Derrame Pericárdico

O que é o Derrame Pericárdico?

O derrame pericárdico consiste no acúmulo de líquido, que pode ser plasma ou sangue, na membrana que envolve o coração, podendo provocar um tamponamento cardíaco que é uma situação grave que pode levar à morte.

A camada externa (fibrosa) do pericárdio é resistente e elástica. A membrana interna (serosa) forma uma segunda camada em volta do coração, separada por uma película de 15 a 50 ml de líquido lubrificante.

Na efusão pericárdica há excesso de líquido (100 ml ou mais), causado por inflamação na membrana serosa, que pode interferir no bombeamento do sangue.

A Causa

A causa do derrame pericárdico está frequentemente relacionada a pericardite porque o derrame geralmente é uma consequência desta inflamação nas membranas do coração. Algumas causas que podem levar a esta inflamação são:

  • Infecções bacterianas, virais ou fúngicas;
  • Doenças autoimunes como artrite reumatoide ou lúpus;
  • Acúmulo de ureia no sangue como consequência da insuficiência renal;
  • Hipotiroidismo;
  • Metástases de câncer de pulmão, mama ou leucemia;
  • Câncer no coração;
  • Lesão ou trauma no coração;
  • Infarto agudo do miocárdio;
  • Medicamentos para a pressão alta como hidralazina.

Sinais e Sintomas do Derrame Pericárdico

Os sintomas do derrame pericárdico variam de acordo com a gravidade da doença e com a quantidade de líquido acumulado no espaço pericárdico, podendo ser:

  • Dificuldade para respirar;
  • Piora do cansaço, quando em posição deitada;
  • Dor no peito, geralmente atrás do esterno ou no lado esquerdo do peito;
  • Tosse;
  • Febre baixa;
  • Aumento da frequência cardíaca.

Como é Diagnosticado?

A abordagem diagnóstica dos pacientes com suspeita de derrame pericárdico compreende três objetivos distintos:

  1. Confirmação da presença de derrame;
  2. Reconhecimento de compreensão cardíaca e tamponamento;
  3. Diagnóstico etiológico

O diagnóstico do derrame pericárdico pode ser realizado através do exame físico através da ausculta cardíaca, observação dos sintomas, e pode ser confirmado através de exames como radio-x de tórax, eletrocardiograma ou ecocardiograma.

O Tratamento

O tratamento do derrame pericárdico depende da causa do derrame, da quantidade de líquido acumulado e da consequência que ele pode trazer ao funcionamento do coração.

No derrame pericárdico de grau leve, não há comprometimento da função cardíaca. O tratamento consiste no uso de medicamentos como aspirina, anti-inflamatórios não esteroides como ibuprofeno ou de corticoides como a prednisolona, que diminuem a inflamação e os sintomas da doença.

Porém, se houver risco de problemas cardíacos, pode ser necessária a retirada deste líquido através de:

  • Pericardiocentese: procedimento que consiste na introdução de uma agulha e um cateter no espaço pericárdico para drenar o líquido acumulado;
  • Cirurgia: utilizada para drenar o líquido e reparar lesões no pericárdio que causam o derrame;
  • Pericardiectomia: consiste na remoção, através de cirurgia, de uma parte ou de todo o pericárdio, utilizado principalmente no tratamento de derrames pericárdicos recorrentes.
Comentários