Bandeja para Intubação Orotraqueal

Indicação

Promover ventilação artificial.

Executor:

Médico

Material Necessário:

  • 01 Cânula endotraqueal (tamanho solicitado pelo médico);
  • 01 laringoscópio com a lâmina desejada pelo médico;
  • 01 par de luva esterilizada;
  • 01 par de luva de procedimento;
  • Máscara;
  • Óculos;
  • Xylocaína spray e gel;
  • 01 seringa 20ml;
  • Cadarço, tensoplast, ou fixador próprio para TOT;
  • 01 pacote de gaze;
  • 01 Ampola de Soro Fisiológico 0,9%
  • 01 Sonda de Aspiração;
  • 01 ambu conectado em rede de 02;
  • 01 Sistema de Vácuo pronto para uso em rede;
  • 01 fio-guia esterilizado.

Pré – Execução:

  • Constatar ausência e/ou deficiência respiratória;
  • Reunir o material;
  • Solicitar saída de familiares.

Execução:

  • Dispor o material próximo ao leito;
  • Testar laringoscópio;
  • Calçar luva de procedimento;
  • Testar cuff da cânula;
  • Lubrificar a extremidade distal da cânula com Xylocaína gel;
  • Introduzir fio guia na cânula (se necessário);
  • Oferecer máscara, luva esterilizada e óculos ao médico plantonista;
  • Oferecer laringo e cânula ao médico plantonista;
  • Auxiliar no procedimento;
  • Insuflar o cuff da cânula (cânulas abaixo do n° 5, não possuem cuff);
  • Revezar no ambu, se necessário;
  • Fixar a cânula com tensoplast e depois com o cadarço ou utilizar fixador próprio;
  • Manter a unidade em ordem.

Pós – Execução:

  • Desprezar o material utilizado no expurgo;
  • Lavar as mãos;
  • Repor o material de intubação;
  • Fazer as anotações necessárias;
  • Supervisionar e avaliar continuamente o procedimento realizado.

Avaliação:

  • Avaliar rigorosamente a saturação de oxigênio;
  • Avaliar expansão torácica:
  • Avaliar traumatismo de orofaringe:
  • Avaliar sangramento oral ou orotraqueal;
  • Avaliar fixação da cânula:
  • Avaliar perfusão periférica.

Riscos / Tomada de Decisão:

  • Em caso de Traumatismo oral ou queda de dentes, promover compressão local quando possível, retirar corpo estranho (dentes);
  • Seguir prescrição médica, verificar solicitação de avaliação da Endoscopia / Broncoscopia para avaliar a extensão da lesão;
  • Em caso de Intubação, auxiliar o médico para melhor posicionamento da cânula;
  • Em caso de Extubação, informar ao médico e providenciar material com urgência para nova Intubação.

Veja também:

Ventilação Mecânica

Medicações mais usadas em uma Intubação

O que é uma Intubação Endotraqueal?

Conheça um Tubo Endotraqueal

Referências:

  1. CINTRA, E. A.; NISCHIDE, V. M.; NUNES, W. A. Assistência de enfermagem ao paciente gravemente enfermo. São Paulo: Atheneu, 2003.
  2. HUDAK, C. M.; GALLO, B. M. Cuidados intensivos de enfermagem: uma Abordagem Holística. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
  3. MOTTA, A. L. C. Normas, rotinas e técnicas de enfermagem. São Paulo: Látia, 2003.
  4. PRADO, M. L.; GELBCKE, F. L. Fundamentos para o cuidado profissional de enfermagem. Florianópolis: Cidade Futura, 2013.
  5. KNOBEL, E.; LASELVA, C. R.; JUNIOR, D. F. M.; Terapia intensiva: enfermagem. São Paulo: Atheneu, 2006.

Bandeja para Sondagem Enteral

Indicação

Atender as necessidades básicas de alimentação e hidratação do cliente.

Executor:

Enfermeiro

Material Necessário:

  • 01 Par de luvas de procedimento;
  • Sonda Duboff;
  • 01 tubo de Xylocaína geléia;
  • Gaze não esterilizada;
  • 01 seringa de 20 ml;
  • Adesivo, micropore ou esparadrapo para fixação da sonda;
  • 01 estetoscópio;
  • 01 toalha;
  • 01 bandeja.

Pré – Execução

  • Observar prescrição médica;
  • Preparar o material;
  • Lavar as mãos.

Execução

  • Identificar-se;
  • Checar o nome o leito do cliente;
  • Orientar o cliente e/ou acompanhante quanto ao procedimento;
  • Elevar decúbito do cliente;
  • Calçar as luvas;
  • Medir a distância da ponta do nariz ao lobulo da orelha até o apêndice xifóide;
  • Marcar a sonda;
  • Colocar toalha sobre o tórax do cliente;
  • Lubrificar a extremidade distal da sonda e a narina escolhida com Xylocaína gel;
  • Introduzir a sonda, lentamente, pela narina até o local marcado;
  • Testar a localização da sonda, injetando 10-20 ml de ar pela sonda e procedendo ausculta abaixo do apêndice xifóide;
  • Fechar a sonda;
  • Fixar a sonda na asa do nariz, temporariamente;
  • Deixar o cliente confortável e com a campainha ao seu alcance;
  • Deixar o ambiente em ordem.

Pós – Execução

  • Lavar as mãos;
  • Desprezar o material utilizado no expurgo;
  • Checar a prescrição médica;
  • Solicitar RX de posicionamento de sonda;
  • Realizar as anotações necessárias;
  • Checar posicionamento de sonda pela imagem do RX;
  • Retirar fio guia;
  • Fixar sonda na asa do nariz, deixando uma folga para que a sonda migre até o duodeno.

Avaliação

  • Posicionamento da sonda;
  • Padrão respiratório;
  • Dificuldade de realização do procedimento;
  • Sangramento.

Riscos / Tomada de Decisão

  • Falso trajeto: avaliar dificuldade de realização do procedimento, repetir o procedimento e se necessário comunicar ao médico;
  • Sangramento: avaliar sangramento, comunicar ao médico;
  • Erro de posicionamento: avaliar posicionamento da sonda através de exame radiológico se necessário;
  • Desconforto respiratório: avaliar padrão respiratório e comunicar ao médico do cliente, se necessário.

Para saber mais sobre:

Sonda Nasogástrica e Sonda Nasoenteral: As diferenças na Nutrição Enteral

Os tipos de Dieta Enteral

Obstruiu a Sonda Enteral! Qual é o próximo passo?

Nutrição Enteral: Sistemas Aberto e Fechado

Equipo de Nutrição Enteral

Dietoterapia: Enteral e Parenteral

Como fazer uma Fixação de Sonda Enteral ou Gástrica?

 

Referências:

  1. SMELTZER, S, C.: BARE, B. G. BRUNNER & SUDDARTH. Tratado de Enfermagem Médico Cirúrgica. 13 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.
  2. POTTER, P.A.; PERRY, A.G. Fundamentos de enfermagem. 8 Ed. São Paulo: Elsevier, 2013.
  3. KOCH. R.M. et. al. Técnicas básicas de enfermagem. 22 Ed. Curitiba: Século XXI Livros, 2004.
  4. STACCIARINI, T.S.G.; CUNHA, M.H.R. Procedimentos Operacionais Padrão em Enfermagem. São Paulo: Atheneu, 2014.