de artrite que causa desgaste e está relacionado à idade. Normalmente ocorre em pessoas com 50 anos de idade ou mais, frequentemente em indivíduos com histórico de artrite na família. A cartilagem que amortece os ossos do quadril se desgasta. Passa então a haver atrito entre os ossos, o que causa as dores e a rigidez no quadril. A osteoartrite também pode ser causada ou acelerada por pequenas irregularidades no desenvolvimento do quadril na infância.
  • Artrite reumatoide. É uma doença autoimune que causa inflamação e espessamento da membrana sinovial. Essa inflamação crônica pode lesionar a cartilagem, causando dores e rigidez. A artrite reumatoide é o tipo mais comum de um grupo de doenças chamado de “artrite inflamatória”.
  • Artrite pós-traumática. Pode surgir na sequência de uma lesão ou fratura grave do quadril. A lesão da cartilagem causa dores e rigidez no quadril com o passar do tempo.
  • Necrose avascular. Uma lesão no quadril, como um deslocamento ou uma fratura, pode limitar a irrigação sanguínea da cabeça do fêmur. Esse quadro é chamado de necrose avascular (também chamada comumente de “osteonecrose”). A falta de sangue pode causar o colapso da superfície do osso, resultando em artrite. A necrose avascular também pode ser causada por algumas doenças.
  • Doenças do quadril em crianças. Alguns bebês e crianças têm problemas no quadril. Mesmo que os problemas sejam tratados com sucesso durante a infância, podem vir a causar artrite em fases posteriores da vida. Isso acontece porque o crescimento do quadril pode não ser o normal, o que afeta as superfícies das articulações.

Tipos de Prótese de Quadril

Podemos dividir as próteses quanto aos componentes substituídos em:
  • Parciais: substituição apenas do componente femoral;
  • Totais: substituição do componente femoral e acetabular.
Podemos dividir as próteses quanto a forma de fixação no osso em:
  • cimentadas: quando os componentes do fêmur e acetábulo são fixos ao osso por cimento ortopédico;
  • não cimentadas: quando os componentes do fêmur e acetábulo são fixos ao osso por encaixe sob pressão (press-fit);
  • híbridas: quando uma parte é fixa sob pressão, geralmente o acetábulo e a outra com cimentação, normalmente o fêmur.
As próteses quanto aos tipos de superfícies de contato, cabeça X acetábulo :
  • metal X polietileno
  • cerâmica X polietileno
  • cerâmica X cerâmica
  • metal X metal
  • cerâmica X metal

Indicações de uso

A decisão de fazer uma artroplastia de quadril deve ser tomada pelo paciente em conjunto com a família, o médico da assistência primária e o cirurgião ortopédico. A primeira etapa desse processo de decisão é tipicamente o encaminhamento, pelo médico generalista, a um cirurgião ortopédico para uma avaliação inicial.

Não há restrições absolutas de idade ou peso para as artroplastias totais de quadril.

As recomendações para a cirurgia baseiam-se nas dores e nas limitações de movimento do paciente, não na idade. A maioria dos pacientes submetidos à artroplastia total de quadril tem entre 50 e 80 anos de idade, mas os cirurgiões ortopédicos avaliam cada paciente individualmente.

Artroplastias totais de quadril têm sido realizadas com sucesso em todas as idades, de jovens adolescentes com artrite juvenil a pacientes idosos com artrite degenerativa.

Quando a cirurgia é recomendada?

Há vários motivos pelos quais o médico pode recomendar a artroplastia de quadril. As pessoas que se beneficiam com a artroplastia de quadril normalmente apresentam:

  • dor no quadril que limita as atividades do dia a dia, como caminhar ou se curvar;
  • dor no quadril mesmo durante repouso, de dia ou de noite;
  • rigidez no quadril que limita a capacidade de se movimentar ou levantar a perna;
  • alívio insuficiente da dor com o uso de anti-inflamatórios, fisioterapia ou aparelhos que auxiliam a caminhar.

Preparação para a cirurgia

Avaliação médica

Depois que a artroplastia de quadril é escolhida, o cirurgião ortopédico pode solicitar que seu médico pessoal realize um exame físico completo antes do procedimento cirúrgico. Ele é necessário para confirmar que suas condições de saúde permitem a realização da cirurgia e a conclusão do processo de recuperação. Muitos pacientes com doenças crônicas, como doenças do coração, podem ser avaliados também por um especialista, como um cardiologista, antes da cirurgia.

Exames

Vários exames, como os realizados em amostras de sangue e urina, eletrocardiogramas (ECG) e radiografias do tórax, podem ser necessários para ajudar na preparação para a cirurgia.

Preparação da pele

Não deve haver infecções ou irritações na pele antes da cirurgia. Caso contrário, consulte o cirurgião ortopédico para que administre um tratamento para melhorar a pele antes da cirurgia.

Doações de sangue

Pode ser necessário doar o próprio sangue antes da cirurgia. Ele será armazenado para o caso de precisar de sangue depois da cirurgia.

Medicamentos

Informe ao cirurgião ortopédico os medicamentos que estiver tomando. O cirurgião ou o médico pessoal informarão quais devem e quais não devem ser suspensos antes da cirurgia.

Perda de peso

No caso de sobrepeso, o médico pode pedir que perca um pouco de peso antes da cirurgia para minimizar a sobrecarga no quadril novo e diminuir os riscos da cirurgia.

Avaliação odontológica

Embora a ocorrência de infecções após a artroplastia de quadril não seja comum, a entrada de bactérias na corrente sanguínea pode causar infecções. Como as bactérias podem penetrar na corrente sanguínea durante procedimentos odontológicos, eventuais procedimentos odontológicos de grande porte (como extrações de dentes e tratamentos periodontais) devem ser concluídos antes da realização da cirurgia de artroplastia de quadril. As limpezas dentais de rotina devem ser adiadas até algumas semanas depois da cirurgia.

Avaliação urinária

Indivíduos com histórico de infecções urinárias recentes ou frequentes devem fazer uma avaliação urológica antes da cirurgia. Homens mais velhos com doenças da próstata devem pensar na possibilidade de concluir o tratamento necessário antes da cirurgia.

Planejamento social

Embora já seja possível andar com muletas ou andador pouco tempo depois da cirurgia, por algumas semanas você precisará de ajuda com tarefas como cozinhar, fazer compras, tomar banho e lavar as roupas.

Se viver sozinho, o consultório do cirurgião ortopédico, um assistente social ou um auxiliar de pós-operatório do hospital pode ajudá-lo a adotar antecipadamente as medidas necessárias para ter o auxílio de uma pessoa em casa. Também é possível providenciar a permanência durante a recuperação em uma unidade de tratamento prolongado por um curto período de tempo após a cirurgia.

Planejamento doméstico

Várias modificações podem ser adotadas para facilitar a locomoção pela casa durante a recuperação. Os seguintes itens podem ajudar nas atividades do dia a dia:

  • barras de apoio ou corrimãos bem presos às paredes do boxe ou da banheira;
  • corrimãos firmes em todas as escadas;
  • uma poltrona estável para a recuperação inicial, com um assento firme (que permita que os joelhos fiquem abaixo do quadril), um encosto firme e dois braços;
  • um elevador sanitário;
  • uma bancada de banho estável ou uma cadeira para tomar banho;
  • uma esponja com cabo longo ou uma ducha manual;
  • uma vareta para vestir, uma calçadeira para meias e uma calçadeira de cabo longo para sapatos, para colocar e tirar sapatos e meias sem dobrar excessivamente o novo quadril;
  • um pegador que permita pegar objetos sem dobrar demais os quadris;
  • almofadas firmes para as cadeiras, sofás e carro, que permitam que você se sente com os joelhos abaixo do quadril;
  • retirada de todos os tapetes soltos ou cabos elétricos das áreas por onde caminha na sua casa.

Possíveis complicações da cirurgia

A taxa de complicações depois da cirurgia de artroplastia de quadril é baixa. Complicações graves, como infecção articular, ocorrem em menos de 2% dos pacientes. Complicações médicas significativas, como ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, ocorrem com ainda menos frequência.

Entretanto, doenças crônicas podem aumentar o potencial para complicações. Embora incomuns, quando essas complicações ocorrem, elas podem prolongar ou limitar a recuperação completa.

Infecção

As infecções podem ocorrer na superfície da ferida ou internamente, em volta da prótese. Elas podem aparecer durante a permanência no hospital, ou depois que for para casa. Podem ocorrer até mesmo alguns anos depois.

Infecções menores da ferida são tratadas normalmente com antibióticos. Infecções maiores ou profundas podem demandar outra cirurgia e a remoção da prótese. Qualquer infecção no seu corpo pode espalhar-se até a prótese articular.

Coágulos sanguíneos

A formação de coágulos sanguíneos nas veias da perna ou da pelve são uma das complicações mais comuns da artroplastia de quadril. Esses coágulos podem apresentar risco à vida se se soltarem e alcançarem seus pulmões.

O cirurgião ortopédico elaborará um programa de prevenção que poderá incluir medicamentos para afinar o sangue, meias de compressão, compressão pneumática, exercícios de bombeamento com o tornozelo e mobilização precoce.

Referência:

  1. OrthoInfo

Sinal de Tinel

A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia mais comum da extremidade superior. O diagnóstico é clínico e determinado pela história e pelo exame físico, que inclui os testes de Tinel, Phalen e Durkan.

O sinal de Tinel, consiste na percussão leve sobre o punho, transmite uma sensação de parestesia na região de distribuição do nervo mediano.

O sinal de Tinel recebe este nome em homenagem ao médico francês Jules Tinel (1879-1952).

Como é feito?

O médico aplica pequenos golpes sobre o nervo mediano, no nível do punho. Isso pode fazer com que a dor dispare, desde o punho até a mão.

A percussão do nervo mediano ao nível do canal do carpo ou imediatamente proximal a ele pode provocar choques ou hiperestesia no território inervado pelo nervo mediano na Síndrome do túnel do carpo.

Referência:

  1. Arnaldo Gonçalves de Jesus Filho, Bruno Fajardo do Nascimento, Marcelo de Carvalho Amorim, Ronald Alan Sauaia Naus, Elmano de Araújo Loures, Lucas Moratelli Estudo comparativo entre o exame físico, a eletroneuromiografia e a ultrassonografia no diagnóstico da síndrome do túnel do carpo Revista Brasileira de Ortopedia, Volume 49, Issue 5, September–October 2014, Pages 446-451

Férula de Bohler Braun

A Férula de Bohler Braun, é um dispositivo metálico e rígido, não ajustável, que mantém o membro inferior elevado na cama em uma posição funcional (em semiflexão de quadril e joelho).

A sua utilização é âmbito hospitalar e destina-se ao tratamento de diferentes patologias do membro inferior.

A Férula de Braun é esquematicamente composta por dois planos: um inclinado de trás para frente e outro horizontal para frente, que continua com o anterior e serve de suporte para a perna.

Pode ser usado em conjunto com um sistema de polia (tala de Böhler) para realizar tração contínua no membro inferior.

Indicações de uso

São indicadas para fraturas mais frequentes que requerem imobilização antes do tratamento cirúrgico definitivo como as fraturas da cabeça do fêmur e da diáfise do fêmur.

O uso mais frequente da férula de Braun é o tratamento pré-cirúrgico da fratura do fêmur, pois permite manter o membro inferior elevado, conseguindo aliviar a dor e alinhar caso haja fragmentos ósseos fraturados.

Seu uso também é comum nas fraturas da tíbia e / ou fíbula para evitar edema pós-traumático, conseguindo assim um efeito anti-álgico, sem aplicar tração no membro.

A férula também pode ser usada quando não houver fratura. Ocasionalmente e ainda sem consenso, são usados ​​inicialmente na doença de Legg-Calvé-Perthes (ou necrose juvenil da cabeça do fêmur), ou no tratamento da epifisiólise (deslizamento da cabeça femoral em relação ao colo do fêmur).

Esse tipo de tratamento não é consensual devido à consideração de que imobilizações prolongadas podem causar lesões secundárias.

Excepcionalmente, há casos de crianças com mais de quatro anos que devem ser submetidas a uma correção cirúrgica da deformidade do quadril, sendo assim, essa correção geralmente inclui tração percutânea em uma férula de Braun como tratamento pré-cirúrgico.

Referências:

  1. Whaley-Wong. Biblioteca Enfermería profesional-enfermería pediátrica. Ed. Interamericana McGraw-Hill, Vol. 6;
  2. André-R. Baehler. Técnica ortopédica: indicaciones. Ed. Masson, Tomo 1/
  3. Felipe Bastos Mora y José Valle Burriel. Diccionario enciclopédico ilustrado de traumatología. Ed. Medica Jims;
  4. Steinberg, Day, Hensinger, Nelson, Urden y Welch. La cadera. Diagnostico y tratamiento de su patología. Ed. Interamericana;
  5. Manual de procedimientos de enfermería 2002-2004. SCIAS Hospital de Barcelona;
  6. J. Casado F., A. Castellanos, A. Serrano, J.L. Teja. El niño politraumatizado, evaluación y tratamiento.

Manobra de Phalen

A Manobra de Phalen é um exame diagnóstico para a Síndrome do Túnel do Carpo (STC).

Como é feito o teste?

Solicita-se ao paciente que mantenha seus punhos em flexão completa e forçada (empurrando as superfícies dorsais de ambas mãos juntas) por 30-60 segundos.

Essa manobra aumenta moderadamente a pressão no túnel do carpo e possui o efeito de prensar o nervo mediano entre a borda proximal do ligamento transverso do carpo e a borda anterior da porção distal do rádio.

Ao comprimir o nervo mediano no interior do túnel do carpo, sintomas característicos (como queimação, pontada ou formigamento no polegar, indicador, dedo médio e dedo anelar) são considerados sinais positivos e sugerem uma síndrome do túnel do carpo.

A Síndrome do Túnel do Carpo

É uma condição médica causada pela compressão do nervo mediano no ponto em que passa pelo túnel cárpico do pulso.

Os sintomas mais comuns são dor, falta de sensibilidade, formigueiro nos dedos polegar, indicador, e do lado do polegar do dedo anelar. Os sintomas geralmente começam-se a manifestar de forma gradual e durante a noite.

Em alguns casos a dor pode-se espalhar para o braço. Após um longo período de tempo, o desgaste dos músculos na base do polegar pode causar diminuição da força necessária para agarrar objetos. Em mais da metade dos casos, ambos lados são afetados.

Fatores de Risco

–  Obesidade;

– Trabalho repetitivo com o pulso;

– Gravidez;

– Artrite reumatoide.

Existem alguns indícios de que o hipotireoidismo aumenta o risco, e existe também uma associação ligeira da diabetes com a STC.

A utilização da pílula contraceptiva não influencia o risco.

Referência:

1. American Academy of Orthopaedic Surgeons. Management of Carpal Tunnel Syndrome Evidence-Based Clinical Practice Guideline. http://www.aaos.org/ctsguideline. Published February 29, 2016.

Fixadores Externos: Tipos e Indicações

A Fixação Externa ou Fixadores Externos podem ser entendida como um método de estabilização óssea através de implantes no osso, que atravessam os tecidos moles e são fixadas externamente através de uma armação que pode ter várias configurações.

Segundo Colton (2007) é uma técnica utilizada em estabilização de fraturas e osteotomias, alongamentos ósseos, correção de más uniões ou de não uniões e em procedimentos de fusão de articulações (artrodese).

Os fixadores externos são classificados como lineares, circulares ou híbridos e podem ter várias configurações: unilaterais monoplanares, bilaterais monoplanares, biplanares ou ainda multiplanares (Caja, Kim, Larsson, & Chao, 1995) & (Roseiro et al., 2014).

Quais são as indicações para um Fixador Externo?

– Fraturas cominutivas severas;
– Fraturas associadas a perda óssea;
– Fraturas expostas;
– Fraturas associadas a lesão de partes moles;
– Fraturas associadas a lesão neurovascular;
– Fraturas associadas a queimaduras;
– Tratamento das não consolidações;
– Estabilização das osteotomias;
– Artrodeses;
– Alongamento de membro inferior.

 

Fixadores de Membros Superiores

Metacarpo

Indicado para o tratamento de fraturas metacarpo e falange cominutivas, perda óssea segmentada, fraturas intra-articulares e fraturas abertas onde a fixação interna estável não é possível.

Fixador de Colles

Indicado para estabilização de fraturas do punho, com possibilidade de compressão, distração e articulação plataformas.

Fixador de Ulson

Indicado para redução, alinhamento, estabilização e fixação de fraturas ou deformidades ósseas do punho.

Fixador de Cotovelo

Indicado para o tratamento da rigidez pós-traumática do cotovelo, bem como alguns traumas agudos do cotovelo.

Fixador de Rádio-Ulna

Indicado para estabilização de fraturas do rádio distal ou diáfise, com possibilidade de compressão e distração.

Fixador de Úmero

Indicado para fraturas do úmero ou deformidades ósseas como redução, alinhamento, estabilização, alongamento e fixação.

Fixadores de Membros Inferiores

Fixador Ilíaco

Fixador para tratamento de fraturas trocantéricas, também usado em caso de infecção ou em ocasiões em que não é possível a síntese interna.

Fixador de Fêmur

Indicado para o tratamento de fraturas pertrocantéricas, em casos de infecção ou em ocasiões em que não é possível a síntese interna.

Fixadores Circulares

Os fixadores circulares ocupam todos os lados do membro, envolvendo-o totalmente, e são popularmente chamados de “gaiolas”.

Usualmente, consiste em anéis circulares e semi-circulares externos que são instalados de forma centralizada no membro do paciente e fixados nos ossos por meio fios tencionados e pinos de Schanz. 

Existem alguns modelos, como a Truelock que é destinado ao uso corretivo durante o processo normal de consolidação, e a Ilizarov, que anula todas as forças que tendem a desviar os fragmentos ósseos, sendo extremamente estáveis.

Fixador de Pé/Tornozelo

Indicado para fixação de fraturas abertas e fechadas, pseudoartrose ou pseudartrose de ossos longos, alongamento de membros por epifisiodeal ou distração metafisária, correção de deformidades ósseas ou de tecidos moles, e correção de defeitos ósseos segmentares ou não segmentares ou de tecidos moles.

Fixadores Híbridos

São usados no tratamento de fraturas complexas, de alta energia, periarticulares da tíbia. Os fixadores híbridos combinam as vantagens dos pinos de Schanz com o sistema de fixação com fios tensionados.

Alguns Cuidados de Enfermagem

– Realizar o curativo no sítio de inserção dos fixadores externos a cada 24 horas, desde que esteja limpo e seco, com técnica asséptica, após o banho. Utilizar soro fisiológico 0,9% para a limpeza; álcool 70% para a antissepsia, gazes ou compressas esterilizadas para a oclusão e atadura ou fita adesiva para fixação;
– Realizar a limpeza diária dos fixadores com álcool 70%;
– Rotular o frasco de álcool e ficar atento ao prazo de validade./ Após aberto, o álcool tem uma validade de 7 dias, por isso a importância de identificar a data de abertura, e desprezar o conteúdo depois deste prazo;
– Iniciar os curativos pela ferida mais limpa, quando o cliente apresentar múltiplas suturas e outros tipos de lesões. Realizar os curativos de modo independente (procedimento e registro);
Observar se há presença de sinais flogísticos ao redor da inserção dos pinos dos fixadores. Se houver, relatar ao enfermeiro e registrar no prontuário do cliente.(A presença de infecção não tratada adequadamente poderá resultar na soltura dos pinos, instabilidade no aparelho e até mesmo osteíte);
– Manter o membro com fixador externo elevado, para prevenir ou reduzir o edema;
– Observar regularmente a perfusão periférica, pulso, sensibilidade e edema. (Em algumas feridas pode ocorrer lesão neurovascular);
– Incentivar a realização de exercícios ativos e passivos para a estimulação da circulação e manutenção do tônus muscular.
– Orientar o cliente quanto aos cuidados com o fixador, esclarecer suas dúvidas e aliviar a ansiedade do mesmo;
– Orientar o cliente sobre os cuidados domiciliares com o membro e o fixador externo.(A higiene do membro e dos sítios de inserção dos fixadores poderá ser feita com água e sabão durante o banho);
– Realizar esse procedimento após a cicatrização do sítio de inserção dos fixadores.

Referências:

  1. Kenwright J, Harris JD, Evans M. External skeletal fixation for tibia shaft fractures. J Bone Joint Surg Br.1980; 62B(11):525.
  2. Sisk DT. External fixation. historic review, advantages, disavantages, complications, and indicatons. Clin Orthop Relat Res.1983;180(11):15-22. 
  3. Sisk DT. General principles and techniques of external skeletal fixation. Clin Orthop Relat Res. 1983;180(11):96-100.
  4. Ramos MRF, Rotbande IS, Shehata I, Knackfuss I. Contribuição ao estudo mecânico do fixador externo tubular AO. Rev Bras Ortop.1999; 34(2):134-
  5. BRANDÃO, V.Z.; SOLER, Z.A.S.G. Implementação do processo de enfermagem para um paciente com fixador externo Ilizarov: estudo de caso. Arq Ciênc Saúde, Aão José do Rio Preto, v. 13, n.3, p.61-64, 2006.
  6. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde. Série Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. 2017, 201p.
  7. POTTER, P.; PERRY, A. G. Fundamentos de enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.1480p.
  8. BULECHEK, G.M. et al. Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC). 6. Ed. Rio de janeiro: Elsevier, 2016. 610 p.
  9. SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. In: BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de enfermagem médico- cirúrgica. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 4v.

Artrodese de Coluna: O que é?

 A artrodese é um procedimento realizado para causar fusão óssea em uma articulação, causando sua imobilidade.

Já a artrodese da coluna é um método de tratamento cirúrgico das doenças da coluna vertebral que causam instabilidade.

Portanto ao realizar o procedimento causa-se a estabilidade da coluna através da imobilidade de algum(ns) de seu(s) segmento(s).

Em geral, 2 a 3 segmentos da coluna podem ser artrodesados (fixados, fundidos) sem que haja prejuízo significativo da movimentação global da coluna, pois os segmentos sadios dão conta de realizar os movimentos mais importantes da coluna.

Pacientes com dor ou sintomas neurológicos, que não melhoram com o tratamento conservador podem ter indicação de artrodese caso apresentem os seguintes diagnósticos:

  • Espondilolistese;
  • Instabilidade na coluna lombar;
  • Escoliose do adulto;
  • Artrose ou degeneração facetária;
  • História de cirurgia prévia em coluna lombar;
  • Estenose de canal vertebral;
  • Fratura vertebral de origem traumática, neoplásica, osteoporótica, infecciosa e/ou reumatológica.

      Essa cirurgia também pode ser benéfica em alguns casos de hérnia de disco quando há instabilidade da coluna. Pode ser realizada em qualquer segmento da coluna (cervical, torácica ou lombar) e é realizada tanto pela frente (anterior) como por trás (posterior), dependendo do caso.

A artrodese pode necessitar de instrumental (materiais especiais):  parafusos, barras, placas, pinos, cages (dispositivos inter somáticos, substituto do disco), etc.

Mas o que vai causar a fusão óssea é a colocação de enxerto, que pode ser obtido do próprio paciente ou ser industrializado.  Os equipamentos atuais permitem a realização da artrodese da coluna com a colocação de materiais de forma minimamente invasiva, através de pequenas incisões na pele (percutâneo) e com mínima agressão aos tecidos adjacentes.

Alguns Cuidados de Enfermagem

  • Manter o paciente em Fowler, de acordo com a orientação médica;
  • Evitar flexão, inclinação lateral e rotação do tronco;
  • Mudar decúbito em bloco, a partir do 1° dias de pós-operatório, respeitando a tolerância;
  • Realizar ortostase e marcha com auxilio, a partir do 2° dia após a cirurgia, com orientação médica;
  • Relatar alterações sentidas pelo paciente durante as atividades;
  • Orientar o paciente quanto as restrições de movimentos após a cirurgia.

Classificação de Fraturas Salter-Harris

Salter-Harris

A classificação de Salter-Harris se refere às fraturas que comprometem a fise ou “physis” (placa de crescimento) em pacientes pediátricos, e tem importância relacionada ao tipo de tratamento e ao prognóstico em termos de complicações.

Existem cinco tipos de fraturas, segundo a classificação:

  • Tipo I: fratura transversa através da placa de crescimento (ou “physis”);
  • Tipo II: fratura através da placa de crescimento e metáfise, poupando epífise;
  • Tipo III: fratura através da placa do crescimento e epífise, poupando metáfise;
  • Tipo IV: fratura atravessa todos os três elementos do osso (placa de crescimento, metáfise e epífise);
  • Tipo V: fratura compressiva da placa de crescimento (que resulta em uma diminuição na percepção do espaço entre a epífise e diáfise em raios-X);

A Deformidade nos Joelhos: O Geno Valgo e o Geno Varo

Joelhos

Os joelhos apresentam alinhamento no plano frontal que varia do valgo ao varo. O geno valgo é fisiológico dentro de valores em torno de 5 a 7 graus. O valgo, em linguagem leiga, apresenta-se com joelhos juntos e os pés afastados, formando ângulo entre a coxa e a perna de abertura externa, enquanto no varo os joelhos se afastam e os pés se aproximam, formando ângulo de abertura interna.

Quais são as suas causas?

De uma forma geral esse alinhamento é decorrente de padrão anatômico familiar, podendo ser herdado de pais e avós. Algumas alterações podem ocorrer por interferência patológica durante o desenvolvimento, como, por exemplo, raquitismo e doença de Blount. A evolução fisiológica do desenvolvimento dos joelhos varia do varo inicial, quando a criança inicia a posição de pé, ao valgo, em torno dos 3 aos 6 anos de idade. Na adolescência, tende novamente ao varo, principalmente no sexo masculino.

Arqueamento dos joelhos para dentro ou para fora definem as diferenças do geno valgo e varo.

Quais são os sintomas e o que eles podem acarretar?

Essa variação é fisiológica e, de uma forma geral, não produz qualquer sintoma nem mesmo dor. Não há o que corrigir se a evolução é fisiológica, desde que não apresente padrão patológico, como já foi dito. Quando a alteração é exagerada, deve ser tratada inicialmente porque tende a progredir, exatamente por causa da presença do potencial de crescimento, o que acentua a deformidade. Nos casos patológicos, é possível o alinhamento com procedimentos na cartilagem de crescimento (epifisiodeses) ou através de osteotomias de fêmur ou de tíbia.

Sabemos na prática clínica que os valgos e os varos acentuados, além do aspecto estético, trarão no futuro, entre 40 e 60 anos de idade, consequências para a função articular desses joelhos. Os joelhos alinhados, com leve valgo de 5 a 7 graus, não evoluirão para artrose. No entanto, tanto o varo como o valgo exagerados tendem a levar esses joelhos a artrose por conta da sobrecarga que esses desequilíbrios proporcionam. O varo produz artrose do compartimento medial do joelho, enquanto o valgo produz degeneração da cartilagem do compartimento lateral do joelho.

Quais são os tratamentos?

Na fase inicial da gonartrose (artrose do joelho) é possível a correção com osteotomias de fêmur para o geno valgo e osteotomia da tíbia para correção do geno varo.

Após essa fase inicial de gonartrose, em que as osteotomias são possíveis, o avanço da artrose, quando compromete os compartimentos medial e lateral do joelho, terá como único tratamento capaz de melhorar a função da articulação após os 65 anos a artroplastia total do joelho com prótese. As próteses em geral não são boas alternativas para pacientes abaixo dos 65 anos de idade porque têm a durabilidade comprometida.

O Fêmur

Fêmur

O fêmur é o osso mais longo e mais volumoso do corpo humano, e localiza-se na coxa.

Também é o osso mais resistente, suportando uma pressão de 1230 Kg por centímetro quadrado sem se ferir. O fêmur consiste da diáfise, da epífise proximal que se prolonga, através de um pescoço, até uma cabeça (esférica) – que o articula com o osso do quadril ou osso coxal – e da epífise distal que se divide em dois côndilos, que se ligam à tíbia e à patela.

Uma pessoa de 1,80 m tem um fêmur de aproximadamente 50 cm. Geralmente, o fêmur direito é ligeiramente menor do que o esquerdo.

O fêmur divide-se basicamente em cabeça do fêmur, colo do fêmur, trocanter maior e trocanter menor, linha áspera e côndilos femorais.