Ritmos Respiratórios

Ritmos Respiratórios

Para o reconhecimento do ritmo respiratório, deve observar a movimentação do tórax e do abdome, com o objetivo de reconhecer em que regiões os movimentos são mais amplos. Em pessoas sadias, na posição de pé ou na sentada, quer no sexo masculino quer no feminino, predomina a respiração torácica ou costal, caracterizada pela movimentação predominantemente da caixa torácica.

Quando uma dessas características se modifica, surgem os ritmos respiratórios anormais.

Os Ritmos Respiratórios

Ritmo de Kussmaul

A acidose, principalmente a diabética, é a sua causa principal. A respiração de Kussmaul compõe-se de quatro fases:

  1. Inspirações ruidosas, radativamente mais amplas, alternadas com inspirações rápidas e de pequena amplitude;
  2. Apneia em inspiração;
  3. Expirações ruidosas gradativamente mais profundas alternadas com inspirações rápidas e de pequena amplitude;
  4. Apneia em expiração.

Ritmo de Cheyne-Stokes

As causas mais frequentes deste tipo de respiração são a insuficiência cardíaca, a hipertensão intracraniana, os acidentes vasculares encefálicos e os traumatismos cranioencefálicos. Tal ritmo caracteriza-se por uma fase de apneia seguida de incursões inspiratórias cada vez mais profundas até atingir um máximo, para depois vir decrescendo até nova pausa.

Ritmo de Taquipneia

A taquipneia ou “respiração acelerada” é caracterizada por uma frequência respiratória superior ao normal, que está entre 12 e 20 incursões por minuto em um adulto.

Ritmo de Hiperpneia

É a frequência respiratória aumentada e profunda.

Ritmo de Bradipneia

É a frequência respiratória lenta e com profundidade normal.

Ritmo de Biot

As causas desse ritmo são as mesmas da respiração de Cheyne-Stokes. No ritmo de Biot, a respiração apresenta-se com duas fases. A primeira, de apneia, seguida de movimentos inspiratórios e expiratórios anárquicos quanto ao ritmo e à amplitude. Quase sempre este tipo de respiração indica grave comprometimento cerebral.

Algumas dicas com os cuidados de Enfermagem nas Emergências Respiratórias

  • Ao verificar a frequência respiratória o paciente não deve perceber que esta sendo observado evitando alteração do padrão respiratório;
  • Pacientes com dispneia devem ser mantidos em posição Fowler;
  • Observar e anotar em prontuário o padrão respiratório (ritmo, profundidade, simetria do tórax);
  • Administrar oxigenoterapia conforme a prescrição médica;
  • Ao encontrar valores ou padrão respiratório alterados comunicar imediatamente ao médico e/ou a enfermeira.
Comentários