A Nefrostomia

Em pacientes com pionefrose (hidronefrose com infecção) a descompressão do trato urinário pode salvar a vida.

Embora a drenagem possa ser conseguida com cateterização ureteral retrógrada, a drenagem por nefrostomia percutânea é freqüentemente preferida em pacientes enfermos e é freqüentemente realizada emergencialmente.

Nesta circunstância, a nefrostomia percutânea é quase sempre tecnicamente bem sucedida e freqüentemente resulta em uma melhora clínica marcante.

O que é a Nefrostomia?

A nefrostomia em método percutâneo é a colocação de um dreno diretamente no interior do rim. Esse procedimento é necessário quando há uma obstrução das vias urinárias na pelve, que impede a drenagem normal da urina para a bexiga.

A medida pode ser implementada para pacientes com tumores da bexiga, tumores avançados de útero e próstata. Ou, ainda, quando ocorrem algumas complicações – que exigem cirurgia ou radioterapia – e nos tratamentos de fístulas e infecções.

Como é realizado?

É realizada por meio de um cateter, geralmente denominada de “Malecot, Skater” que através de uma incisão é inserido diretamente na pelve renal para o desvio temporário ou permanente da urina e exteriorizando próximo a cintura do lado do rim que foi drenado. Este cateter pode ser circular, isolado com formato de alça sendo conectado a um sistema fechado de drenagem.

Antes do procedimento, exames de imagem são realizados para a determinação da posição anatômica exata do rim.

O procedimento é realizado por via percutânea sob guia fluroscópica, ultrassonografica ou tomográfica.

A agulha atravessa a pele, o tecido subcutâneo, as camadas musculares superficial e profunda e o parênquima renal até alcançar o sistema coletor.

O tubo de nefrostomia também pode ser posicionado cirurgicamente, mas os agentes anestésicos podem ser perigosos em pacientes com choque renal iminente.

A nefrostomia sob anestesia locorregional é especialmente importante neste caso.

Complicações

Dentre as potenciais complicações associada a esse procedimento se destacam infecção, sangramento no local de inserção do cateter associada ou não a hematúria, além de complicações mais graves como fistula arteriovenosa renal, pseudoaneurisma, laceração de vasos, pneumotórax e punção de órgãos adjacentes.

Os Cuidados de Enfermagem

No Pós-operatório imediato o enfermeiro realiza o plano de cuidados individualizado conforme a necessidade do paciente.

Estes cuidados auxiliam a detecção precoce de complicações pós-operatórias como evidencia de maior preocupação destacamos a Hemorragias e Obstruções que aumentam o risco de infecções e formação de fistulas.

Os cuidados com curativo e irrigação da sonda deve obedecer ao protocolo de cada instituição.

O enfermeiro prepara o paciente para o procedimento, o acompanha durante a realização e avalia os resultados.

Destaca-se ainda a importância do processo de educação nesta situação sendo assim, imprescindível que o enfermeiro atue como agente ativo no ensino e orientação referentes a implantação e manutenção do cateter.

Os cuidados de enfermagem visam realizar avaliações e intervenções específicas, manter o estoma saudável e funcionante, prevenir complicações, promover orientações com vistas ao autocuidado além de proporcionar conforto ao paciente.

Insuficiência Renal: O que é ?

Insuficiência Renal

A Insuficiência renal é a perda súbita da capacidade de seus rins filtrarem resíduos, sais e líquidos do sangue. Quando isso acontece, os resíduos podem chegar a níveis perigosos e afetar a composição química do seu sangue, que pode ficar fora de equilíbrio.

As causas desta doença são várias, os rins tornam-se incapazes de proceder à eliminação de certos resíduos produzidos pelo organismo.

Existem dois tipos de Insuficiência Renal:

A IRA (Insuficiência Renal Aguda)

É Perda rápida de função renal que pode ser recuperada no espaço de poucas semanas. As causas devem-se desidratação, intoxicações, traumatismos, medicamentos e algumas doenças. Dependendo da gravidade e porque a vida não é possível sem os rins a funcionar, pode ser necessário fazer diálise.

A IRC (Insuficiência Renal Crônica)

Já é a perda lenta progressiva, irreversível das funções renais (é nesta fase que se aconselha os doentes a iniciarem um caminho pessoal de preparação para a diálise).

Lembrando que a IRC é uma patologia progressiva, com elevada taxa de mortalidade, que ameaça tornar-se num grave problema de saúde pública com implicações sérias no Serviço Nacional de Saúde.

Causas que podem levar a uma Insuficiência Renal

  • Condição que diminui o fluxo sanguíneo para os rins;
  • Dano direto aos rins;
  • Uso de alguns medicamentos;
  • Bloqueio nos tubos de drenagem de urina dos rins (uréteres), fazendo com que os resíduos não consigam deixar o corpo através da urina;
  • Glomerulonefrite;
  • Pielonefrite;
  • Rins policísticos;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial.

Há fatores de Risco!

Várias doenças podem concorrer para a anulação funcional permanente dos rins. Atualmente, a mais frequente é a Nefropatia diabética.

A hipertensão arterial, a nefropatia isquêmica, a pielonefrite aguda, as glomerulonefrites e a doença renal policística autossômica dominante são outras doenças que estão na origem da Insuficiência renal crônica (IRC).

Sinais e Sintomas

Os sinais de doença renal aparecem gradualmente, pode nem notar o início destes sinais e sintomas. (Quando a função renal e inferior a 50% podem surgir os seguintes…)

  • Menor produção de urina; necessidade frequente de urinar, mesmo de noite;
  • Inchaço das mãos, pernas, em torno dos olhos;
  • Falta de ar;
  • Dificuldades em dormir;
  • Perda de apetite, náuseas e vômitos;
  • Hipertensão;
  • Sensação de frio e fadiga.

Como é avaliado a função renal?

Clearance de Creatinina

Uma forma mais direta de avaliação da função renal é através da determinação da clearance: a clearance (K) é o volume de sangue a partir do qual uma substância é completamente eliminada pelos rins em cada unidade de tempo (normalmente ml/min.). Matematicamente, essa capacidade pode ser expressa por:

K = Taxa de depuração concentração no sangue

A clearance da creatinina numa pessoa normal saudável é 100-140 ml/min. Isto significa que cerca de 10% do sangue que passa pelos rins (aproximadamente 1200 ml/min) são completamente livres de creatinina. Isto diminui com a idade, sofrendo uma redução de 50% aos 70 anos.

Taxa de Filtração Glomerular (TFG)

O método mais comum para estudar a função renal é calcular a taxa de filtração glomerular (TFG). Na prática clínica, a urina produzida durante um período de 24 horas é recolhida e o volume total e a concentração da creatinina são analisados. Durante este período de colheita da amostra, também é colhida uma amostra de sangue e analisada a concentração no plasma.

Como é o tratamento para os pacientes renais?

O tratamento consiste em todas as medidas clínicas (remédios, modificações na dieta e estilo de vida) que podem ser utilizadas para retardar a piora da função renal, reduzir os sintomas e prevenir complicações ligadas à doença renal crônica.

Apesar dessas medidas, a doença renal crônica é progressiva e irreversível até o momento. Porém, com o tratamento conservador é possível reduzir a velocidade desta progressão ou estabilizar a doença.

Esse tratamento é iniciado no momento do diagnóstico da doença renal crônica e mantido a longo prazo, tendo um impacto positivo na sobrevida e na qualidade de vida desses pacientes. Quanto mais precoce começar o tratamento conservador maiores chances para preservar a função dos rins por mais tempo.

Quando a doença renal crônica progride até estágios avançados apesar do tratamento conservador, o paciente é preparado da melhor forma possível para o tratamento de diálise ou transplante.

O Preparo do paciente para terapia de diálise ou transplante

Essa fase do tratamento inicia-se quando o paciente apresenta em torno de 20% da sua função renal e depende da velocidade com que a sua doença progride; à medida que a função renal se aproxima de 15% é fundamental preparar o paciente para o tratamento de substituição da função renal (diálise ou transplante). A realização desses procedimentos permitirá que o paciente tenha menos complicações quando for iniciar a diálise ou submeter-se ao transplante de rim.

Os Cuidados de Enfermagem na Diálise

  • Monitoração dos SSVV a cada trinta minutos;
  • Monitorar o peso do paciente antes e depois da diálise;
  • Avaliar a via de acesso e monitorar sinais flogísticos;
  • Adotar medidas para controle de infecções;
  • Proporcionar suporte emocional;
  • Avaliar dor e administrar analgésicos prescritos;
  • Aplicar bolsas de calor ou frio;
  • Realizar massagens visando o relaxamento do paciente;
  • Avaliação clínica do paciente;
  • Administrar medicação prescrita;
  • Monitorar o peso do paciente antes e depois da diálise;
  • Manutenção do acesso da diálise;
  • Monitorar níveis anormais de eletrólitos séricos;
  • Ofertar se necessário oxigenoterapia;
  • Verificar SSVV;
  • Realizar curativos do cateter: monitorar os locais das punções, alternando-as;
  • Inspecionar a pele.

Pielonefrite

Pielonefrite

A pielonefrite designa uma infecção do trato urinário, que atinge a “pielo” (pelve) do rim. Afeta quase todas as estruturas do rim e existe sob duas formas: pielonefrite aguda (causada por uma infecção bacteriana) e pielonefrite crônica (infecções bacterianas repetidas, associadas a um sistema imunitário debilitado).

Pielonefrite Aguda

É causada por uma infecção bacteriana aguda, nomeadamente por bactérias Gram-negativas, que fazem parte da flora normal do intestino. Estas bactérias, a título de exemplo, podem ser: Escherichia coli, Enterobacter, Proteus Mirabillis ou Klebsiella).

A infecção bacteriana acontece a nível da uretra, bexiga e/ou ureteres. Desta forma, é comum designar-se como uma infecção ascendente.

Os ureteres transportam a urina, proveniente do rim, para ser armazenada na bexiga, antes de ser expelida pela uretra. Existem mecanismos anti-refluxo que não permitem que a urina passe da uretra/bexiga para os ureteres/rins (ou seja, que faça o percurso inverso). No entanto, se estes mecanismos, devido a anomalias congênitas ou a inflamação, não forem eficazes, a urina volta para trás e pode transportar bactérias que infectam a bexiga, a uretra e até mesmo o rim.

A obstrução de um ureter também pode conduzir a uma pielonefrite. Esta obstrução pode ser devida a litíase renal (pedras nos rins) ou a uma hiperplasia benigna da próstata (presente nas pessoas do genero masculino e muito frequente a partir dos 70 anos). Nestas situações de obstrução, a estase da urina acima da obstrução permite o crescimento bacteriano.

Um catéter urinário também é um fator de risco, bem como a gravidez ou um traumatismo do aparelho urinário.

Pielonefrite Crônica

A pielonefrite crônica deriva de infecções bacterianas constantes (pielonefrites agudas de repetição) que podem ser mais ou menos graves, e que ocorrem, frequentemente, durante um período alargado.

Existe uma destruição generalizada de nefrônios (unidade básica e funcional do rim), que são substituídos por tecido de cicatrização. Isto pode levar a uma insuficiência renal crônica terminal (IRCT).

As causas mais reiteradas são a insuficiência dos mecanismos anti-refluxo e a litíase renal.

Pode ser considerado internar uma pessoa com pielonefrite, numa unidade de saúde, se a pessoa:

  • Estiver grávida;
  • Tiver outras co morbilidades pertinentes;
  • Tiver obstrução das vias urinárias;
  • Em casos graves de sépsis (infecção generalizada).

Epidemiologia

A Pielonefrite acontece mais frequentemente em bebés com idade inferior a um ano (devido às dejecções frequentes e à prematuridade do sistema imunitário); na população feminina (provavelmente devido à maior proximidade do ânus em relação à uretra) e em homens com hiperplasia benigna da próstata (fazem retenção urinária).

Sinais/Sintomas e Diagnóstico

Normalmente, o início da Pielonefrite aguda acontece de forma abrupta. Já a Pielonefrite Crônica acontece de forma mais gradual, sendo que os sintomas podem ser mais suaves.

Os sinais e sintomas desta doença são:

  • Dor ao urinar (disúria);
  • Urgência em urinar;
  • Urinar várias vezes (polaciúria);
  • Febre;
  • Calafrios;
  • Suores;
  • Mal-estar;
  • Dor lombar;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Pus na urina (piúria)

O diagnóstico é, normalmente, realizado tendo por base os sinais e sintomas e a análise laboratorial, através de colheita de sangue/urina. Em casos de necessidade, para eventual estudo, por exemplo, a tomografia computadorizada (TAC) com contraste intravenoso é o exame recomendado, em virtude da sua elevada sensibilidade e especificidade.

Prognóstico e Tratamento

O tratamento da Pielonefrite Aguda passa pelo uso de antibióticos (como o Ceftriaxona, Levofloxacino) e a recomendação de uma maior ingestão de líquidos (se não houver contra-indicações). Após alguns dias de toma de antibiótico, começa a haver a remissão de sinais e sintomas.

Em casos de Pielonefrite Crónica (em que as pessoas têm as defesas imunitárias comprometidas) podem ocorrer complicações, nomeadamente sepse (infecção generalizada, de prognóstico reservado, podendo ser mortal e que necessita de hospitalização) ou necrose da pelve renal, que conduz, por sua vez, a insuficiência renal crônica. Frequentemente, esta insuficiência renal crônica evolui, exigindo o tratamento de diálise.

Os Cuidados de enfermagem:

  • Promover conforto ao paciente;
  • Estimular os mecanismos de defesa do organismo;
  • Encorajar o paciente a urinar a cada 3 horas esvaziar a bexiga completamente;
  • Ofertar líquidos com frequência para estimular o fluxo urinário;
  • Repouso no leito em fase aguda.

 

Bexiga Neurogênica: O que é?

Bexiga Neurogênica

Qualquer condição que interrompa a função da bexiga ou a sinalização neurológica aferente e eferente provoca bexiga neurogênica.

A bexiga neurogênica é um conjunto de disfunções que afetam o enchimento, o esvaziamento e a capacidade de armazenamento da bexiga. Está presente em pessoas com doenças neurológicas e diabetes, provocando perda da capacidade de controlar a micção.

Os indivíduos com bexiga neurogênica não conseguem perceber quando a bexiga está cheia e não são capazes de eliminar a urina voluntariamente.

Em bexigas com funcionamento normal, à medida que a urina se acumula no seu interior, as suas paredes relaxam para ir acomodando um volume cada vez maior de urina.

Na bexiga neurogênica, as suas paredes perdem essa capacidade de se distender. Logo, conforme a bexiga vai se enchendo, a pressão no seu interior aumenta, podendo inclusive provocar dilatação dos rins.

Assim, a bexiga perde a sua capacidade de armazenar a urina e manter uma pressão baixa no seu interior ao mesmo tempo.

Como resultado, ocorrem contrações involuntárias da musculatura da bexiga, com perdas de urina.

Existem dois tipos de Bexiga Neurogênica:

1. Bexiga Hiperativa

Também é conhecida como bexiga espástica ou bexiga nervosa, pois a bexiga se contrai de forma involuntária, havendo assim a perda de urina de forma inesperada e em momentos inapropriados.

  • Sintomas: incontinência urinária, vontade de urinar frequente e em pouca quantidade, dor ou ardência na região da bexiga, perda do controle da capacidade de urinar.

A bexiga hiperativa é mais comum em mulheres, podendo ser estimulada por alterações hormonais na menopausa, ou pelo aumento do útero na gravidez.

2. Bexiga Hipoativa

Também é conhecida como bexiga flácida, pois a bexiga não é capaz de se contrair voluntariamente, ou o esfincter não é capaz de relaxar, o que provoca o armazenamento de urina, sem a capacidade de eliminá-la de forma adequada.

  • Sintomas: sensação de que bexiga não esvaziou completamente após urinar, gotejamento após urinar ou perda de urina involuntária. Isto aumenta as chances de haver infecção urinária e prejuízo na função dos rins, e por isso o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível.

O que causa a Bexiga Neurogênica?

Em crianças, as principais causas de bexiga neurogênica são as doenças neurológicas congênitas, como mielomeningoceles, paralisia cerebral, entre outras.

Nos adultos, a bexiga neurogênica está relacionada com lesões na medula espinhal (paraplegia, tetraplegia), Parkinson, diabetes, esclerose múltipla, diabetes, derrames (AVE), tumores cerebrais, entre outras doenças e problemas neurológicos.

Apesar do diabetes não ser uma doença de origem neurológica, pode causar danos nos nervos periféricos que atuam sobre a bexiga.

E algumas outras causas:

  • Irritação da bexiga, por infecção urinária ou alterações hormonais, como na menopausa;
  • Alterações genéticas, como ocorre na mielomeningocele;
  • Doenças neurológicas reversíveis como neurocisticercose ou neuroesquistossomose;
  • Compressão de nervos da região lombar por hérnia de disco;
  • Acidente que lesiona a coluna, causando paraplegia ou tetraplegia;
  • Doenças neurológicas degenerativas como a esclerose múltipla;
  • Comprometimento neurológico pós-AVE;
  • Alterações neurológicas periféricas pelo diabetes;
  • Perda da elasticidade da bexiga, causada por inflamações, infecções ou alterações neurológicas em geral.

Em homens, a próstata aumentada pode simular muitos sintomas de bexiga neurogênica, sendo uma importante causa reversível de alteração da função dos músculos urinários.

A Assistência de Enfermagem

Observando e sentindo a problemática apresentada pelos pacientes portadores de bexiga neurogênica e verificando ser a abordagem deste problema de interesse para a enfermagem, é fornecido a assistência de enfermagem como:

  • Prevenção de infecções e cálculos vesicais;
  • Reeducação da função vesical;
  • Manutenção das roupas secas;
  • Manutenção da integridade da pele.

Prevenção de infecções e cálculos vesicais

Enquanto se processa a avaliação das condições urinárias do paciente é importantíssimo prevenir as infecções e a formação de cálculos vesicais.

Isto pode ser conseguido através de periodicidade e técnica asséptica rigorosa na troca do cateter e de um programa de ingestão de grande quantidade de líquidos, que estimula o funcionamento renal, auxilia a eliminação de resíduos urinários, dificulta a formação de cálculos e a instalação de infecção.

A lavagem vesical periódica, já não é mais aconselhada, na tentativa de eliminação de mais uma fonte de contaminação, no entanto, alguns urologistas ainda indicam o seu uso.

Caso essas medidas preventivas não sejam suficientes para impedir a instalação de infecção, o médico recorre à antibioticoterapia, como parte do tratamento.

Desde que o paciente esteja livre de infecção vesical pode-se tentar um programa de treinamento para esvaziamento periódico da bexiga.

Fase de treinamento para reeducação vesical

Elabora-se um programa de treinamento para o esvaziamento da bexiga de forma a ajudá-la a funcionar em ritmo de freqüência de eliminação tão próximo ao normal quanto o possível.

Fase de treinamento para o auto-cuidado

Após a retirada da sonda, muitos aspectos deverão ser abordados com o paciente, tentando-se evitar complicações como: infecções, cálculos e extravasamentos de urina.

Uma orientação clara, objetiva e enfocando a importância do cuidado que o paciente deve ter com seu corpo, é fundamental para a sua independência.

A ingestão de líquidos continua a ser bastante estimulada, numa média de 3000 ml. diários, tentando-se prevenir as complicações vesicais já referidas anteriormente.

O controle das características e do volume urinário, é importante.

Qualquer alteração na cor, odor, volume ou quantidade de sedimentação, deve ser imediatamente notificada ao médico, ao mesmo tempo em que se inicia uma hidratação oral intensa, visando maior estímulo para o funcionamento renal e vesical, auxiliando a eliminação de impureza.

Veja mais em nosso canal Youtube:

 

Veja também:

Sistema Urinário

O Néfron

Néfron

Você sabia que o Néfron é a principal estrutura formadora de urina?

Ela é a menor unidade funcional do sistema que compõe o rim humano.

Em cada um dos rins de uma pessoa, existem cerca de 4 milhões de néfrons. Embora o néfron seja de um tamanho microscópio, ele é essencial para o bom funcionamento dos rins e, como consequência, da saúde geral de uma pessoa.

Embora seja uma estrutura microscópica,o néfron exerce diversas funções na manutenção da saúde do organismo humano.

Sua função é filtrar os elementos que passam pelo sangue através do rim. Ou seja, os néfrons são responsáveis por filtrar, no plasma sanguíneo os elementos que devem ser eliminados do organismo e aqueles que devem seguir para manter o equilíbrio do organismo.

Você sabia?

Embora pareça simples, é através do néfron que é possível regular a pressão arterial, manter o equilíbrio hidroeletrolítico do corpo humano, secretar hormônios, eliminar os resíduos do metabolismo do sangue, controlar a quantidade de líquido do corpo humano, limpar o plasma sanguíneo, manter o equilíbrio ácido-base do corpo e por fim, produzir a urina!

Uma curiosidade!

Nossos rins filtram, em média, 180 litros de sangue por dia, formando aproximadamente 1,5 litros de urina!

 

Veja mais em:

 

Cistostomia: O que é?

O Cateterismo Suprapúbico , Vesicotomia ou Cistostomia, é o procedimento que estabelece a drenagem (saída) da urina por meio da introdução de um cateter tipo Foley de forma percutânea ou pela incisão da parede abdominal anterior até a bexiga.

Como funciona?

Quando o paciente não consegue urinar e a urina fica presa dentro da bexiga, normalmente é colocada uma sonda pelo pênis para extrair a urina. Se a sonda não consegue avançar pela uretra do pênis, a única alternativa para esvaziar a bexiga e aliviar o sofrimento do paciente é entrar na bexiga por um outro caminho, e o caminho mais curto é através do abdome acima do osso púbico.

Após anestesia local com auxílio de sedação anestésica, é feita uma pequena incisão através da qual é inserido um trocáter (semelhante aos furadores de coco) que vai até a bexiga. Por este trocáter é inserido uma sonda para dentro da bexiga e o balão existente na extremidade da sonda que fica dentro da bexiga é insuflado evitando que a sonda saia.

Quais são as causas?

As principais causas da impossibilidade de sondar o paciente pela uretra são:

-Estenose de Uretra;
-Trauma de Bacia com lesão grave da uretra;
-Cálculo impactado dentro da uretra quando não é possível resolver o cálculo de imediato;
-Próstatas muito volumosas;
-Câncer avançado da próstata e da uretra;
-Infecções graves do pênis e saco escrotal (síndrome de Fournier).

Para evitar infecções na pelo por onde a sonda entra e infecções urinárias, a cistostomia deve permanecer o mínimo de tempo possível nos casos em que é possível tratar de forma rápida a doença que provocou essa situação. Infelizmente, no Brasil, mesmo em casos simples e tratáveis como a estenose de uretra e o aumento da próstata, os pacientes do SUS permanecem por um longo período até conseguirem realizar a cirurgia para estes problemas permitindo a retirada da cistostomia.

Lembre-se: Os procedimentos invasivos à bexiga podem causar infecção e até comprometer ureteres e rins. É muito importante seguir com rigor a técnica asséptica (livre de micro-organismos) para não levar infecção ao cliente. Jamais esqueça-se também de que antes de retirar a sonda de demora é necessário primeiro desinflar o balonete para não causar grave lesão na uretra do paciente! E, lave as mãos antes e após qualquer procedimento com o paciente.

E ainda, o cliente com queda de resistência em seu sistema de defesa (imunológico) é mais predisponente à infecção urinária. Se o paciente sofre de retenção urinária, não se deve drenar mais que 750 ml de urina de cada vez, para evitar uma descompressão brusca da bexiga.

Veja também:

Cateterismo Vesical de Demora

Cateter Vesical de Alívio

Sistema Urinário – Terminologias

Terminologia Urina

Conheça os Tipos mais comuns de Incontinência Urinária

incontinência urinária

A Incontinência Urinária é uma condição que afeta dramaticamente a qualidade de vida, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico e social. A incontinência urinária pode acometer indivíduos de todas as idades, de ambos os sexos e de todos os níveis sociais e econômicos.

Normalmente existe uma perfeita coordenação entre a bexiga e o esfíncter (músculo que funciona como uma válvula que fecha a uretra, impedindo a saída da urina). A maioria das pessoas possui completo controle sobre esse processo, permitindo o enchimento da bexiga entre 400 ml e 500 ml, sem que ocorram perdas urinárias. Na fase de enchimento, a bexiga está relaxada e o esfíncter contraído. Na fase de esvaziamento da bexiga, é necessária uma perfeita coordenação entre a contração do músculo da bexiga e o relaxamento do esfíncter. Esta coordenação é chamada de Sinergismo Vesicoesfincteriano.

A incontinência urinária atinge 10 milhões de brasileiros de todas as idades, sendo duas vezes mais comum no sexo feminino, afirma a Sociedade Brasileira de Urologia. É um problema que afeta todas as faixas etárias, mas acomete mais a população idosa.

Causa um impacto muito grande na qualidade de vida das pessoas. Constrangimento social, mau cheiro etc. O grande problema é o impacto que ela causa. Tornam-se pessoa deprimidas, que perdem suas relações sociais e familiares.

Quais são os tipos de Incontinência Urinária?

É classificado a incontinência pelos sintomas ou pelas circunstâncias que ocorrem no momento da perda de urina. A seguir descrevemos os tipos mais comuns:

Incontinência Urinária de Esforço (Ou também Incontinência Urinária Por Estresse)

A incontinência de esforço acontece quando a pessoa não tem força muscular pélvica suficiente para reter a urina. Isso significa que ela terá perda de urina ao espirrar, tossir, rir, levantar algo, subir escadas, fazer atividades físicas, mudar de posição ou fazer algo que põe a bexiga sob pressão ou estresse. Ela ocorre frequentemente em mulheres e em
homens que tiveram algum tipo de lesão do esfíncter urinário.

Incontinência urinária de urgência

A incontinência de urgência é um desejo de urinar que é tão forte que você não consegue chegar ao banheiro a tempo. Isso pode acontecer mesmo quando você tem apenas uma pequena quantidade de urina na sua bexiga. A síndrome da bexiga hiperativa é a principal causa da incontinência de urgência.

Incontinência urinária por transbordamento

Esse tipo de incontinência ocorre quando a bexiga está sempre cheia, ocorrendo vazamentos. Também pode acontecer de a bexiga não se esvaziar por completo, o que leva ao gotejamento.

Incontinência urinária funcional

A incontinência funcional ocorre quando uma pessoa reconhece a necessidade de urinar, mas está impossibilitada de ir ao banheiro devido a alguma doença ou complicação que a impede de chegar ao banheiro por conta própria.

Incontinência urinária mista

Em alguns casos, os sintomas de incontinência urinária podem se misturar, criando a incontinência mista.

O que a cor anormal da urina diz sobre sua saúde?

Urina

Pode ser alarmante ver sangue de cor vermelha de urina na bacia, ou verde, Azul, nublado, ou líquido espumoso que sai do seu corpo. Na maioria das vezes, no entanto, há uma explicação não-ameaçador para a urina que vem em todas as cores do arco-íris.

Os especialistas nos dizem que um corpo saudável de urina é cor de palha. É só um pouco de amarelo e transparente. De vez em quando, no entanto, urina vem em cores diferentes. Em geral, urina de cor estranha é de origem benigna, mas ocasionalmente é um sinal de que está na hora de ir ao médico.

Urina amarela palha

Urina saudável é da 96 por cento da água, com apenas alguns outros produtos de resíduos. O corpo excreta um composto de ácido chamado ureia quando excesso aminoácidos têm de ser convertidos em açúcar. O açúcar permanece no corpo, e uréia, nesse caso contrário faz o pH do sangue fluxo cair.

Uréia em si é incolor. A pequena quantidade de pigmento amarelo na urina saudável é um composto chamado urocromo, é feita a partir de sais biliares reciclados. Bile é um líquido produzido pelo fígado para dissolver as gorduras no trato digestivo. Excesso de sais biliares são eliminados na urina e fezes.

Se você colocar a urina em um frasco, você deve ser capaz de ver a sua verdadeira cor se você devolver um livro branco ou um jornal. Se sua urina está escura, é possível que você não está bebendo bastante água.

Urina completamente límpida (transparente)

Se a urina é completamente clara, é geralmente o resultado de excesso de água que está bebendo. Atletas que bebem muita água durante as competições esportivas, por exemplo, e as pessoas nos regimes de dez copos de água por dia tendem a ter a urina clara. Urina clara geralmente significa apenas que o urocromo é tão diluído que não é visível. Se você parar de beber tanta água, e retorna a cor normal.

Urina clara também é comum em pessoas que tomam diuréticos, em geral, para o pressão arterial elevada ou edema. Quando a medicação é interrompida, Retorna a cor. O médico provavelmente vai levar uma amostra de urina, como parte da vigilância sanitária regular.

Em casos raros, clara de urina pode resultar de diabetes insipidus, a falha da glândula pituitária no cérebro para fazer uma substância chamada hormônio antidiurético. Isso é causado por uma lesão no cérebro ou em certas condições metabólicas. Os rins não recebem a mensagem para mantê-lo no meio da noite, então o sono torna-se difícil, e desidratação, apesar da urina clara, é uma preocupação constante. Essa condição aumenta a sede, uma vez que aumenta a micção, mas é muito difícil acompanhar a hiperatividade dos rins para o dia. Diabetes insipidus é diagnosticada, privando o paciente de água, que isso não deve diminuir a produção de urina, tanto como esperado o oposto.

Urina laranja

Urina laranja pode ser tingida por beta-caroteno, o composto antioxidante mais generoso em cenouras. As pessoas que consomem grandes quantidades de cenouras podem ter urina de cor laranja. Urina laranja também pode ser um sinal de hepatite, como a inflamação no fígado faz bile para viajar diretamente para os rins. No entanto, a desidratação é a causa mais comum de urina laranja. Os rins trabalham a noite toda, quando não me erguer para água potável, e manter a eliminação de urocromo (mencionado acima) sem retirar a água para diluir.

O significado das outras cores urina anormal

Urina amarela brilhante

Às vezes, a urina é brilhante, quase amarelo “Néon”. Em geral, este é um resultado de tomar vitaminas suplementos nutricionais. O corpo não pode armazenar grandes quantidades de vitamina B2, então ele derrama na urina, onde tem uma cor muito perceptível. Como um composto químico isolado, Vitamina B2 é mais laranja amarelo, mas porque ele também absorve a luz azul, tem uma aparência brilhante e amarela na urina. Vitamina B2 é ligeiramente solúvel em água, então, a cor é geralmente sensível primeira micção após tomar o suplemento, em excesso tende a ser excretado ao mesmo tempo.

Urina azul

Se você tiver a urina azul, a explicação mais provável é que você consumiu alimentos feitos com corantes azuis, como glacê ou doce? O fígado processa a coloração e envia mais ou menos diretamente para os rins excretam. Urina azul também é causada pelo uso de azul de metileno, que é injetado em caso de intoxicação acidental com cianeto ou é usado para tratar infecções do trato urinário.

A urina de cor verde

Urina verde é mais comumente um subproduto de um tipo de bactéria chamada Pseudomonas aeruginosa. Esta bactéria vive no intestino, Mas pode ser transferido no trato urinário quando aplicado com um papel higiênico de movimento para a frente em vez de com um movimento para trás. Algumas pessoas que têm câncer de fígado também podem ter urina verde, como algumas pessoas que bebem grandes quantidades de chá verde. urina de cor verde é por vezes observada após exposição a substâncias tóxicas.

O propofol anestésico pode fazer urina esverdeada, assim como certos medicamentos para a doença de Parkinson.

A urina de cor roxa

Urina roxa tende a ser o resultado de uma doença chamada porfiria, Isso afeta cerca de 30.000 pessoas, principalmente no Reino Unido e África do Sul. Porfiria foi a causa do “loucura da infame rey Jorge III” da Grã-Bretanha, enquanto agora pode ser tratada.

Urina vermelha ou cor de rosa

A maioria das pessoas está alarmada com a urina de vermelho na bacia. Às vezes, a descoloração é causada por pigmentos de plantas, em particular a beterraba, mas é mais frequentemente devido a sangramento em qualquer parte do trato urinário. Você precisa apenas 1 ml de sangue para dar a urina cor de rosa. Sangramento do trato urinário pode ser causada por pedras nos rins, golpes nos rins ou da bexiga, o, em casos raros, câncer de bexiga.

Urina marrom ou preta

Igualmente preocupante é a presença de urina marrom ou preta no vaso. Felizmente, Geralmente tem uma causa benigna. O consumo de certos tipos de feijões, especialmente o feijão ou feijão aveludado, provoca o escurecimento da urina devido ao seu teor de dopamina. Certos medicamentos para a doença de Parkinson também, eles têm este efeito, baseado em laxantes sena (nos Estados Unidos. UU. e o Reino Unido, Sennecot) você também pode escurecer a urina.

Urina turva ou branca

Urina turva geralmente indica uma infecção bacteriana. Quando o trato urinário está infectado, o sistema imunológico envia glóbulos brancos para atacar os germes. Alguns deles aparecem na urina de após o despertar.

Os homens têm às vezes urina escura ou espumosa após a relação sexual, ou quando não ejaculam durante longos períodos de tempo. O sêmen pode ficar no trato urinário, e na próstata, podendo aparecer esbranquiçado ou opaco na urina.

Urina espumosa

Pode ser o resultado do mesmo branco ou causas de urina turva, ou pode indicar excesso de proteína dos rins severamente doentes. Se a doença renal é o problema, haverá outros sintomas além de urina espumosa.

 

Aproveite e veja também.

 

 

O Sistema Urinário

Urinário