As Lesões Brancas da Cavidade Oral: Candidíase Oral, Leucoplasia e Leucoplasia Pilosa Oral

As lesões brancas da cavidade oral constituem um complexo conjunto de entidades, cuja principal característica clínica se evidencia pela presença de áreas esbranquiçadas na boca. Sua etiologia é extremamente variada, sendo que certas lesões não apresentam uma causa única, mas o resultado da interação de diversos fatores.

As principais lesões brancas da cavidade oral que podemos encontrar são:

A Candidíase Oral

É a infecção micótica mais comum da cavidade oral causada pelo fungo do gênero Candida, especialmente C. albicans, embora outras espécies possam estar envolvidas.

É considerada o principal agente etiológico da candidíase, infecção oportunista relacionada a fatores locais e sistêmicos. Quando ocorre ruptura do equilíbrio biológico, geralmente resultante de fatores predisponentes (patológicos, fisiológicos, imunológicos e mecânicos), há um aumento na multiplicação e/ou invasão de leveduras nos tecidos, instalando-se então a infecção.

Geralmente está associada a indivíduos debilitados, imunocomprometidos ou que estejam fazendo uso abusivo de antibióticos, trazendo assim conseqüências mais graves

Clinicamente se apresenta sob as formas: aguda (pseudomembranosa, atrófica), crônica (atrófica, hiperplásica), muco-cutânea (localizada, familial, associada à síndromes).

Caracteristicamente, as lesões bucais da candidíase aguda são placas ou nódulos brancos, entre moles e gelatinosos, que crescem centrifugamente e confluem. As placas são compostas por fungos, resíduos ceratóticos, células inflamatórias, células epiteliais descamadas, bactérias e fibrina.

A remoção das placas ou pseudomembranas com uma compressa de gaze deixa uma superfície eritematosa, erosada ou ulcerada, frequentemente visível.

As infecções pela Cândida devem ser diferenciadas de várias entidades, incluindo a escara associada com queimaduras químicas, as ulcerações traumáticas, as placas mucosas da sífilis e as lesões ceratóticas.

Quando estão presentes lesões vermelhas isoladas da candidíase atrófica aguda, elas devem ser diferenciadas das reações medicamentosas e das queimaduras térmicas.

A Leucoplasia

É definida a leucoplasia como uma mancha ou placa branca da cavidade oral, não removível à raspagem, que não pode ser caracterizada clínica ou microscopicamente como outra enfermidade.

Atualmente, o termo leucoplasia é utilizado apenas como um termo clínico, valendo salientar, entretanto, que este termo não traz qualquer conotação quanto às alterações histopatológicas.

A leucoplasia é a lesão cancerizável mais freqüente da cavidade oral, desenvolvendo-se em qualquer região. No entanto, a mucosa jugal, o lábio inferior e a língua têm sido as áreas mais afetadas.

Sua etiologia está relacionada, na maioria dos casos, a hábitos como tabagismo, e outras vezes é considerada idiopática. Sua ocorrência se dá principalmente em pacientes de meia idade, do sexo masculino.

As lesões apresentam-se como placas que podem variar de uma área branca impalpável, fracamente translúcida, a lesões espessas, corrugadas, papilomatosas e endurecidas.

A Leucoplasia Pilosa Oral

A leucoplasia pilosa oral é uma doença causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV) e caracteriza-se pela formação de uma placa esbranquiçada, normalmente unilateral e localizada na borda lateral da língua.

Apresenta, na sua superfície, vilosidades microscópicas semelhantes a pêlos e, ao contrário da candidíase, não pode ser retirada com uma espátula. Em alguns casos pode ser bilateral e/ou acometer o dorso da língua e da mucosa jugal (parte interna das bochechas).

Considerada um marcador dermatológico para a infecção pelo HIV, a leucoplasia pilosa oral era um indicador de mau prognóstico, mas este quadro mudou completamente com o tratamento anti-retroviral atual.

Esta leucoplasia já não é uma infecção exclusiva dos pacientes com HIV/AIDS e pode ser observada também em usuários de drogas e pacientes transplantados em uso de imunossupressores.

O tratamento pode ser feito com o uso local de ácido retinóico ou por cauterização química com ácido tricloroacético, procedimento que deve ser realizado apenas por médicos, devido aos riscos de queimaduras pelo ácido.

Alguns cuidados

  • Reuniões educativas (palestras, grupos de reflexão, mostra de vídeos, etc) sobre o câncer, visando à mobilização e conscientização para o auto- cuidado, à importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de boca, à quebra dos preconceitos e à diminuição do medo da doença;
  • Reuniões específicas para o ensino do auto-exame da boca e sobre fatores de risco de câncer de boca;
  • Exame da cavidade bucal;
  • Prestação de cuidados gerais de saúde bucal (tratamento dentário,inclusive);
  • Encaminhamento ao nível secundário de casos suspeitos;
  • Exame da cavidade bucal e detecção de lesões suspeitas;
  • Biópsia;
  • Tratamento de lesões benignas simples.

Referências

AMORIM, R.F.B. et al. Líquen Plano Oral em Paciente Diabética Associado a Carcinoma Mucoepidermóide. Rev. Paul. Odontol., São Paulo, v. 24, n. 4, p. 8-14, jul./ago. 2002.
ARENDORF, T.M.; WALKER, D.M. Oral Candidal Populations in Health and Disease. Br. Dent. J., London, v. 147, no. 10, p. 267- 272, Nov.1979.
AXÉLL, T. et al. Oral White Lesions with Special Reference to Precancerous and Tobacco-related Lesions: Conclusions of an International Symposium Held in Uppsala, Sweden, May 18-21, 1994. J. Oral Pathol. Med., Copenhagen, v. 25, no. 2, p. 49-54, Feb. 1996.
AZUL, A. M.; TRANCOSO, P. F. Patologia mais Frequente da Mucosa Oral. Rev. Port. Clin. Geral, [S.l.], v. 2, p. 369-377, maio/jun. 2006.
BORAKS, S. Diagnóstico Bucal. 3.ed. São Paulo: Artes Médicas, 2001.
BOUQUOT, M. Reviewing oral Leukoplakia: Clinical Concepts for the 1990`s. J. Am. Dent. Assoc., Chicago, v. 122, no. 7, p. 80-82, June 1991.
CANNON, R.D. et al. Oral Candida: Clearance, Colonization, or Candidiasis? J. Dent. Res., Chicago, v. 74, no. 5, p. 1152- 1161, May 1995.
CARBONE, M. et al. Course of Oral Lichen Planus: a Retrospective Study of 808 Northern Italian Patients. Oral Dis., Munksgaard, v. 15, no.3, p. 235-243, Apr. 2009.
CARVALHO, A. T. et al. Estomatologia: Atualização para o Clínico Geral. Parte II: Lesões Brancas da Cavidade Oral. An. Fac. Odontol. UFPE, Recife, v. 10, n. 2, p. 179-186, 2000.
CERRI, A.; SILVA, C. E. X. dos S. R. da. Desvios de Normalidade da Cavidade Bucal. 2005. Disponível em: <http://www.guiaodonto.com.br/ver_artigo.asp?codigo=122&gt;. Acesso em: 31 jul. 2019.
EISEN, D. The Clinical Features, Malignant Potencial, and Systemic Associations of Oral Lichen Planus: a Study of 723 Patients. J. Am. Acad. Dermatol., St. Louis, v. 46, no. 2, p. 207-214, Feb. 2002

Comentários