Sistema Condutor do Coração

O coração é um órgão do sistema cardiovascular e gera seus próprios impulsos elétricos que cursam um trajeto próprio, especialmente desenhado para ajudar na distribuição de um potencial de ação através do músculo cardíaco.

Os nós e redes das células “especializadas” do coração constituem o sistema de condução cardíaca. Os componentes deste sistema são os nós sinoatrial e aurículo-ventricular, o feixe aurículo-ventricular, com os seus ramos esquerdo e direito e o plexo subendocárdico das células de condução ventricular (fibras de Purkinje).

O ritmo de pacemaker do coração é gerado ao nível deste sistema, sendo influenciado por nervos e transmitido especificamente das aurículas até aos ventrículos e, a partir daí, a toda a musculatura.

Nó sinoatrial

O nó sinoatrial é o marcapasso do coração, e está localizado superior ao sulco terminal do átrio (aurícula) direito, próximo à abertura da veia cava superior. Esse feixe de tecido nervoso propaga os impulsos elétricos e portanto governa o ritmo sinusal de minuto a minuto.

Se esse nó falhar, o nó atrioventricular (aurículo-ventricular) possui a capacidade de assumir o papel de marcapasso.

Nó atrioventricular (aurículo-ventricular)

O nó atrioventricular (aurículo-ventricular) também está localizado no átrio direito, em um nível que o dispõe póstero-inferiormente ao septo interatrial (interauricular) e próximo à cúspide septal da valva (válvula) tricúspide.

Ele recebe e continua os potenciais de ação produzidos pelo nó sinoatrial e em alguns casos pode mesmo propagar alguns potenciais de ação próprios. Essa área cobre os átrios (aurículas) do coração, assim como faz o nó sinoatrial.

Feixe de His

O feixe de His é uma coleção de fibras nervosas que se encontram no septo interatrial (interauricular). Eles encaminham os impulsos elétricos do nó atrioventricular e os enviam para os ramos direito e esquerdo. Os ramos direito e esquerdo são um acúmulo contínuo de nervos que inervam os ventrículos e o septo interventricular do coração.

O lado direito possui um único feixe que atinge o ápice do ventrículo direito antes de se curvar sobre si mesmo e voltar ao longo do lado direito do coração.

O lado esquerdo possui uma divisão anterior e posterior. A divisão anterior cursa ao longo do ventrículo direito através de sua parede anterossuperior, enquanto a divisão posterior se comporta da mesma forma que o ramo direito e circula ao redor do lado esquerdo do coração após atingir seu ápice.

Fibras de Purkinje

Os feixes terminais de tecido nervoso são conhecidos como fibras de Purkinje, e essas são responsáveis por garantir que cada pequeno grupo de células é atingido pelo estímulo elétrico, de forma que uma contração muscular máxima possa ocorrer.

O sistema de condução do coração controla o ritmo cardíaco, porém, ele sofre influência da inervação parassimpatica e simpática. Leia o artigo abaixo para compreender melhor como isso acontece.

Referências:

  1. Frank H. Netter, MD, Atlas of Human Anatomy, Fifth Edition, Saunders – Elsevier, Chapter 3 Thorax, Subchapter 22 Heart, Guide Thorax: Heart Page 114.
  2. Ramin Assadi, MD, Richards A. Lange, MD. Conduction system of the Heart. Emedicine. November 6, 2013.
  3. Cardiology teaching package. University of Nottingham. 

Para que serve o Gel Condutor?



Se você já foi um paciente, e precisou fazer um exame de ultrassonografia por exemplo, já devem ter utilizado em você um gel, para manusear o aparelho sob a localidade de um órgão que necessita ser visualizado.

Mas, é só para isso que é usado?

A Finalidade

O Gel Condutor foi desenvolvido para realização do contato entre o meio condutor e a pele. Ele auxilia a acoplar adequadamente eletrodos e cabeçotes e ainda realizar a condução da energia aplicada a qualquer aparelho que necessite de um meio de contato. É indicado para procedimentos médicos, fisioterápicos e estéticos.

A Indicação

Não somente para exames de imagem como a ultrassonografia, mas também é um “must-have” nos carrinhos de emergência (Sim! o Gel pode ser utilizado para conduzir a energia das pás do Cardioversor e os eletrodos do ECG do aparelho quando estes ocasionam certo tipo de interferência no traçado), quando um eletrocardiógrafo também de vez em quando dá algumas interferências, que não necessariamente seja o paciente, o gel aplicado nas pontas dos fios dos eletrodos expande um pouco mais o campo de visualização do aparelho na hora de registrar no papel.

Nos Bisturis elétricos, o gel condutor tem um grande papel no auxílio das cirurgias, pode ser encontrado também sob forma de placa, pois sem o uso deste, pode provocar queimaduras de primeiro, segundo e até terceiro graus.

Nos eletrocautérios a corrente elétrica corta o tecido humano vaporizando a água da região. E  a corrente entra no organismo do paciente através do bisturi e sai por uma placa de metal (sendo posteriormente adicionado o gel condutor) ou borracha condutora com o gel colada junto ao corpo.

As queimaduras acontecem quando a placa é mal colocada ou posicionada em local errado, além dos casos de defeito do próprio equipamento.

Deve ser colocada a placa do bisturi elétrico em contato com a pele do cliente, esta placa serve como um fio terra, evitando descarga elétrica no cliente, utilizando-se um gel condutor na placa, geralmente localizada nas panturrilhas ou região escapular.

Na Estética e na Fisioterapia o Gel Condutor é um grande aliado na Eletroterapia.

Na Eletroterapia são usados aparelhos que realizam estímulos elétricos de baixa intensidade para aperfeiçoar a circulação, o metabolismo, a nutrição, e a oxigenação da pele, promovendo a produção de colágeno e elastina, e mantendo o equilíbrio e a manutenção da pele, e também funciona como um verdadeiro analgésico em dores intensas, provocadas ou não por problemas ortopédicos e musculares e com isso, o gel ajuda a conduzir melhor a energia elétrica para esta técnica.

Alguns cuidados com o uso do gel

  • Não colocar em contato com os olhos, caso ocorra de lavar com água em abundância por pelo menos 10 minutos;
  • Após o procedimento, oferecer ao paciente um papel ou lenço para a remoção do gel, ou se o mesmo não consiga por si próprio, auxiliá-lo;
  • Mantenha em lugar fresco;
  • Evite locais úmidos, quentes;
  • Mantenha longe de locais com calor excessivo.

Veja também:

Realizando o Exame de Eletrocardiograma (ECG)

 

Referências:

  1. Blog Carci Oficial;
  2. Pérolas Estética;