Dissecção de Aorta

Uma dissecção da aorta ocorre quando uma lesão na camada mais interna da aorta permite a passagem de sangue entre as camadas da parede da aorta, forçando a separação dessas camadas.

Na maior parte dos casos está associada a dor súbita e intensa no peito ou nas costas, muitas vezes descrita como dilacerante.

A dissecção da aorta é mais comum entre pessoas com antecedentes de hipertensão arterial, doenças dos tecidos conjuntivos que enfraqueçam as paredes arteriais, como a síndrome de Marfan e a síndrome de Ehlers-Danlos, válvula aórtica bicúspide e antecedentes de cirurgia cardíaca.

Etiologia

O fator de risco mais comum para a dissecção aórtica é a hipertensão arterial, presente em 76,6% dos pacientes, especialmente história de controle inadequado da PA.

Aterosclerose, tabagismo, coarctação da aorta, valva aórtica bicúspide, doenças inflamatórias vasculares autoimunes (p. ex., arterite de Takayasu) ou infecciosas (p. ex., aortite sifilítica) são outros predisponentes.

Além disso, história patológica prévia ou antecedentes familiares de doenças genéticas que resultam em alterações no tecido conectivo (p. ex., Marfan, Ehlers-Danlos) estão presentes em até 19% dos pacientes.

A dissecção de aorta também pode ser uma complicação de intoxicações agudas catecolaminérgicas (p. ex., cocaína, anfetaminas e derivados).

Principais Causas

Principais causas de dissecção de aorta

Hipertensão arterial sistêmica Desordens do tecido conectivo: Síndrome de Ehlers-danlos, Doença de Marfan, Síndrome de Turner
Aterosclerose Tabagismo
Doença cística medial da aorta  Aortite
Iatrogenia Aterosclerose
Aneurisma aórtico torácico Trauma
Coarctação da aorta Hipervolemia (gravidez)
Estenose aórtica congênita Doença policística renal
Feocromocitoma Síndrome de Sheehan
Síndrome de Cushing Usuários de crack, cocaína e anfetaminas  (hipertensão arterial grave e abrupta)

Fisiopatologia

Na maioria dos pacientes, observa-se uma ruptura na camada íntima da aorta e consequente formação de falsa luz, cuja extensão varia. A penetração do sangue, sob alta pressão na camada média, divide-a em duas, formando uma falsa luz.

Esta laceração da parede aórtica pode ter menos que 1mm de espessura ou até mesmo envolver todo o diâmetro da aorta, resultando em oclusão total da luz verdadeira pela falsa luz.

Em 70% dos casos, a laceração da íntima, provável origem da dissecção, é observada na porção ascendente do arco aórtico a cerca de 10cm da valva aórtica. A alta frequência verificada nessa localização pode estar relacionada com o grande estresse hemodinâmico a que essa porção da aorta está submetida.

O processo de dissecção sofre constante pressão exercida pela coluna de sangue na parede da artéria, podendo causar extensão variável da dissecção e prosseguir em direção à valva, produzindo distorção das comissuras aórticas e consequente insuficiência aórtica.

A principal complicação e causa de óbito da DAA não-tratada é a ruptura da aorta, que pode ocorrer para o pericárdio, o mediastino, a cavidade pleural esquerda ou o retroperitônio.

É pouco mais comum em homens, principalmente em torno da quinta década de vida.

Apesar da baixa frequência das síndromes aórticas agudas (SAA), incidências de 15 casos por milhão de habitante/ano, elas representam condições associadas a alta mortalidade e muitos casos são diagnosticados apenas na autópsia, pois simulam várias outras doenças.

Epidemiologia

A dissecção de aorta representa de 80 a 90% dos casos de SAA, seguida do hematoma intrarnural (10 a 20%) e úlcera aterosclerótica penetrante de aorta (2 a 7% dos casos). Sendo que a dissecção do tipo A é mais frequente (67% dos casos) do que a do tipo B.

Classificação

Quanto ao tempo do inicio dos sintomas, a dissecção de aorta é classificada em:

  • Hiperaguda (< 24 h).
  • Aguda (2-7 dias).
  • Subaguda (8-30 dias).
  • Crônica (> 30 dias).
Classificação da Dissecção de aorta
Aguda Até 2 semanas (mortalidade de 60-70%)
Subaguda 2-4 semanas
Crônica Mais do que 4 semanas

A dissecção de aorta é divida segundo a classificação de Stanford em:

  • Tipo A: quando há acometimento da aorta ascendente.
  • Tipo B: quando a aorta ascendente não é atingida.

A classificação de De Bakey também é importante e é divida em três tipos:

  1. tipo I: com origem na aorta ascendente, estendendo-se pelo menos até o arco aórtico;
  2. tipo II: quando se restringe à aorta ascendente;
  3. tipo III: com origem na aorta descendente.

Diagnóstico

O diagnóstico depende, inicialmente, da suspeita clínica, seguida da confirmação por exame de imagem acurado e rápido.

A radiografia de tórax e o eletrocardiograma (ECG) devem ser realizados, apesar da sua inespecificidade.

Os achados que podem ser encontrados no Raio X são: alargamento da silhueta aórtica, sinal do cálcio e derrame pleural esquerdo. O ECG apesar de inespecífico serve para denunciar a possível existência de IAM.

A Ressonância Magnética (RM) é o exame mais acurado, entretanto, possui contra-indicação relativa em paciente instável, devido ao longo período de tempo para sua realização, e por ser método de menos disponibilidade.

A aortografia é menos utilizada como exame inicial, requer equipe especializada para a sua realização e representa procedimento invasivo. A Tomografia Computadorizada (TC) é método acurado, rápido, disponível na maioria das unidades de emergência, por isso mesmo, o mais usado como primeira escolha.

Diagnóstico diferencial

Os principais diagnósticos diferenciais na sala de emergência são:

  • Síndromes isquêmicas ou cerebrais agudas;
  • Aneurismas de aorta não dissecantes;
  • Pericardites;
  • Endocardite infecciosa;
  • Tromboembolismo pulmonar;
  • Pneumotórax hipertensivo;
  • Ruptura de esôfago;
  • Tumor de mediastino;

Tratamento e Cuidados

  • Suporte clínico: monitorização, oxigênio, acesso venoso e coleta de sangue

Beta-bloqueador: a meta é reduzir a frequência cardíaca para 55 – 65 bpm

  • Metoprolol 5mg IV em 3-5 minutos

Redução da PA

  • PA sistólica próxima de 100-120 mmHg
  • Nitroprussiato de sódio: inciar em 0,3-0,5 microgramas/kg/min com aumentos de 0,5 microgramas/kg/min a cada 3-5 min

Morfina: dose de 2-4 mg IV

  • Os avanços do tratamento da dissecção da aorta promoveram a diminuição da sua morbimortalidade. Os pacientes com suspeita de dissecção aórtica aguda devem ser encaminhados a uma unidade de terapia intensiva o mais rápido possível para monitorização contínua e tratamento adequado
  • O tratamento clínico precisa ser iniciado imediatamente, antes mesmo de se confirmar o diagnóstico. Ele será baseado no tratamento da dor e no controle do duplo produto (pressão arterial e frequência cardíaca) para tentar diminuir a chance de progressão da dissecção e a ocorrência de complicações.
  • A frequência cardíaca, na fase aguda, deve ser mantida entre 55 e 65 bpm e a Pressão Arterial Sistólica (PAS) entre 100 e 120 mmHg. A analgesia é fundamental, pois promove a redução dos tônus adrenérgicos, que pode contribuir para a progressão da dissecção. A morfina e seus derivados são os agentes de escolha.
  • Os betabloqueadores, IV, são os medicamentos de escolha. Propanolol (1 mg em bolus, seguido de 3mg/h), labetalol (20 a 80 mg em bolus a cada 10 minutos ou em infusão contínua de 2mg/minuto) e esmolol podem ser usados.
  • Na sua contra-indicação absoluta pode-se, com menor benefício, usar o nitroprussiato de sódio que deve ser associado nas situações em que o controle da pressão arterial sistêmica for insuficiente com as doses plenas de beta-bloqueadores. A dose inicial é de 0,25 a 0,5 mcg/kg/min. Ele não deve ser usado sem um betabloqueador, uma vez que seu uso isolado induz à ativação reflexa do sistema nervoso simpático com maior estresse na parede vascular

A terapia definitiva deve ser iniciada após essa abordagem inicial. A intervenção cirúrgica imediata está indicada sempre que a dissecção aórtica envolver a aorta ascendente.

A dissecção aguda confinada à aorta descendente tende a evoluir bem com a terapia clínica, entretanto, a cirurgia ou o tratamento endovascular também está indicado, quando ocorrer uma complicação grave.

Os objetivos da cirurgia definitiva incluem a abordagem do local acometido e a obliteração da entrada do falso lúmen, com a interposição de enxerto vascular.

Prognóstico

A sobrevida em 10 anos dos pacientes que recebem alta hospitalar varia de 30% a 88%, sendo semelhante na dissecção tipo A e B. Em uma análise, as maiores causas de óbito a longo prazo foram AVE, ruptura de novos aneurismas, IAM e insuficiência cardíaca

Referências

  1. Hagan PG, Nienaber CA, Isselbacher EM, et al. The International Registry of Acute Aortic Dissection (IRAD). New insights into an old disease. JAMA. 2000;283:897-903.
  2. AMARAL, LF;SALGADO, G. Dissecção aórtica aguda. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ, dez. 2008.
  3. Almeida, MA, et al.  Dissecção aguda de aorta. Revista Médica de Minas Gerais. 18 (3 supl 4), p 20-24. 2008
  4. Livro Emergências Clínicas- Abordagem Prática Herlon et al. 12ª edição Ed Manole. Capítulo 17
  5. Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro. Dissecção Aguda de Aorta. Revista da SOCERJ. Jul. 2003

Biotipologia

Os seres humanos apresentam a característica de ter uma grande variabilidade corporal, elas podem ser do tipo Extremo e do tipo Médio. As do tipo extremo são Longilíneos e Brevilíneos, a do tipo médio é Mediolíneos/normolíneos.

Segundo Dangelo & Fattini (2007), os Longilíneos tem a característica de serem magros, geralmente altos, membros longos comparados a altura dos ombros.

Os Brevilíneos geralmente são baixos, pescoço curto e membros pequenos em relação a altura dos ombros e tronco mais largo que os outros tipos.

Os Mediolíneos/normolíneos tem a característica de transição entre os outros dois tipos.

Nepomuceno (2009) menciona algumas características de cada Biótipo:

Longilíneo:

  • Pescoço longo e delgado,Tórax afilado
  • Membros alongados com franco predomínio sobre o tronco
  • Musculatura delgada e panículo adiposo pouco desenvolvido
  • Tendência para estatura elevada

Mediolíneo:

  • Equilíbrio entre os membros e o tronco
  • Desenvolvimento harmônico da musculatura e distribuição adiposa

Brevilíneo

  • Pescoço curto e grosso, Tórax alargado e volumoso
  • Membros curtos em relação ao tronco
  • Musculatura desenvolvida e panículo adiposo espesso
  • Tendência para baixa estatura

Referências:

  1. ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez. 2001.
  2. BERARDINELLI, Waldemar. Biotipologia: constituição, temperamento, caracter. 3.ed. modificada e aumentada. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1936.
  3. BERARDINELLI, Waldemar. Noções de biotipologia: constituição, temperamento, caracter. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1933.
  4. BLAKE, Stanley E. The vigorous core of our nationality: race and regional identity in northeastern Brazil. Pittsburg: University of Pittsburg Press. 2011

Membros Superiores e Inferiores

“Paciente mantendo AVP em MSD? ou em MSE? Ou em MMSS?”…

Aliás, é sempre bom não decorar e sim entender a estrutura anatômica, principalmente dos membros, pois muitas vezes dispositivos, curativos, feridas, traumas, estão localizados nestes membros!

Os Membros Superiores (MMSS)

Os membros são divididos em superiores (braços, antebraços, ombros e mãos) e inferiores (quadril, coxas, pernas e pés).

Assim, eles permitem que o corpo se movimente, ou seja, eles são responsáveis pela mobilidade, sustentação e equilíbrio.

São divididas em:

  • Braços: O corpo humano é formado por dois braços (esquerdo e direito), sendo o úmero o único osso presente nesses membros.
  • Antebraços: Localizados entre os cotovelos e os punhos, os antebraços são formados por dois ossos: rádio e a ulna (cúbito).
  • Ombros: Os ombros, chamados também de cintura escapular, são formados por dois ossos: a clavícula e a escápula.
  • Mãos: O corpo humano é formado por duas mãos, constituídas de 5 dedos cada. Os ossos da mão são: ossos do carpo (oito ossos), ossos do metacarpo (cinco ossos) e ossos do dedo ou falange (três ossos).

Os Membros Inferiores (MMII)

Os membros inferiores são:

  • Quadril: O quadril (pelve, bacia ou cintura pélvica) é o local de transição entre a região do tronco e dos membros inferiores. É formado pelos ossos: ílio, ísquio, sacro, púbis; e nas mulheres essa estrutura é mais larga a fim de facilitar no parto.
  • Coxas: As coxas estão localizadas acima dos joelhos e atuam na sustentação do corpo. Elas são formadas pelo maior osso do corpo humano: o fêmur.
  • Pernas: as pernas possuem a função de sustentação do corpo e estão localizadas entre os joelhos e os tornozelos. Elas são formadas pelos ossos: tíbia e fíbula.
  • Pés: O corpo humano é composto por dois pés, sendo que cada um deles possui 26 ossos, a saber: tarsos (07 ossos), metatarsos (05 ossos) e os ossos dos pés ou falanges (14 ossos).

Algumas Curiosidades

  • Os membros inferiores são considerados maiores, mais fortes e mais resistentes, na medida em que atuam na sustentação, locomoção e no equilíbrio do corpo.
  • Os membros inferiores são formados por 30 ossos de cada lado, dos quais 26 estão localizados em cada pé.
  • O osso mais longo do corpo é o fêmur, o osso da coxa da perna.

Referência:

1. “Membros Superiores e Inferiores” em Só Biologia. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2020. Consultado em 26/05/2020 às 10:55. Disponível na Internet em https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Corpo/sistemaesqueletico4.php

Os Dermátomos

Dermátomo é uma palavra grega que significa literalmente “corte de pele”. Um dermátomo é uma área da pele que é inervada por fibras nervosas que se originam de um único gânglio nervoso dorsal. Cada dermátomo é nomeado de acordo com o nervo espinal que o inerva.

Os processos patológicos, principalmente infeções víricas, que ocorrem em certos nervos espinhais ou nos seus gânglios frequentemente manifestam-se como lesões cutâneas na área do dermátomo respetivo, pelo que estar familiarizado com a localização dos dermátomos específicos ajuda a diagnosticar a condição facilmente.

Fatos importantes sobre os dermátomos
Dermátomos do tórax, pescoço e extremidade superior

C2 – Protuberância occipital

C3 – Fossa supraclavicular

C4 – Articulação acromioclavicular

C5 – Fossa antecubital lateral

C6 – Polegar

C7 – Dedo médio

C8 – Dedo mínimo

T1 – Fossa antecubital medial

T2 – Ápice da axila

Dermátomos da pelve e extremidade inferior

L1 – Parte antero-superior da coxa

L2 – Parte anterior média da coxa

L3 – Côndilo femoral medial

L4 – Maléolo medial

L5 – Dorso da terceira articulação metacarpal

S1 – Calcanhar lateral

S2 – Fossa poplítea

S3 – Tuberosidade isquiática

S5 – Área perianal

Dermátomos da face

V1 Nervo oftálmico – Parte superior da face

V2 Nervo maxilar – Parte média da face

V3 Nervo mandibular – Parte inferior da face

Nota clínica Infeção Herpes Zoster

Entendendo o processo do Dermátomo

A medula espinhal possui trinta e um segmentos, cada um com seu próprio par bilateral anterior e posterior de raízes nervosas, que inervam as estruturas anatômicas com fibras motoras e sensitivas. O significado clínico de um dermátomo é que, quando um caso dermatológico se apresenta limitado a um único dermátomo, um rash cutâneo por exemplo, os sintomas clínicos podem indicar envolvimento patológico da raiz nervosa relacionada.

Pontos de testes dos dermátomos

Foi desenvolvido um sistema de pontos no corpo observando as regiões dos dermátomos, de forma a que aqueles com acesso direto ao mapa dos dermátomos sejam capazes de localizar a dor e diagnosticar corretamente o nervo que pode estar afetado. Aqui segue uma lista de pontos de testes de dermátomos, organizada pela raiz espinhal que chega a cada um deles, juntamente com uma área aproximada de sua cobertura. A lista passa pelos nervos espinhais em uma direção de cranial para caudal.

Parte superior do corpo

  • C2 – Protuberância occipital
  • C3 – Fossa supraclavicular
  • C4 – Articulação acromioclavicular
  • C5 – Fossa antecubital lateral
  • C6 – Polegar
  • C7 – Dedo médio
  • C8 – Dedo mínimo
  • T1 – Fossa antecubital medial
  • T2 – Ápice da axila

Parte inferior do corpo

  • L1 – Parte ântero-superior da coxa
  • L2 – Parte ânterior média da coxa
  • L3 – Côndilo femoral medial
  • L4 – Maléolo medial
  • L5 – Dorso da terceira articulação metacarpal
  • S1 – Calcanhar lateral
  • S2 – Fossa poplítea
  • S3 – Tuberosidade isquiática
  • S5 – Área perianal

Face

Existem ainda três outros pontos de testes de dermátomos que são inervados pelo nervo trigêmeo (NC V), e não pelas raízes espinhais. As três divisões trigeminais são responsáveis pela inervação da face.

  • V1 Nervo oftálmico – Parte superior da face
  • V2 Nervo maxilar – Parte média da face
  • V3 Nervo mandibular – Parte inferior da face

A Aorta e seus ramos

aorta

A aorta é a principal artéria do corpo humano. Ela sai do ventrículo esquerdo do coração e segue em direção a raiz do pulmão esquerdo. Depois ela passa através do diafragma até chegar ao abdômen e se divide, no nível da quarta vértebra lombar, nas artérias ilíacas direita e esquerda. Delas se nutrem as vísceras pélvicas e os membros inferiores.

Logo após sair do coração, a aorta dá lugar as artérias coronárias, que fornecem sangue para o músculo cardíaco. A partir do arco surgem as artérias subclávias e carótidas, que fornecem sustentação a cabeça e aos braços. No tórax, a parte descendente da aorta dá lugar as artérias intercostais, que se ramificam na parede do corpo.

Na região do abdômen, tem origem a artéria celíaca que se divide em gástrica, hepática e esplênica; as artérias mesentéricas que se vão para os intestinos, as artérias renais que nutrem de sangue os rins, e pequenas ramificações que se dirigem à parede do corpo e aos órgãos de reprodução.

Músculos Extraoculares

Músculos Extraoculares

Os músculos extraoculares são seis músculos que controlam os movimentos do olho. As ações dos músculos extraoculares dependem da posição do olho no momento da contração muscular.

Há seis músculos extraoculares que movem o olho: o reto superior, reto medial, reto inferior e oblíquo inferior (inervados pelo oculomotor ou motor ocular comum, III nervo craniano), o oblíquo superior (inervado pelo troclear, IV nervo craniano) e o reto lateral (inervado pelo abducente, VI nervo craniano). O músculo oblíquo inferior origina-se na porção anterior da órbita. Os outros cinco músculos extrínsecos do olho originam-se no ânulo de Zinn.

Os músculos retos superior e inferior, originando-se no anel de Zinn, dirigem-se anterior e lateralmente, formando um ângulo de 23 graus com o plano sagital, e inserem-se respectivamente na superfície anterossuperior e anteroinferior do olho. Os músculos retos medial e lateral, originando-se no anel de Zinn, dirigem-se anteriormente e inserem-se, respectivamente, na superfície Antero medial e anterolateral do olho.

O músculo oblíquo superior origina-se no ânulo de Zinn e dirige-se anteriormente, junto à parte superior da parede medial da órbita, onde seu tendão passa pela tróclea e muda de direção, direcionando-se posteriormente, inferiormente e lateralmente, inserindo-se no quadrante posterior, superior e lateral do olho. O tendão forma um ângulo de 55 graus com o eixo anteroposterior do olho no plano horizontal quando o olho se encontra na posição primária.

O músculo oblíquo inferior origina-se num tendão situado adjacente à margem inferior e lateral da fossa lacrimal, direciona-se posteriormente e lateralmente inserindo-se no quadrante posterior, inferior e lateral do olho. O eixo do músculo forma um ângulo de 50 graus com o eixo anteroposterior do olho no plano horizontal, quando este se encontra na posição primária.

Curiosidades sobre a Pele Humana

Pele Humana

O corpo humano é uma máquina incrivelmente complexa. Quanto mais estudamos, mais percebemos que não sabemos quase nada sobre ele.

Te convido a viajar no corpo humano para conhecer alguns dos fatores mais importantes sobre a Pele Humana.

– A pele é chamada pelos anatomistas de Cútis.

– A pele é o maior órgão do corpo humano. Em um adulto médio, ela tem 2 metros quadrados de extensão.

– A pele é o mais pesado órgão humano. Em média, ela pesa duas vezes mais do que o cérebro.

– Ela é dividida em três camadas: a epiderme, a derme e a hipoderme. A epiderme é a cama externa da pele (que está em contato com o exterior). Já a derme fica abaixo da epiderme (digamos que é uma espécie de camada intermediária) e a hipoderme é a camada mais profunda.

– A epiderme é praticamente constituída de células mortas. As células novas e vivas são formadas um pouco abaixo dela.

– A pele de uma pessoa saudável renova-se mais ou menos a cada 28 dias.

– Se “trocamos de pele” com frequência, por que a tatuagem não sai com o tempo? A resposta é simples: porque ela é feita nas camadas mais profundas da pele (as agulhas dos tatuadores penetram cerca de 2 milímetros na pele).

– Uma pessoa adulta perde em torno de 15 gramas de pele todos os dias. Boa parte da poeira de uma residência é formada pela pele das pessoas que lá vivem.

– A pele é finíssima, com espessura de 0,4 a 2 milímetros.

– Mais uma: a pele não é uniforme. É mais fina nas pálpebras e mais grossa em áreas como a sola dos pés. Na ponta dos dedos, possui sulcos.

– A pele é praticamente idêntica em todos os grupos étnicos humanos. A diferença é que em alguns ela possui maior quantidade de melanina, se tornando mais escura.

– Os albinos possuem pele e cabelos claros em virtude de uma deficiência genética que provoca a ausência de melanina. Quanto mais branco for a pele da pessoa, maior a probabilidade de que venha a sofrer lesões provocadas por exposição ao Sol.

– Pessoas que consomem alimentos ricos em vitamina D acabam ficando com a pele um pouco mais escura. É o caso dos esquimós que, apesar de viverem em zonas frias, possuem a pele mais escura do que os europeus.

– Sua pele é capaz de liberar mais de 11 litros de suor em um dia muito quente. As únicas partes do seu corpo que não suam são o leito ungueal (aquela parte embaixo das unhas), as margens dos lábios, a ponta do pênis e os tímpanos.

– O cheiro do seu corpo vem de outro tipo de suor, aquele produzido pelas glândulas apócrinas, que estão localizadas principalmente nas axilas e na região genital.

– Esse odor específico é provocado pelas bactérias que temos pelo corpo. Elas comem a gordura que eliminamos pelas glândulas apócrinas. Haja desodorante!

– A caspa é a descamação do couro cabeludo.

– As pintas são resultado da multiplicação excessivas das células que dão cor à pele. Elas normalmente tem 0,5 centímetros de comprimento.

– Verrugas são saliências ásperas e grossas causadas por vírus (o conhecidíssimo HPV). São muito comuns em crianças e surgem principalmente nas mãos e nos pés. Só podem ser retiradas com a ajuda de um médico.

– Sardas são formadas pelo aumento da melanina. Tem origem genética e são comuns em pessoas ruivas. Sardas também surgem pela exposição excessiva ao sol.

– A acne (aumento da secreção de sebo pela glândulas sebáceas) é mais comum na adolescência e atinge mais mulheres do que homens. Aliás, você sabia que até 80% dos danos na pele surgem antes dos 18 anos?

– O que define uma queimadura é a gravidade do ferimento. A queimadura de primeiro grau apenas deixa a pele vermelha. A de segundo grau, forma bolhas. A de terceiro grau atinge as camadas mais profundas da pele. Mas a pior de todas é a de quarto grau, que carboniza a pele e atinge até os ossos.

– Pintas grandes, escuras e com bordas irregulares podem ser câncer de pele. Nesse caso, procure um médico imediatamente.

– O câncer com maior incidência no Brasil é o câncer de pele, com 25% dos casos registrados.

– Existem dois tipos de câncer de pele: o não-melanoma e o melanoma. O não-melanoma tem origem nas células escamosas e basais; o melanoma surge nas células produtoras de melanina.

– O Sol que você toma hoje pode causar danos à pele no futuro. As manchas e até o câncer podem surgir daqui a 10, 20 ou 25 anos. É por esse e outros motivos que os dermatologistas recomendam: use sempre protetor solar.

– As impressões digitais só aparecem nos fetos por volta do terceiro mês de gestação.

–  Ainda sobre as impressões digitais, sabia que é possível nascer sem elas? Duas condições genéticas podem ser responsáveis por essa característica: Síndrome de Naegeli e Dermatopathia Pigmentosa Reticulada.

– A pele humana tem pelo menos cinco tipos diferentes de receptores sensíveis à dor e ao toque.

Os Ossos do Pé

Os ossos do pé dão sustentação à importantíssima extremidade dos membros, responsável pela nossa ação de caminhar, correr e praticamente quase todos os movimentos do corpo humano.

Cada pé é composto por 26 ossos, sendo que todos eles estão divididos em três grandes regiões: tarso, metatarso e falanges.

Vejamos os ossos do pé pertencentes a cada uma dessas regiões:

Ossos do Tarso do pé

O tarso é a parte superior do pé que se liga com os ossos da perna. Essa região do pé é composta por 7 ossos:

– tálus;

– calcâneo;

– cuboide;

– navicular;

– três cuneiformes.

Obs.: desses ossos do pé, somente o tálus está articulado com os ossos da perna.

Ossos do Metatarso do pé

O metatarso consiste em um grupo com 5 ossos grandes localizados na região que antecede os dedos. Esses ossos são articulados com as falanges (dedos) e com os ossos do tarso, sendo esses 5 ossos responsáveis pelo suporte e estabilização do pé, sobretudo ao caminhar.

Ossos das Falanges do pé

A região dos dedos abriga diversos ossos do pé. A região dos dedos é composta por 14 falanges, sendo que:

– o hálux (1º dedo) tem duas falanges (proximal e distal).

– os outros quatro dedos têm três falanges cada (proximal, média e distal).

Dessa forma, temos os seguintes nomes para os ossos do pé:

  • – Calcâneo;
  • – Talo (astrágalo);
  • – Cuboide;
  • – Navicular;
  • – Primeiro cuneiforme;
  • – Segundo cuneiforme;
  • – Terceiro cuneiforme;
  • – Primeiro metatarso;
  • – Segundo metatarso;
  • – Terceiro metatarso;
  • – Quarto metatarso;
  • – Quinto metatarso;
  • – Falange proximal do Hálux;
  • – Falange distal do Hálux;
  • – Primeiro dedo (Hálux);
  • – Segundo dedo;
  • – Terceiro dedo;
  • – Quarto dedo;
  • – Quinto dedo (mínimo);
  • – Falange distal;
  • – Falange média;
  • – Falange proximal. 

Os Principais Problemas nos Pés

Os pés podem sofrer com uma série de problemas relacionados aos ossos, aos músculos ou às artérias, sendo os principais deles:

Fascite plantar

Trata-se de uma das causas mais frequentes de dor no calcanhar. Essa doença é caracterizada pela inflamação ocorrida em um dos tecidos do pé chamado de fáscia plantar, que fica localizado na sola do pé e é responsável por ligar o calcâneo (osso que forma o calcanhar) aos dedos.

A principal causa desse problema é a tensão ou uso excessivo da fáscia plantar, provocando dificuldades para caminhar e dores.

Esporão de calcâneo

Consiste numa das doenças ortopédicas mais comuns, sendo que um dos principais sintomas são dores intensas no calcanhar (principalmente quando os pés tocam o chão). Esse problema ocorre devido a uma sequência de microtraumatismos provocados no osso calcâneo, que provoca a formação do esporão. Esses microtraumatismos são causados devido a impactos intensos e constantes.

Metatarsalgia

Esse problema causa dores que atingem principalmente a parte da frente dos pés, um pouco antes dos dedos. Entre as principais causas da metatarsalgia estão o uso constante de sapatos inadequados para os pés, excesso de peso, exercícios de alto impacto e presença de deformidades nos pés (joanete ou pé cavo).

Neuroma de Morton

Trata-se de um espessamento do nervo interdigital, que passa entre os dedos do pé. O neuroma de Morton é caracterizado por causar dormência e dores na ponta do pé, sendo que uma das queixas mais comuns dos pacientes é a sensação de que eles estão pisando numa pedra ou bola, principalmente quando usam sapatos apertados ou com salto alto.

Dedos em garra e em martelo

Esses dois problemas que afetam os pés são considerados deformidades dos dedos, ocorrendo principalmente pela retração e encurtamento dos músculos e ligamentos do pé. Em alguns momentos, o dedo em garra pode estar associado a problemas mais graves de saúde, como paralisia cerebral, derrame, Pé Marie-Charcot, diabetes, distúrbios genéticos e artrite reumatoide.

Sesamoidite

Consiste em um tipo de inflamação que afeta um ou dois ossos pequenos que ficam próximos às articulações. Esse problema ocorre sobretudo devido ao uso constante de salto alto.

Joanete (hálux valgo)

Problema que afeta principalmente as mulheres, o joanete é caracterizado pelo inchaço ósseo que se forma na articulação que fica na base do dedão do pé. As principais causas do joanete estão associadas ao uso constante de sapatos apertados, tensão nos pés e artrite, sendo que os principais sintomas são dor e rigidez no dedão do pé.

Hálux rígido

Essa doença consiste na artrose da articulação metatarso falangeana, que exerce o papel de conectar o dedão ao pé. Essa doença acarreta a perda dos movimentos do dedão, fazendo com que ele fique dolorido e rígido.

Neuropatia (pé diabético)

Essa doença acontece devido a complicações do Diabetes mellitus, quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve uma ferida. Essa ferida pode ocorrer a partir do momento em que a circulação sanguínea é insuficiente e os níveis de glicemia na corrente sanguínea estão desequilibrados.

Conhecendo um pouco sobre as Veias do Membro Superior (MS)

veias

Os Ossos da mão: Conhecendo a sua Anatomia

Ossos da mão

Os Ossos da Mão dividem-se em três partes: carpo, metacarpo e falanges. O carpo é constituído por oito pequenos ossos que se articulam uns com os outros e funcionam harmonicamente. Qualquer perturbação em algum desses ossos poderá romper esse equilíbrio, com grave repercussão sobre os movimentos da mão. Dois deles, o escafoide e o semilunar, têm escassa circulação sanguínea.

Por isso, no caso de fraturas dos Ossos da Mão, consolidam-se com grande dificuldade, o que impede a maior parte dos movimentos da mão. Durante o tratamento, a mão fica imobilizada por longo período, que às vezes chega a atingir doze meses. Toda contusão, portanto, deverá ser tratada por médicos especializados, a fim de evitar graves problemas futuros em relação aos delicados movimentos da mão.

Carpo, metacarpo e falanges

O metacarpo é formado por cinco ossos iguais, de forma alongada, que se articulam de um lado com os ossos do carpo e do outro com as falanges. As falanges são três em cada dedo, com exceção do polegar, que só possui duas; ao se aproximarem do metacarpo, executam a função preênsil das mãos.

CARPO é formado de oito ossos, dispostos em duas fileiras. Os da fileira superior (estando os dedos voltados para baixo e a palma para a frente) são os seguintes, a contar de fora para dentro: escafoide, semilunar, piramidal e pisiforme. Os da segunda fileira, na mesma ordem, são: trapézio, trapezoide, grande osso e osso unciforme.

METACARPO, que constitui o esqueleto da palma da mão, é formado por cinco ossos metacarpianos.

Os DEDOS (FALANGES), em número de cinco (polegar, indicador, médio, anular e auricular), articulam-se com os metacarpianos. Cada dedo apresenta três falanges: a primeira, ou falange; a segunda, ou falanginha, e a terceira, ou falangeta. O polegar tem apenas duas falanges.