Pneumonia

Pneumonia

A Pneumonia é uma infecção que se instala nos pulmões. Pode acometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os interstícios (espaço entre um alvéolo e outro).

Basicamente, pneumonias são provocadas pela penetração de um agente infeccioso ou irritante (bactérias, vírus, fungos e por reações alérgicas) no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa. Esse local deve estar sempre muito limpo, livre de substâncias que possam impedir o contato do ar com o sangue.

Diferentes do vírus da gripe, que é uma doença altamente infectante, os agentes infecciosos da pneumonia não costumam ser transmitidos facilmente.

Tipos

Existem diversos tipos de pneumonia. Entre eles estão:

  • Pneumonia provocada por vírus;
  • Pneumonia provocada por fungos;
  • Pneumonia provocada por bactérias;
  • Pneumonia química.

Fatores de risco

  • Fumo: provoca reação inflamatória que facilita a penetração de agentes infecciosos;
  • Álcool: interfere no sistema imunológico e na capacidade de defesa do aparelho respiratório;
  • Ar-condicionado: deixa o ar muito seco, facilitando a infecção por vírus e bactérias;
  • Resfriados mal cuidados;
  • Mudanças bruscas de temperatura.

Sintomas de Pneumonia

Entre os principais sintomas de pneumonia estão:

  • Febre alta (Acima de 37,5° C);
  • Tosse seca ou com catarro de cor amarelada ou esverdeada;
  • Falta de ar e dificuldade de respirar;
  • Dor no peito ou tórax;
  • Mal-estar generalizado;
  • Prostração (fraqueza);
  • Suores intensos, principalmente a noite;
  • Náuseas e vômito.

No entanto, esses sintomas, apesar de clássicos em adultos, podem mudar em crianças e idosos. Veja mais abaixo:

Sintomas de pneumonia em crianças

Crianças com pneumonia bacteriana podem apresentar também:

  • Respiração acelerada;
  • Respiração ruidosa;
  • Perda de apetite e recusa alimentar;
  • Dor abdominal.

Muitas vezes, no entanto, a criança pode apresentar os sintomas isoladamente, como apenas febre e tosse ou apenas dificuldade e aceleração da respiração.

Já a pneumonia viral normalmente surge após uma gripe comum, com sintomas como:

  • Dor de garganta;
  • Coriza;
  • Dor de ouvido;
  • Espirros;
  • Dores no corpo;
  • Dor de cabeça.

A criança com pneumonia viral pode apresentar sintomas de pneumonia bacteriana também. O quadro costuma durar poucos dias (entre 3 e 5) e se resolver sozinho.

Sintomas de pneumonia em idosos

Idosos saudáveis costumam a apresentar os sintomas clássicos da pneumonia em adultos. No entanto, a associação com outros problemas de saúde pode fazer com que os sintomas variem um pouco.

Em idosos, é comum o desenvolvimento de sintomas comportamentais como:

  • Confusão mental;
  • Perda de memória;
  • Desorientação em relação a tempo e espaço.

A tosse nesta população costuma também ser mais seca.

Diagnóstico de Pneumonia

O diagnóstico de pneumonia é feito com exame clínico, auscultação dos pulmões e radiografias de tórax.

Tratamento de Pneumonia

O tratamento da pneumonia requer o uso de antibióticos, e a melhora costuma ocorrer em três ou quatro dias. A internação hospitalar para pneumonia pode fazer-se necessária quando a pessoa é idosa, tem febre alta ou apresenta alterações clínicas decorrentes da própria pneumonia, tais como: comprometimento da função dos rins e da pressão arterial, dificuldade respiratória caracterizada pela baixa oxigenação do sangue porque o alvéolo está cheio de secreção e não funciona para a troca de gases.

Cuidados de Enfermagem

– Auxiliar o paciente a tossir produtivamente.
– Encorajar a ingestão de líquidos.
– Observar o paciente para náusea, vômito, diarreia, erupções e reações nos tecidos moles.
– Fornecer oxigênio, conforme prescrito, para a dispneia, distúrbio circulatório, hipoxemia ou delírio.
– Monitorar a resposta do paciente à terapia.
– Avaliar o nível de consciência antes que sedativos ou tranquilizantes sejam administrados.
– Monitorizar a ingestão e excreção, à pele e os sinais vitais.
– Monitorizar o estado respiratório, incluindo freqüência e padrão da respiração, sons respiratórios e sinais e sintomas de angústia respiratória.

Veja também:

Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC)

Pneumotórax

https://enfermagemilustrada.com/a-importancia-da-higienizacao-constante-dos-ressuscitadores-manuais/

Edema Pulmonar: Tratamento Imediato

edema pulmonar

O Edema Agudo de Pulmão, ou Edema Pulmonar, surge de forma abrupta, frequentemente como complicação de uma insuficiência cardíaca congestiva, taquicardia ou taquiarritmia, infarto agudo do miocárdio extenso com comprometimento grave da função ventricular esquerda ou estágios terminais de neoplasias.

Também pode ser causado por obstrução das vias respiratórias gerando aumento da pressão pulmonar para mais de 25mmHg (o normal é 15mmHg) e drenagem do plasma sanguíneo dos capilares pulmonares. Além disso, pode ter causas neurológicas que prejudiquem a regulação da respiração pelo centro pneumotáxico como uma convulsão ou neurotoxina.

EAP Requer tratamento imediato!

Deve ser iniciado o mais rápido possível no pronto-socorro com máscara de oxigênio e remédios diuréticos diretamente na veia, como Furosemida, para aumentar a quantidade de urina e eliminar o excesso de líquidos nos pulmões.

Além disso, também é necessário fazer o tratamento adequado da doença que causou o problema, que pode incluir remédios para pressão alta, como Captopril, ou Lisinopril para tratar a insuficiência cardíaca descompensada, por exemplo.

Normalmente, o paciente precisa ficar internado no hospital durante cerca de 7 dias para aliviar os sintomas, controlar o problema que causou o surgimento do edema pulmonar e fazer fisioterapia respiratória. Durante este período, pode ser necessário utilizar uma sonda vesical para controlar a saída de líquidos do organismo, evitando que acumulem novamente.