Notícias da Enfermagem

Fundatec abre período para adesão de instituições ao Processo Seletivo Unificado

A Fundatec – Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências realiza o Processo Seletivo Unificado de Residência Uni e Multiprofissional em Saúde – PSU/RUMS 2022, pelo 7º ano consecutivo. As instituições interessadas em participar contam com um processo on-line, facilitando a adesão e controle de inscritos, bancas especializadas para elaboração das questões, sistema de segurança e provas controladas por […]

Notícias da Enfermagem

FSERJ divulga edital de Processo seletivo: Até R$ 7,2 mil

A Fundação Saúde do Estado do Rio de Janeiro (FSERJ) divulgou a abertura de um novo edital de processo seletivo simplificado que tem por objetivo o preenchimento de 3594 vagas em cargos de nível técnico e superior. Confira abaixo as oportunidades: Enfermeiro Obstetra (72); Enfermeiro Socorrista (546); Fisioterapeuta (112); Fisioterapeuta Intensivista Adulto (149); Enfermeiro do Trabalho (2); Enfermeiro […]

Notícias da Enfermagem

HOB – MG realiza Processo Seletivo para técnico de enfermagem

No estado de Minas Gerais, o Hospital Metropolitano Odilon Behrens – HOB anuncia a realização de um novo Processo Seletivo, tendo como objetivo a formação de cadastro reserva para o cargo de técnico de enfermagem. Para concorrer a uma das chances é necessário que o candidato tenha concluído curso de técnico de enfermagem, possua habilitação legal para […]

Teoria de Callista Roy e o Processo de Enfermagem

Callista Roy, enfermeira formada em 1963, com Doutorado em Sociologia em 1977, desenvolveu um modelo de adaptação que foi a base de seu trabalho de graduação, sob orientação de Dorothy E. Johnson, pioneira da proposição da enfermagem como ciência e arte e que desenvolveu o modelo de sistemas comportamentais.

A Adaptação de Roy

O Modelo de Adaptação de Roy (MAR) consiste na formulação do processo de enfermagem, onde o profissional poderá guiar-se durante a observação, para a identificação de reações emocionais, interpretação comportamental, elaboração do plano assistencial e intervenções de enfermagem.

Ela é formada dentro do modelo adaptativo, no qual há conceitos que estão interrelacionados, como os conceitos de Enfermagem, saúde/doença, ambiente e pessoa.

Sob esta influência, apresenta determinadas áreas de fundamental importância para a prática da enfermagem, quais sejam:

  • A pessoa que é receptora do atendimento de enfermagem;
  • O conceito de ambiente;
  • O conceito de saúde;
  • A enfermagem.

Os objetivos dos quatro modos adaptativos são fazer com que o indivíduo alcance a integridade fisiológica, psicológica e social. Eles relacionam-se quando ocorrem estímulos internos ou externos que afetam mais do que um modo.

A utilização do modelo proporciona muitos benefícios, tanto para o paciente como para os enfermeiros, mas sua aplicação exige disponibilidade, vontade e empenho. O profissional precisa ter a capacidade de observação e análise da realidade vivenciada, adquirindo assim, um olhar mais humanístico do indivíduo.

Roy apresenta uma proposta de Processo de Enfermagem que inclui as seguintes etapas: avaliação do comportamento, avaliação de estímulos, diagnóstico de enfermagem, estabelecimento de metas, intervenção e avaliação.

Seus pressupostos teóricos tratam a dignidade dos seres humanos e o papel do enfermeiro na promoção da integridade na vida e na morte. Ela mostra o cliente como participante na formulação das ações de Enfermagem, porém isto aparece mais filosoficamente do que operacionalizado na prática.

Eles condizem com as formulações sobre adaptação e indicam que o enfermeiro e o cliente devem procurar entender o que dificulta a adaptação e buscar meios e ações que possibilitem a concretização da prática. Já os metaparadigmas da teoria são:

  1. A pessoa que é receptora do atendimento de enfermagem;
  2. O conceito de ambiente;
  3. O conceito de saúde;
  4. A meta da enfermagem.

A adaptação a esses estímulos constitui a resposta do indivíduo e promove o equilíbrio e integridade do sistema e, por consequência, da própria pessoa.

As respostas do indivíduo na forma de controle do processo constituem-se no mecanismo de enfrentamento defendido por Roy, que podem ter natureza genética ou de herança (sistema imunológico), ou de aprendizagem (por exemplo, uso de antissépticos para ferimentos).

A regulação na busca do equilíbrio é identificada e pode ter origem externa ou interna, tendo como resposta mecanismos reguladores como, por exemplo, os de natureza química, neural ou endócrina.

Ela considera, por exemplo, a existência de subsistemas reguladores que respondem aos estímulos. Entre os muitos existentes está àquele que promove a retroalimentação respiratória, em que o aumento do dióxido de carbono estimula os quimiorreceptores na medula a aumentar a frequência respiratória como compensação.

Outro subsistema identificado por Roy é o subsistema cognato, relacionado com as funções cerebrais superiores de percepção, processamento de informações, julgamento e da emoção. A dor é reconhecida como estímulo interno de entrada que leva o indivíduo a perceber, avaliar, julgar e decidir.

Roy identificou quatro modos de adaptação, quais sejam:

  • O fisiológico, resposta física aos estímulos ambientais, como a oxigenação, a nutrição, a eliminação, a atividade, o repouso e a proteção;
  • O autoconceito, relacionado com a necessidade de integridade psíquica, em que o foco é o ser pessoa e o ser físico, onde predominam os aspectos psicológicos e espirituais da pessoa;
  • Modo de função do papel, na qual a principal necessidade preenchida é a integridade social, aonde são identificados os papéis primário, secundário e terciário. O papel primário determina a maioria dos comportamentos e é definido pelo sexo, idade e estágio de desenvolvimento da pessoa, determinando as realizações pelo papel secundário. O papel terciário é temporário, escolhido com liberdade (por exemplo, os hobbies que temos);
  • Modo de interdependência, onde as necessidades afetivas são preenchidas, incluindo os valores humanos que são por ele identificados, como a afeição, o amor e a afirmação.

O modelo de adaptação de Roy, enfim, é um excelente parâmetro para as ações do enfermeiro, quando estão presentes as investigações do comportamento, do estímulo, o diagnóstico de enfermagem, o estabelecimento de metas, a intervenção e a avaliação.

Referências:

  1. Idarlanasousasilva et al.. Aplicabilidade da teoria da adaptação de sister calista roy na prática de enfermagem. Anais III JOIN / Edição Brasil… Campina Grande: Realize Editora, 2017. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/49537&gt;. Acesso em: 28/01/2022 11:52
Dicas

Concursos Públicos para o cargo Técnico em Enfermagem

Acompanhe nesta publicação a lista de concursos públicos abertos com vagas para o cargo de técnico em enfermagem: Órgão UF Vagas CIUENP – SAMU 192 (Noroeste do Paraná) Todos os níveis de escolaridade PR 30 Prefeitura de Paulo Afonso Níveis Médio e Superior BA 452 Concurso Agreste Potiguar Todos os níveis de escolaridade RN 499 […]