Dicas

Conheça o SPOTIENF: A Plataforma de PODCASTS da Enfermagem

Você tem muita facilidade em aprender e memorizar por meios de áudios? Então existe uma plataforma perfeita para você: O Spotienf. Aplicativo gratuito desenvolvido pelas Enfermeiras Sindy Lamônie e Joandra Marques, conta com centenas de profissionais, como influenciadores, professores, e até estudantes que gostam de compartilhar seu conhecimento e mutualmente aprender juntos sobre diversos temas da […]

A Prática de uso de Canetas em Registros de Enfermagem

Você certamente deve ter aprendido nos cursos técnicos, até em graduação sobre o uso rotineiro de canetas conforme os respectivos plantões diurno (azul e preta) e noturno (vermelha).

Mas você sabia que não existe regulamentação na qual se justifique a prática de anotar os registros de enfermagem utilizando canetas de cores azul, preta e vermelha?

Não existe amparo legal pra que seja cobrado essa prática.

Ao pesquisarem PARECERES, emitidos pelos próprios CORENS, frisam que esta prática não tem uma regulamentação, baseando-se nas informações supracitadas encontradas em literaturas, mas sim, podem ser PADRONIZADAS pelos serviços de enfermagem das Instituições.

O que podem diferenciar mediante a padronização é de facilitar as atividades gerenciais, como por exemplo a supervisão de registros pelos enfermeiros coordenadores/supervisores de plantão e as ações da equipe de auditoria de prontuários.

Se você tem ainda dúvidas, pode ler sobre nestes pareceres técnicos:

Glossário de Terminologias e Termos Técnicos na Enfermagem

Aqui você encontra todos os termos técnicos e terminologias usadas na Enfermagem, como em relatórios, evoluções, prontuários médicos, e em geral.

Glossário de Terminologias e Termos Técnicos

Todos | Recentes | A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z
Há atualmente 759 termos neste glossário
Abasia
Impossibilidade de ficar em pé e andar.

Abcesso
Coleção de pus em cavidade anormal

Abdução
Afastamento de um membro do eixo do corpo.

Ablepsia
Cegueira.

Abrasão
Esfoladura, arranhão.

Absorção
Penetração de líquido pela pele ou mucosa.

Abstinência
Contenção, ato de evitar.

ACEH
Acidente vascular encefálico hemorrágico.

Acinesia
Impossibilidade de movimentos voluntários, paralisia.

Acne
Doença inflamatória das glândulas sebáceas.

Acromia
Ausência de cor normal.

ACTH
Hormônio adrenocorticotropina.

Acusia
Perda da audição.

Adenoidectomia
Remoção do adenoide.

Adenosa
Tumor de uma glândula e que reproduz a estrutura dela.

ADH
Hormônio antidiurético.

Adiposo
Gordura.

Adução
Mover para o centro ou para linha mediana.

AEM
Autoexame da mama.

Aeremia
Presença de ar no sangue.

Aerofagia
Deglutição anormal de ar, provocando eructação freqüente.

Afagia
Impossibilidade de deglutir.

Afasia
Perda da palavra falada, escrita ou mímica, por alteraçõ es nos centros nervosos

Afebril
Sem febre, apirético.

Afecção
Estado mórbido, enfermidade

Afonia
Perda ou diminuição da voz por causas locais.

Agalactia
Ausência de leite na puérpera.

AIT/TIA
Acidente isquêmico transitório.

Albuminúria
Presença de albumina na urina.

Algesia
Sensibilidade à dor

Algia
Dor de origem subjetiva, sem lesão anatômica ou orgânica apreciável.

Algico
Relativo a dor, doloroso

Algidez
Resfriamento das extremidades.

Alopecia
Queda de cabelo.

Aloplastia
(Prótese), substituto de uma parte do corpo por material estranho.

Alucinação
Percepção de um objeto, que na realidade não existe.

Amaurose
Enfraquecimento ou perda total da visão.

Ambliopia
Perturbação da visão, provocada por intoxicação, alteraçã o nervosa, avitaminose, e outras causas; diminuição da acuidade visual.

Amenorréia
Ausência de menstruação.

Amigdalectomia
Remoção das amídalas.

Amputação
Remoção de um membro ou parte do corpo necrosada.

Anóxia
Estado que resulta da insuficiência de oxigênio para satisfazer as necessidades normais dos tecidos.

Analgesia
Perda da sensibilidade para a dor, conservando a sensibilidade tá til

Anúria
Supressão total da secreção urinária.

Anasarca
Edema generalizado

Anastomose
Sutura de dois órgãos ou vasos.

Andropausa
Diminuição progressiva das funções sexuais masculinas.

Anemia
Diminuição dos números de hemácias.

Aneurismectomia
Remoção do aneurisma.

Anfiantrose
Articulação que se movimenta muito pouco. Ex: falange.em>

Anidrose
Ausência ou diminuição de suor.

Aniridia
Ausência ou falta da íris.

Anisocoria
Desigualdade de diâmetro das pupilas

Anodontia
Ausência congênita ou adquirida dos dentes.

Anorexia
Perda do apetite.

Anosmia
Diminuição ou perda completa do olfato.

Anquitose
Diminuição ou supressão dos movimentos de uma articulaçã o.

Antissepsia
Conjunto de meios destinados a afastar ou destruir os germes patogênicos e impedir infecção.

Anuperineal
Região referente ao ânus e períneo.

Apático
Sem vontade ou interesse para efetuar qualquer esforço fí sico ou mental.

Apatia
Falta de sentimento ou interesse, indiferença, insensibilidade.

Apelo
1. Sem pele; não cicatrizado; aplicado a feridas.
< br /> 2. Desprovido de prepúcio; circuncidado.

Apendicectomia
Remoção da apêndice.

Apirético
Sem febre.

Apirexia
Falta de febre, cessação da febre.

Apneia
Detenção temporária da respiração.

Apojadura
Subida do leite à glândula mamária.

Aposia ou Adpsia
Ausência de sede.

Aptialismo
Deficiência ou ausência da saliva.

Arquejar
Respirar com dificuldade; dispneia intensa.

Arritmia
Irregularidade do ritmo cardíaco (número, intervalo e forç a das batidas).

Arterioplastia
Correção da artéria.

Artrodese
Imobilização de articulação.

Artroplastia
Articulação com finalidade de restaurar o movimento e a função da mesma.

Artroscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a articulação.

Artrotomia
Abertura cirúrgica das articulações.

Ascite
Edema localizado na cavidade peritonial com acumulo de líquido.

Asfixia
Sufocação, dificuldade da passagem do ar.

Úlcera
Solução de continuidade da pele, de mucosas, de serosas de órgãos, com perda de substância.

Êmese
Vômito.

Astasia
Incoordenação motora que torna impossível ao paciente permanecer em pé.

Astenia
Fraqueza, cansaço.

Ataxia
Falta de Coordenação muscular.

ATM
Articulação temporomandibular.

Atresia
Ausência ou fechamento de um orifício natural.

Atrofia
Diminuição adquirida do volume e do peso de um ó rgão que havia alcançado seu tamanho normal.

Atrofia muscular
Definhamento do músculo, decorrente da desnutrição ou por desuso.

AU
Altura Uterina.

Auricular
Referente a orelha.

AV
Átrio ventricular.

AVC
Acidente vascular cerebral.

AVCH
Acidente vascular hemorrágico.

AVCI
Acidente vascular cerebral isquêmico.

AVE
Acidente vascular encefálico.

AVEI
Acidente encefálico isquêmico.

Azia
Sensação de ardor estomacal, eructação azeda e ácida.

Bacteremia
Presença de bactérias patogênicas no sangue

Balanite
Inflamação da glande ou da cabeça do pê nis

Balanopostite
Inflamação da glande e do prepúcio.

Bartholinectomia
Remoção da glândula de Bartholin.

BCF
Batimentos cardiofetais.

BCP
Broncopneumonia.

Biópsia
Retirada de um fragmento de órgão ou tecido para análise.

Bilioso
Referente a bile, causado por excesso de bile.

Binasal
Referente a ambos os campos visuais nasais.

Blefarite
Inflamação das pálpebras.

Blefaroplastia
Correção das pálpebras.

Blenúria
Presença de muco na urina.

Blenorreia
Secreção abudante das mucosas, especialmente da vagina e uretra.

BPM
Batimentos por minuto.

Bradicardia
Pulsação lenta do coração (abaixo de 60bpm).

Bradipnéia
Respiração lenta.

Bradipneia
Movimento respiratório abaixo do normal.(FR < 16rpm).

Bradisfigmia
Lentidão anormal do pulso.

Braquialgia
Dor no braço.

Broncoespasmo
Espasmo dos músculos bronquiais.

Broncoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a os brônquios.

Broncotomia
Incisão cirúrgica nos brônquios.

Brotoeja
Erupção cutânea com coceira.

Bucal
Oral referente a boca.

Bulectomia
Retirada de bolhas do pulmão.

Bulemia
Fome exagerada e patológica.

Bursite
Inflamação da bolsa sinovial.

CA
Circunferência abdominal.

Cárdia
Abertura entre o esôfago e porção cardíaca do estomago, se caracteriza pela ausência de células ácidas.

Cãibra
Contração muscular, espasmódica e dolorosa.

Cólica
Dor espasmódica.

Cacofonia
Voz anormal e desagradável.

Cantoplastia
Qualquer reparação plástica de uma anomalia do canto.

CAPD
Diálise peritoneal ambulatorial continua.

Caquexia
Estado mórbido caracterizado por magreza extrema, perda de peso, sintomas de debilidade e anemia.

Cardiotomia
Operação em que a terminação cardíaca do estomago ou orifício cardíaco é incisado.

Cauterização
Destruição do tecido por meio de agente caustico ou calor (Bisturi elétrico).

CAVH
Hemofiltração arteriovenosa continua.

CAVHD
Hemodiálise arteriovenosa continua.

Cavum
Cavidade.

CCPD
Diálise peritoneal cíclica continua.

CEC
Curetagem endocervical.

Cefaléia
Dor de cabeça intensa e douradora.

Cefaleia
Dor de cabeça.

Cefalocaudal
Que se efetua da cabeça para os pés, como por exemplo, "a icterícia tem uma progressão cefalocaudal; exame cefalocaudal."

Cerclagem
Sutura da cérvix do útero incapaz de reter o feto unido, as suturas são retiradas no final da gestação.

Cervicite
Inflamação do colo do útero.

Cetonúria
Presença de corpos cetônicos na urina.

CI
Capacidade inspiratória.

Cianótico
Com cianose.

Cianose
Coloração azul ou violácea da pele ou mucosa, devido a um excesso de hemoglobina nos capilares.

CID
Coagulopatia intravascular disseminada.

Circuncisão
Ressecção da pele do prepúcio que cobre a glande.

CIS
Carcinoma in situ.

Cisalhamento
Combinação da gravidade e da superfície, que exercem forças paralelas à pele. Por exemplo, enquanto a gravidade empurra o esqueleto em um sentido, a pele permanece imóvel, fazendo força paralela.

Causa a maior parte do dano observado nas úlceras de pressão. E também há o cisalhamento por trauma lesão, tecidos e órgãos, que ocorre devido a aceleração e a desaceleração.

Cistectomia
Remoção da bexiga.

Cistite
Inflamação da bexiga.

Cistocele
Hérnia da bexiga.

Cistopexia
Fixação da bexiga.

Cistoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a bexiga.

Cistostomia
Abertura na parede da bexiga para drenagem de urina.

CIT
Crise isquêmica transitória.

Claudicação
Fraqueza momentânea de um membro.

Climatério
Menopausa.

Clister
Enema, injeção de líquido no intestino, pelo ânus.

Cloasma
Manchas escuras na pele, principalmente no rosto da gestante.

CMP
Cervicite mucopurulenta.

CNE
Cateter Nasoenteral.

CNG
Cateter nasogástrico.

CO2
Dióxido de carbono.

Coagulação
Espaçamento de um liquido formando coágulo.

COG
Cateter orogástrica.

Colúria
Presença de bilirrubina ou bílis na urina.

Colecistectomia
Retirada da vesícula biliar.

Colectomia
Retirada do cólon.

Coledocotomia
Exploração e drenagem do ducto biliar.

Colicistostomia
Abertura do colédoco.

Colonoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o cólon.

Colostomia
Abertura do cólon através da parede abdominal afim de desviar o trânsito intestinal.

Colpoperineoplastia
Correção do períneo e vagina.

Colporrafia
Sutura da vagina.

Colposcopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a vagina.

Coma
Estado de estupor profundo com perda total ou quase total da consciência, da sensibilidade e da motilidade voluntária.

Consciência
Estado geral que nos torna aptos a julgar, refletir e decidir.

Constipação
Retenção de fezes ou evacuação insuficiente.

Contratura
Rigidez muscular.

Cordialgia
Dor no coração.

Coriza
Eliminação acentuada de secreções nasais.

CPT
Capacidade pulmonar total.

Crâniotomia
Abertura do crânio.

Cranioplastia
Correção do crânio.

CRF
Capacidade residual funcional.

Curetagem Uterina
Raspagem e remoção do conteúdo uterino.

Cutâneo
Referente a pele.

CV
Capacidade vital.

CVA
Cateter vesical alívio.

CVD
Cateter vesical demora.

CVVH
Hemofiltração venosa continua.

CVVHD
Hemodiálise venosa continua.

Dacriadenectomia
Extirpação de uma glândula lacrimal.

Dacriocistectomia
Extirpação de parte do saco lacrimal.

Dacriocistotomia
Incisão do saco lacrimal (drenar).

Dactilite
Inflamação de um dedo ou um artelho.

DAF
Doença de Alzheimer familial.

DC
Débito cardíaco.

DCJ
Doença de Creutzfeldt Jakob.

Debilidade
Fraqueza, falta de forças.

Decolostomia
Cirurgia para desfazer a colostomia.

Deglutir
Engolir.

Dermatite
Inflamação da pele.

Dermatose
Doença da pele.

Dermoabrasão
Procedimento cirúrgico para remoção das cicatrizes de acne, sinais e tatuagens.

Desidratação
Perda de líquidos e eletrólitos pelo organismo.

Desmaio
Ligeira perda dos sentidos.

Desorientação
Estado de confusão mental em que o indivíduo perde as noções de lugar e tempo.

DH
Doença de Huntington.

DHEG
Doença hipertensiva específica da gravidez.

Diaforese
Sudorese excessiva.

Diarreia
Evacuações freqüentes e líquidas.

DIP
Doença inflamatória pélvica.

Diplegia
Paralisia de partes similares nos dois lados do corpo. Paralisia bilateral.

Diplopia
Visão dupla dos objetos devido aos transtornos da coordenaçã o dos músculos motores oculares.

Disúria
Micção difícil ou dolorosa.

Disartria
Dificuldade na articulação da palavra.

Disfagia
Deglutição difícil, geralmente dolorosa.

Disfonia
Distúrbio na voz.

Dismenorreia
Menstruação difícil e dolorosa.

Dispepsia
Dificuldade na deglutição de líquidos, dificuldade de matar a sede.

Dispneia
Respiração difícil, penosa ou irregular.

Disquesia
Evacuação difícil e dolorosa.

Dissecção
Corte, retalhamento.

Distensão
Estiramento de alguma fibra muscular, entumecimento ou expansão.

Distrofia
Perturbação da nutrição.

DIU
Dispositivo intrauterino.

Diurese
Eliminação de urina.

DL
Duplo Lúmen.

DLVJ D
Duplo Lúmen Veia Jugular Direita.

DLVJ E
Duplo Lúmen Veia Jugular Esquerda.

DLVSC D
Duplo Lúmen Veia Subclávia Direita.

DLVSC E
Duplo Lúmen Veia Subclávia Esquerda.

DM
Diabetes mellitus.

DMID
Diabetes mellitus isulínico dependente.

DMNID
Diabetes mellitus não insulínico dependente.

Dorsal
Referente a dorso, costas.

DPOC
Doença pulmonar obstrutiva crônica.

DPP
Data provável do parto.

DST
Doença sexualmente transmissível.

DTM
Distúrbio temporomandibular.

DUM
Data da última menstruação.

Duodenectomia
Remoção do duodeno.

Duodenoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o duodeno.

Duodenotomia
Incisão no duodeno.

DVE
Derivação ventricular externa.

DVP
Derivação ventricular peritoneal.

EAL
Esclerose amiotrófica lateral.

EAP
Edema agudo pulmonar.

ECA
Enzima conversora de angiotensina.

EDA
Endoscopia digestiva alta.

Edema
Acumulação excessiva de líquidos nos espaços dos tecidos.

EEB
Encefalopatia espongiforme bovina (mal da vaca louca).

EED
Esôfago estômago endoscopia.

EEG
Eletroencefalograma.

EM
Esclerose múltipla.

Embolectomia
Remoção do embolo

EMG
Eletromiografia.

EMTN
Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional.

Endometrite
Inflamação do endométrio.

Endoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar os órgãos internos.

Entérico
Relativo ao intestino.

Enteralgia
Dor intestinal.

Enurese
Incontinência urinária.

Enxaqueca
Dor de cabeça unilateral.

Enxerto
Inserção de pedaço de pele ou osso para corrigir defeito ou falha em órgão ou tecido.

Epidemiologia
Estudo da frequência, da distribuição e dos determinantes dos problemas de saúde em populações humanas, bem como a aplicação desses estudos no controle dos eventos relacionados com saúde.

Epigastralgia
Dor na região epigástrica.

Episiotomia
Incisão perineal para evitar a ruptura do períneo durante o parto.

Epistaxe
Fluxo de sangue pelas narinas, hemorragia nasal.

Equimose
Extravasamento do sangue no tecido subcutâneo.

Eritema
Vermelhidão patológica da pele, devido à congestão de capilares.

Eructação
Emissão de gases estomacais pela boca, arroto.

Erupção
Pequenas lesões cutâneas caracterizado por rubor ou proeminê ncia, ou ambos.

Erupção na pele
Vermelhidão da pele com vesículas.

Escabiose
Sarna; moléstia cutânea contagiosa caracterizada por lesões multiformes, acompanhadas por prurido intenso.

Esclerodermia
Afecção cutânea com endurecimento da pele.

Esclerose
Endurecimento patológico de tecidos ou vasos; perda de elasticidade; endurecimento da pele, devido a uma proliferação exagerada de tecido conjuntivo; alteração do tecido ou órgão, caracterizada pela formação de tecido fibroso.

Escoriação
Ato de esfolar superficialmente; abrasão; erosão.

Escrotal
Relativo ao escroto.

Escrotite
Inflamação do escroto.

Escrotocele
Hérnia do escroto.

Esfacelodermia
Gangrena da pele.

Esmegma
Secreção caseosa em redor dos pequenos lábios ou prepúcio.

Esofagectomia
Remoção do esôfago.

Esofagogastroduodenoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o esôfago, estomago e duodeno.

Esofagoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o esôfago.

Esparmatite
Inflamação do canal deferente.

Esperma
Líquido especulado durante o ato sexual pelos seres machos.

Espermatúria
Presença de esperma na urina.

Espermatocele
Cisto em uma parte do epidídimo.

Espermatocistite
Inflamação da vesícula seminal.

Espermatorréia
Incontinência de esperma.

Espinha Bífida
Anomalia do desenvolvimento embrionário em que a medula e o saco que a envolve não estão contido dentro do canal medular.

Esplenectomia
Remoção do baço.

Espondilolistese
Deslocamento de uma vértebra sobre a outra devido a anomalia genética ou degenerativa.

Estertor
Ruído respiratório anormal percebido na ausculta dos pulmõ es, devido a passagem do ar pela vias brônquicas estreitadas ou contendo secreções mais ou menos espessas ou ao nível de uma caverna pulmonar.

Estertorosa
Respiração ruidosa.

Estomatite
Inflamação da boca.

Estomatologia
Estudo das doenças da boca.

Estomatorragia
Hemorragia da boca.

Estrófulo
Dermatose benigna, comum em recém-nascido.

Estrabismo
Falta de orientação dos eixos visuais para o objeto devido a incoordenação dos músculos motores oculares.

Euforia
Sensação de bem estar.

Eupnéia
Respiração normal, fácil.

Eupneia
Respiração normal.

Eutrofobia
Boa alimentação.

Eventração
Saída total ou parcial de vísceras na parede abdominal, mas a pele continua íntegra.

Evisceração
Saída das vísceras de sua situação normal.

Exantema
Qualquer erupção cutânea.

Exodontia
Extração dos dentes.

Exoftalmia
Saliência exagerada do globo ocular.

Expectoração
Expelir, secreção pulmonar (escarro).

Fístula
Orifício ou condutor anormal, acidental ou congênito, que dá passagem a matéria orgânicas (fezes, urina) a produtos de secreção ou ao pus.

Fadiga
Cansaço, esgotamento.

Faringite
Inflamação da faringe.

FAV
Fístula Arteriovenosa.

FC
Frequência cardíaca.

Febrícula
Febre pouco elevada e passageira.

Febril
Caracterizado pela febre, que tem febre.

Febrilidade
Estado febril.

Fecalóide
Que parece com a matéria fecal. Ex.: vô mito fecalóide.

Fecaloma
Massa fecal endurecida, formada no intestino, em casos de retençã o fecal prolongada.

Ferida
Solução de continuidade da pele, de mucosas, de serosas, que espontaneamente evolui para cicatrização.

Fibrilação
Atividade continua, incoordenada, anormal, do miocárdio, do diafragma ou de outros músculos, caracterizada por uma sucessão rápida e irregular de contrações e relaxamentos.

Filiforme
Fino, em forma de fio.

Filopressão
Compressão de um vaso sanguíneo por um fio.

Fimose
Estreitamento natural do prepúcio; este não pode ser puxado para trás.

Fisiatria
Fisioterapia, tratamento pôr meios físicos.

Fissura
Abertura ou sulco superficial, fenda; ulceração de mucosa.

Fistulectomia
Remoção da fístula.

FIV
Fertilização in vitro.

Flato
Ar ou gases no intestino.

Flatulência
Distensão do abdome provocada por gases intestinais.

Flebite
Inflamação de uma veia.

Flebotomia
Dissecção de veia.

Flictena
Pequena bolha cheia de liquido; vesícula.

Flogístico
Inflamatório.

FMI
Fixação mandibular interna.

Fobia
Temor mórbido sem motivo.

Folículo
Órgão microscópico existente no ovário, e que ao amadurecer forma o óvulo; Também pequeno saco ou cavidade.

Fonação
Emissão de sons vocais.

Fotofobia
Dificuldade de visão na claridade.

Frêmito
Fina palpação ou trepidação percebida a palpação.

Fratura
Divisão de ossos.

Frenalgia
Dor no diafragma.

Frenite
Inflamação no diafragma.

Frontal
Relativo a fronte (testa).

FSH
Hormônio folículo estimulante.

Gástrico
Relativo ao estômago.

Galactocele
Dilatação da glândula mamaria em forma de cisto cheio de leite.

Galactorréia
Secreção excessiva de leite que se derrama.

Gangrena
Morte dos tecidos, tendo como causa diversos fatores. Geralmente devido a falta de irrigação sanguínea.

Gastrólito
Presença de cálculo no estômago.

Gastralgia
Dor no estômago.

Gastrectomia
Ressecção total ou parcial do estômago.

Gastrite
Inflamação do estômago.

Gastrocele
Hérnia do estômago.

Gastromalácia
Amolecimento do estômago.

Gastroptose
Prolapso do estômago.

Gastrorrafia
Sutura do estômago.

Gastrorreia
Secreção excessiva pelo estômago.

Gastroscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o estômago.

Gastrostomia
Abertura da fistula gástrica em parede abdominal para introduzir alimentos.

Gastrotaxia
Hemorragia do estômago.

Gengival
Referente a gengiva.

Gengivite
Inflamação da gengiva.

Genitália
Órgãos genitais.

GI
Gastrointestinal.

Glútea
Relativo a nádegas.

Glicemia
Quota fisiológica de glicose no sangue.

Glicosúria
Eliminação de açúcar na urina.

Glomerulite
Inflamação dos glomérulos do rim.

Glossa
Palavra grega que significa língua.

Glossalgia
Dor na língua.

Glossite
Inflamação da língua.

Glutural
Relativo a garganta.

Goniotomia
Cirurgia de glaucoma.

Hálito
Cheiro da boca e da respiração.

Hálito diabético
Hálito associado, cheiro de maça estragada.

Hálito fético
No abcesso do pulmão, nas nasolaringites, nas amigdalites.

Hérnia Discal
Deslocamento do disco intravertebral para dentro do canal medular.

Halitose
Fetidez anormal do hálito.

Hallux Valgus
Proeminência da articulação metatarso – falângica (joanete).em>

HAS
Hipertensão arterial sistêmica.

HB
Hemoglobina.

HDA
Hemorragia digestiva alta.

HDB
Hemorragia digestiva baixa.

Hemácia
Glóbulo vermelho do sangue.

Hemólise
Destruição dos glóbulos vermelhos do sangue.

Hematêmese
Vômito de sangue procedente das vias digestivas.

Hematúria
Presença de sangue na urina.

Hematoma
Extravasamento de sangue fora da veia.

Hemeralopia
Cegueira diurna.Diminuição da visão á luz do dia.

Hemiparesia
Diminuição da mobilidade muscular de um lado do corpo.

Hemiplegia
Paralisia de um lado do corpo.

Hemocaterese
Destruição das hemácias pelo baço.

Hemocultura
Cultura de sangue através de técnicas laboratoriais.

Hemodiálise
Extração de substâncias tóxicas contidas em excesso no sangue.

Hemofílico
Doença congênita na qual a pessoa esta sujeita a hemorragias freqüentes, por deficiência de coagulação.

Hemoglobina
Pigmentos de glóbulos vermelhos, destinados a fixar o oxigê nio do ar e levá-los aos tecidos.

Hemoptise
Expulsão pela boca de sangue procedente do aparelho respirató rio

Hemorragia
Sangramento, escape do sangue dos vasos sanguíneos.

Hemorroidectomia
Remoção das hemorroidas.

Hemostasia
Processo para conter a hemorragia, coagulação do sangue.

Hemotórax
Coleção de sangue na cavidade pleural.

Heniorrafia
Sutura de uma Hérnia.

Hepatalgia
Dor no fígado.

Hepatectomia
Retirada parcial do fígado.

Hepatoesplenomegalia
Aumento do volume do fígado e do baço.

Hepatomegalia
Aumento do volume do fígado.

Hepatotomia
Incisão cirúrgica no fígado.

Heteroplástia
Enxerto de tecidos de outra pessoa.

HGSIL
Lesão intraepitelial escamosa de alto grau.

Hidramnio
Excesso de líquido amniótico.

Hidratação
Introdução de água e sais minerais no organismo pela boca ou mais comumente pela veia (soro); hidratado.

Hidremia
Excesso de água no sangue.

Hidrocefalia
Aumento anormal da quantidade de liquido na cavidade craniana.

Hipóxia
Falta de oxigênio.

Hiperêmese
Vômitos excessivos ou incoercíveis.

Hipercalemia
Quantidade excessiva de potássio no sangue.

Hipercapnia
Excesso de gás carbônico no sangue.

Hiperemia
Cor avermelhada da pele.

Hiperglicemia
Aumento anormal no nível de glicose do sangue.

Hiperpirexia
Febre muito alta acima de 40 graus C.

Hiperpnéia
Respiração anormal acelerada com movimentos respiratórios exagerados.

Hipertensão
Elevação, acima do normal, da pressão em um ó rgão ou sistema.

Hipertermia
Temperatura extraordinariamente elevada.

Hipertricose
Excesso de pêlos, ou sua localização anormal.

Hipertrofia
Aumento anormal de um órgão ou tecido.

Hipofisectomia
Retirada da hipófise.

Hipoglicemia
Diminuição do nível normal de glicose do sangue.

Hipomenorreia
Menstruação escassa.

Hipotermia
Descida anormal da temperatura corporal.

Histerectomia
Retirada do útero.

Histeropexia
Fixação do útero.

HPB
Hiperplasia prostática benigna.

HPV
Papilomavírus humano.

HT
Hematócrito.

IAM
Infarto agudo do miocárdio.

ICC
Insuficiência cardíaca congestiva.

ICO
Insuficiência cardíaca obstrutiva.

Icterícia
Coloração amarelada da pele e mucosa.

IG
Idade gestacional.

Ileostomia
Colocação de uma sonda ou dreno no íleo.

IM
Infarto do miocárdio.

Impetigo
Dermatose caracterizada pelo aparecimento de vesículas/ pústulas de vários tamanhos, agrupadas ou isoladas.

Inapetência
falta de apetite.

Infarto
Necrose das células de um determinado tecido por falta de nutrientes, causada pela oclusão de vasos; pode ocorrer rupturas.

INPH
Isulina neutra protamina de Hagedorm.

Insônia
Falta de sono, impossibilidade de dormir.

Inter
Prefixo que indica “entre”, “no meio” (ex: intercostal-entre duas costelas).

Intradérmico
Dentro da pele.

Intramuscular
Dentro do tecido muscular.

Intranasal
Dentro da cavidade nasal.

Intravenoso
Associação ao interior de uma veia. Por exemplo, uma injeção intravenosa é aquela que vai diretamente na veia do paciente.

IOT
Intubação orotraqueal.

IR
Insulina regular.

IRA
Insuficiência renal aguda.

IRC
Insuficiência renal crônica.

Isocoria
Igualdade no tamanho das pupilas.

Isquemia
Deficiência local e temporária de sangue.

Isquialgia
Dor no quadril.

ITU
Infecção do trato urinário.

Jejunostomia
Abertura no jejuno através da parede abdominal para administrar alimentos e líquidos através de uma sonda.

Laceração
Dilaceração.

Laparoscopia
Exame sobre anestesia que consiste em introduzir aparelho ótico atravé s de orifício na parede abdominal para inspecionar a pelve.

Laparotomia
Abertura da cavidade abdominal.

Laringectomia
Retirada da laringe.

Laringoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a laringe.

LCA
Ligamento cruzado lateral.

LCE
Líquido cérebro espinhal.

LCR
Líquido cefalorraquidiano.

LGSIL
Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau.

LH
Hormônio luteinizante.

Lipotímia
Perda súbita dos movimentos, conservando-se a respiração e a circulação; desmaio.

Lipotimia
Estado de mal estar, com transpiração abundante, fraqueza muscular e distúrbios visuais, não produzindo geralmente desmaio.

Litotomia
Incisão cirúrgica de um órgão para remoçã o de cálculos.

LLA
Leucemia linfocítica aguda.

LMA
Leucemia mieloide aguda.

LMC
Leucemia mieloide crônica.

Lobectomia
Retirada de um dos lobos do pulmão.

Lombar
Relativo a lombo, ou região que fica ao lado da espinha, sobre os rins, entre o tórax e a bacia.

LRM
Lesão Raquimedular.

Luxação
Separação das superfícies óssea de uma articulação.

Mácula
Mancha; região da pele corada, plana.

Mama
Glândula mamária.

Mamilo
Pequena papila, o bico do seio.

Mamoplastia
Correção da mama .

Mastalgia
Dor no seio.

Mastectomia
Retirada ou Ablação da mama.

Mastite
Inflamação da mama.

Mastoidectomia
Retirada do músculo mastoide.

Melanúria
Eliminação de urina escura.

Melena
Evacuação sanguínea, dejeção negra que recorda a consistência e a cor de borra de café.

Memoftalmia
Hemorragia no olho.

Menarca
Primeira menstruação.

Menoplegia
Paralisia de um membro.

Menorragia
Menstruação anormalmente abundantes e que se prolongam além da duração habitual.

Menorreia
Fluxo menstrual.

Metrorragia
Hemorragia pelo útero; sangramento fora do período menstrual.

Mialgia
Dor muscular.

Micção
Expulsão de urina da bexiga pela uretra; ato de urinar.

MID
Membro Inferior Direito.

Midríase
Dilatação da pupila.

MIE
Membro Inferior Esquerdo.

Mioma
Tumor do miométrio.

Miomectomia
Retirada do mioma.

Miopia
Estado que o indivíduo ver melhor de perto do que de longe.

Mioplegia
Paralisia muscular.

Miose
Diminuição no diâmetro da pupila.

MMII
Membros Inferiores.

MMSS
Membros Superiores.

MSD
Membro Superior Direito.

MSE
Membro Superior Esquerdo.

Mucopurulento
Que contém muco e pus.

MV
Murmúrio vesicular.

Náuseas
Desconforto gástrico com impulsão para vomitar.

NDC
Nível de consciência.

Necrose
Morte dos tecidos localizados.

Nefrectomia
Retirada do rim.

Nefropexia
Fixação do rim.

Nefrostomia
Abertura para colocação de sonda no rim.

Neuralgia
Dor viva e paroxística a seguir o trajeto de um nervo.

Nictalopia
Cegueira noturna.

Nictúria
Emissão de urina mais abundante ou freqüente à noite que durante o dia. Enurese noturna.

Nidação
Implantação do blastocisto (embrião com cinco a seis dias) na mucosa uterina, no endométrio.

Nistagmo
Trêmulo espasmódico das pálpebras; oscilações do globo ocular em torno de um de seus eixos.

Nodulectomia
Retirada de nódulos.

Notalgia
Dor na região dorsal.

NPH
Neutro protamina de Hagedorm.

NPP
Nutrição parenteral prolongada.

NPT
Nutrição parenteral total.

O2
Oxigênio.

Obeso
Gordo.

Obstipação
Constipação rebelde, prisão de ventre.

Odinofagia
Deglutição dolorosa.

Odontalgia
Dor de dentes.

Oligúria
Secreção deficiente de urina.

Oligomenorreia
Menstruação insuficiente.

Omalgia
Dor no ombro.

Onfalectomia
Retirada do umbigo.

Onicofagia
Hábito mórbido de roer as unhas.

Ooforectomia
Retirada dos ovários.

Ooforite
Inflamação do ovário.

Operação de Bursh
Levantamento da bexiga.

Operação de Hammsted
Correção de estenose pilórica.

Operação de Manchester
Correção de prolapso uterino.

Orquidopexia
Fixação cirúrgica do testículo, em bolsa escrotal.

Orquidotomia
Incisão em testículo.

Orquiectomia
Extirpação dos testículos.

Orquiocele
Hérnia escrotal, tumor testículo.

Orquite
Inflamação dos testículos.

Ortopneia
Dispneia intensa que obriga o paciente a estar sentado ou em pé, ou seja, com o tórax em posição perpendicular ao solo.

Osteorrafia
Colocação de um fio metálico no osso.

Osteotomia
Cortar o osso, corrigir deformidades e impedir o aparecimento de desgaste ósseos.

Otalgia
Dor de Ouvido.

Otorragia
Hemorragia do ouvido.

Oxidação
Trata-se de uma reação química que acontece quando uma outra substância é combinada com oxigênio.

P
Pulso.

PA
Pressão arterial.

Pápula
Elevação eruptiva da pele, pequena e circunscrita, que em geral termina por descamação.

PaCO2
Pressão parcial de dióxido de carbono alveolar.

PAI
Pressão Arterial Invasiva.

Palatorrafia / Estafilorrafia
Sutura da fenda palatina.

Palpitação
Batimento rápido do coração despertando sensação da existência deste órgão.

PAM
Pressão arterial média.

Pancreatectomia
Retirada do pâncreas.

PAO2
Pressão parcial de oxigênio alveolar.

Pústula
Elevação cutânea pequena e cheia de pus.

Paralisia
Diminuição ou abolição da motricidade em uma ou várias partes do corpo, devido a lesões nervosas, motoras ou musculares, com perda ou não de sensibilidade.

Paraplegia
Paralisia de ambas extremidades inferiores do corpo.

Parenteral
Que se realiza por via distinta da digestiva ou intestinal.

Paresia
Paralisia incompleta ou parcial, debilidade de contração muscular; desfalecimento.

Parestesia
Sensação de queimação ou formigamento, diminuição da sensibilidade por modificação na percepção objetiva.

Parotidectomia
Retirada da parótida.

PC
Parto cesárea.

PCO2
Pressão parcial de dióxido de carbono.

Pediculose
Infestação por piolhos ou pedículos.

PEEP
Pressão término expiratória positiva.

Pelve
Bacia (anel ósseo em forma de bacia).

Períneo
Espaço compreendido entre o ânus e os órgãos genitais externos.

Perineorrafia
Sutura do períneo.

Periocardiocentese
Punção do pericárdio.

Perspiração
Eliminação de vapor de água pela superfície da pele e pulmões (sudorese).

Petéquias
Pequena mancha de pele, de cor vermelha ou púrpura, semelhante a picada de pulga; consiste numa hemorragia na pele.

PF
Parto fórceps.

Piúria
Presença de pus na urina.

PIC
Pressão intracraniana.

Piloroplastia
Correção do piloro.

Pirexia
Acesso febril.

Pirose
Sensação de queimadura, de ardor que, partindo do estô mago, se estende ao longo do esôfago e chega a faringe.

Plenitude gástrica
Sensação de estufamento.

Pleuroscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a pleura e pulmão.

PN
Parto normal.

Pneumatose
Presença de ar ou gases em qualquer ponto do corpo.

Pneumectomia
Retirada do pulmão.

Pneumotórax
Infiltração de ar ou gás na cavidade pleural.

PO2
Pressão parcial de oxigênio.

Podialgia
Dor no pé.

Polaciúria
Micção freqüente.

Poliúria
Excessiva eliminação urinária.

Polidipsia
Sede excessiva.

Postectomia
Possibilidade de exteriorização da glande peniana devido anel prepucial estreito (fimose).

PPC
Pressão de perfusão cerebral.

Precordial
Situado ou que ocorre diante do coração; epigástrio e superfície anterior da parte inferior do tórax.

Precordialgia
Dor na região precordial.

Proctalgia
Dor no reto.

Proctorragia
Hemorragia retal.

Proctorreia
Escorrimento mucoso pelo ânus.

Prolapso
Queda de órgãos ou vísceras ou desvio de sua posição natural devido ao afrouxamento físico.

Prostatectomia
Retirada da próstata.

Prostatite
Inflamação da próstata.

Prostração
Exaustão, grande estafa, esgotamento extremo.

Prurido
Coceira, comichão.

Ptialismo
Salivação exagerada.

Ptose
Pálpebra caída.

Puérpera
Mulher que acaba de parir.

Pulso filiforme
Pulso mole e muito pequeno.

Pulso intermitente
Pulso em que algumas pulsações não são percebidas pela mão que apalpa.

PVC
Pressão venosa central.

PVCO2
Pressão parcial de dióxido de carbono venoso.

PVO2
Pressão parcial de oxigênio venoso.

Quadriplegia
Paralisia das duas pernas e dos dois braços.

Queiloplastia
Correção dos lábios.

Queilose
Afecção dos lábios e dos ângulos da boca.

Queloide
Cicatriz; tumoração cutânea; excesso de tecido conjuntivo na cicatriz, que fica exuberante.

R
Respiração.

RA
Ruídos adventícios.

RAFI
Redução aberta com fixação interna.

RCP
Ressuscitação cardiopulmonar.

Regurgitação
Retorno dos alimentos do estômago ou do esôfago á boca, sem esforço de vômito.

Ressecção
Remoção cirúrgica de uma secção ou segmento de um órgão ou estrutura corporal.

Ressecamento
Obstipação, prisão de ventre habitual.

Retenção urinária
Incapacidade de eliminar urina.

Retinopexia
Fixação da retina.

Retocele
Protusão de parte do reto.

Retosigmoidectomia
Retirada do reto/ sigmoide.

Retossigmoidoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o reto e sigmoide.

Revascularização do Miocárdio
Revascularização do músculo cardíaco.

RHA
Ruído hidroaéreo.

Rinite
Inflamação mucosa nasal.

Rinoplastia
Correção dos defeitos do nariz.

Rinorreia
Coriza, descarga mucosa pelo nariz.

Rinosseptoplastia / Septoplastia
Correção do septo nasal.

Ritidoplastia
Eliminação de rugas da pele.

RM
Revascularização do miocárdio.

RN
Recém-nascido.

RPM
Respiração por minuto.

RTU
Ressecção transuretral.

RTUP
Ressecção transuretral de próstata.

Síncope
Desfalecimento, perda súbita dos sentidos.

Safenectomia
Retirada da safena.

Salpingectomia
Retirada das trompas .

Salpingite
Inflamação das tubas uterinas.

Salpingoplastia
Correção da trompa para recanalização.

SARA
Síndrome da angústia respiratória do adulto.

Sarna
Infestação da pele de mamíferos pôr larvas se insinuam na camada epidérmica, caracteriza se pôr lesões múltiplas cutâneas, com formação de vesículas e pápulas, acompanhadas de prurido intenso.

Seborréia
Hipersecreção das glândulas sebáceas, couro cabeludo oleoso.

Seborreia
Secreção exagerada das glândulas sebáceas, especialmente do couro cabeludo.

SIADH
Síndrome de secreção inadequada de hormônio antidiuré tico.

Sialorréia
Fluxo exagerado da saliva; salivação.

Sialorreia
Salivação excessiva.

Sialosquiese
Salivação deficiente (boca seca).

Simpatectomia
Retirada dos segmentos selecionados do sistema nervoso simpático produzindo vaso dilatação.

Sinusectomia
Abertura dos seios da face para drenagem.

SNC
Sistema nervoso central.

SND
Serviço de nutrição e dietética.

SNE
Sonda Nasoenteral.

SNG
Sonda Nasogástrica.

SOG
Sonda orogástrica.

SPM
Síndrome pré-menstrual.

Sublingual
Abaixo da língua, via de administração de medicamentos.

Sudorese
Aumento da transpiração.

Supuração
Formação de pus.

SVA
Sonda Vesical de Alívio.

SVD
Sonda Vesical de Demora.

T3
Triiodotironina

T4
Tiroxina.

Talagia
Dor no calcanhar.

Taquicardia
Aceleração das pulsações cardíacas, acima de 85bpm, no adulto.

Taquipnéia
Respiração acelerada, que se apresenta em condições fisioló gicas ou patológicas.

Taquipneia
– Movimentos respiratórios acelerado.(FR >24 rpm).

Tarsalgia
Dor no pé.

TB
Tuberculose.

TCE
Trauma cranioencefálico.

Tenalgia
Dor no tendão.

Tenorrafia
Sutura do tendão.

Tenotomia
Abertura do tendão.

TEP
Tromboembolismo pulmonar.

TET
Tubo Endotraqueal.

TGI
Trato gastrointestinal.

Timpanoplastia
Correção da membrana do tímpano.

Tireoidectomia
Retirada da tireoide.

Toracocentese
Punção torácica / Drenagem torácica.

Toracoplastia
Correção do tórax.

Toracostomia
Abertura da parede de tórax para drenagem.

Toracotomia
Incisão cirúrgica na parede torácica.

Torpor
Estado de sonolência, de apatia.

TOT
Tubo Orotraqueal

Traqueostomia
Abertura da traqueia com colocação de cânula para auxiliar a respiração.

Traqueotomia
Abertura de um orifício na traqueia.

Tratamento cirúrgico de Peyroni
Reconstrução da membrana (túnica) do pênis.

Trepanação
Remoção de um disco de osso ou de outro tecido compacto por meio de um trépano.

TRH
Terapia de reposição hormonal.

TRM
Trauma Raquimedular.

Trombectomia
Retirada dos trombos.

Trombose
Coagulação do sangue nos vasos sanguíneos do indiví duo vivo.

TSH
Hormônio tireoestimulante.

TVP
Trombose venosa profunda.

Ulceração
Formação de úlceras.

UM
Última menstruação.

Ureterolitotomia
Incisão do ureter para remoção de cálculo.

Ureteropiose
Inflamação purulenta do ureter.

Ureterorretostomia
Criação de uma desembocadura do ureter no reto.

Ureteroscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o ureter.

Ureterostenose
Estreitamento do ureter.

Uretralgia
Dor na uretra.

Uretrite
Inflamação ou infecção da uretra.

Uretrorreia
Escorrimento anormal proveniente da uretra.

Uretroscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar a uretra.

Uricemia
Quantidade de ácido úrico no sangue (normal :0,02 a 0,04g por litro de sangue total.)

Urticária
Doença que apresenta erupção súbita de placas na pele com forte prurido.

Varicocele
Correção de veias dilatadas no escroto.

Varicocelectomia
Extirpação de veias espermáticas dilatadas acompanhada ou nã o pela extirpação de uma parte do escroto.

VAS
Vias aéreas superiores.

Vasectomia
Corte e retirada de um segmento do canal deferente.

Vasoconstritor
Diz-se do agente ou nervo que estreita o calibre dos vasos.

Vasocontrição
Contração dos vasos com estreitamento do seu canal ou luz.

Vasodilatação
Dilatação dos vasos sanguíneos.

Vasodilatador
Diz-se do agente ou nervo que aumenta o calibre dos vasos.

VC
Volume corrente.

Veias Varicosas
Veias dilatadas em que as válvulas funcionam mal.

Ventriculoscopia
Consiste em introduzir aparelho ótico através de orifício para inspecionar o ventrículo cerebral.

Vertigem
Perda ou perturbação do equilíbrio, com sensação de instabilidade do corpo e dos objetos circundantes.

Vesícula
Bexiga pequena; elevação cheia de líquido seroso.

Vesical
Referente à bexiga.

Volemia
Nome com que também se conhece a massa total do sangue.

VR
Volume residual.

VRE
Volume expiratório de reserva.

VRI
Volume inspiratório de reserva.

Vulvectomia
Retirada da vulva.

Xantorreia
Corrimento vaginal amarelo, acre e purulento.

Xaradermia
Secura da pele.

Xerasia
Secura exagerada dos cabelos.

Xerofagia
Ingestão habitual de alimentos secos ou dessecados.

Xeromicteria
Falta de umidade nas vias nasais

Xerose
Secura anormal da pele ou mucosa.

Xerostomia
Secura da boca.

Xifoide
Apêndice osteocartilaginoso que remata o esterno na parte inferior.

Zoantropia
Perturbação mental em que o individuo julga estar transformado em animal.

Zoolagnia
Atração sexual por animais.

Zoomania
Afeição exagerada por animais.

Zoonose
Doença animal capaz de ser transmitida ao homem.

Zoopatia
Delírio psicótico em que o paciente acredita ter animais dentro de si.

Zoster – Herpes
Virose que acomete a pele, com formação de vesí culas ao longo do trajeto dos nervos.

As Modalidades da Culpa

A Culpa é exceção no ordenamento jurídico brasileiro, admitida nas hipóteses expressamente previstas no Código Penal.

A conduta culposa é uma atribuição de responsabilidade e, por ter essa natureza, imperativo se faz a comprovação inquestionável de uma de suas modalidades, quais sejam a imprudência, a negligência e a imperícia.

O Profissional de Saúde, em específico os profissionais de Enfermagem, exercem suas funções baseadas em códigos de ética.

Entretanto, deve estar constantemente atento em sua postura, sua comunicação, nos seus atos e logicamente, na técnica que  aplica no cuidado/assistência ao seu paciente.

E na rotina do nosso dia a dia, nas atribuições, sempre “para ontem”, e também infelizmente no despreparo e imaturidade de muitos profissionais, alguns não se importam o quanto a ética é fundamental no exercício da profissão.

Por isso é importante conhecer as principais modalidades da Culpa, que podem prejudicar tanto o tratamento do doente, quanto à assistência que deveria ser completa por parte profissional.

A Imprudência

A imprudência pressupõe uma ação precipitada e sem cautela. A pessoa não deixa de fazer algo, não é uma conduta omissiva como a negligência. Na imprudência, ela age, mas toma uma atitude diversa da esperada.

Como por exemplo: Constatar um óbito sem ao menos verificar os sinais vitais de um doente, e no final das contas, o doente ainda estaria vivo.

A Negligência

Na negligência, alguém deixa de tomar uma atitude ou apresentar conduta que era esperada para a situação. Age com descuido, indiferença ou desatenção, não tomando as devidas precauções.

Como por exemplo: Quando um cirurgião após o término de um procedimento cirúrgico, esquece um material cirúrgico dentro da cavidade operatória do paciente; quando o profissional de saúde retarda ou omite o início do tratamento, ou ainda quando demora no encaminhamento do paciente para outro especialista.

A Imperícia

Para que seja configurada a imperícia é necessário constatar a inaptidão, ignorância, falta de qualificação técnica, teórica ou prática, ou ausência de conhecimentos elementares e básicos da profissão.

Como por exemplo: Um Enfermeiro sem a especialização de Prática de Inserção de PICC realizar o procedimento, mesmo sem a aptidão técnica e comprovada por meios de documentos legais.

Referências:

  1. JusBrasil

Realizando uma Anotação de Enfermagem COMO um MESTRE!

Talvez seja o assunto mais buscado pelos estudantes e profissionais de Enfermagem recém formados, sempre buscando atualizar seu conhecimento em cima de como realizar um melhor e mais bem formulado RELATÓRIO ou ANOTAÇÃO de Enfermagem!

Mas para isso, é preciso conhecer os principais passos que podem te tornar um GRANDE MESTRE em realizações de anotação de enfermagem sem engasgo e sem falta de informações!

A Anotação/Relatório de Enfermagem faz parte do Processo de Enfermagem!

A anotação de enfermagem tem por finalidade registrar informações sobre a assistência prestada a fim de comunicá-las aos membros da equipe de saúde e é realizada por todos os membros da equipe de enfermagem. Do ponto de vista legal, somente o que foi registrado pode ser considerado como executado, portanto, no seu conteúdo devem constar todos os cuidados realizados.

Pode ser feita de forma gráfica (por exemplo, sinais vitais), sinal gráfico (checar ou circular) ou descritiva. Deve-se evitar redundância isto é, registrar o mesmo dado na folha de registro de sinais vitais, por exemplo, e em algum outro formulário.

 

É preciso entender que é baseado nas Descrições Subjetivas e Objetivas!

São através de informações que colhemos através do paciente e através de dispositivos, que podemos montar um relatório/anotação de enfermagem bacana! São fornecida Descrições Subjetivas pelo paciente, como dor, por exemplo. Já as Descrições Objetivas conseguimos colher informações através de meios como nossos sentidos e auxílio de dispositivos.

Veja sobre esse assunto aqui:

Descrições Subjetivas e Objetivas na anotação de Enfermagem

Informações Primordiais no Relatório/Anotação de Enfermagem

  • Devem ser precedidas de data e hora, conter assinatura e identificação do profissional com o número do Coren, conforme consta nas Resoluções Cofen 191/2009 e 448/2013 em seu art. 6º, ao final de cada registro;
  • Observar e anotar como o paciente chegou:
    a) Procedência do paciente (residência, pronto – socorro, transferência de outra instituição ou outro setor intra-hospitalar);
    b) Acompanhante (familiar, vizinho, amigo, profissional de saúde);
    c) Condições de locomoção (deambulando, com auxílio, cadeira de rodas, maca, etc.);
  •  Observar e anotar as condições gerais do paciente:
    a) Nível de consciência;
    b) Humor e atitude;
    c) Higiene pessoal;
    d) Estado nutricional;
    e) Coloração da pele;
    f) Dispositivos em uso. Ex.: Cateteres como abocath, scalp, sondas, curativos.
    g) Queixas do paciente (tudo o que ele refere, dados informados pela família ou responsável);
  • Anotar orientações efetuadas ao paciente e familiares.
    Como por exemplo: Jejum, coleta de exames, inserção venosa, etc.;
  • Cuidados realizados;
  • Intercorrências;
  • Efetuar as anotações imediatamente após a prestação do cuidado (lembrando que não devem conter rasuras, entrelinhas, linhas em branco ou espaços);
  • Não é permitido escrever a lápis ou utilizar corretivo líquido (devendo ser legíveis, completas, claras, concisas, objetivas,pontuais e cronológicas);
  • Conter sempre observações efetuadas, cuidados prestados, sejam eles os já padronizados, de rotina e específicos (deve constar as respostas do paciente diante dos cuidados prescritos pelo enfermeiro, intercorrências, sinais e sintomas observados);
  • Devem ser registradas após o cuidado prestado, orientação fornecida ou informação obtida;
  • Devem priorizar a descrição de características, como tamanho mensurado (cm, mm, etc.), quantidade (ml, l, etc.), coloração e forma;
  • Não conter termos que deem conotação de valor (bem, mal, muito, pouco, etc.);
  • Conter apenas abreviaturas previstas em literatura, ou seja, aquelas terminologias que aprendemos nos cursos!;
  • Devem ser referentes aos dados simples, que não requeiram maior aprofundamento científico.

Você quer exemplos?

Temos algumas aqui em nosso blog!

Anotações de Enfermagem

Dica de como elaborar uma anotação de enfermagem enriquecida de detalhes

Anotação de Enfermagem em UTI

Para finalizar, baixe este manual disponibilizado (Manual-de-orientação-Anotação-de-enfermagem) do Hospital das Clínicas, com mais exemplos de uma boa coleta de informações e montagem de um EXCELENTE relatório/anotação de enfermagem, e use como base em seu dia-a-dia!

Referências:

  1. COFEN. Guia de recomendações para registro de enfermagem no prontuário e outros documentos de enfermagem.Brasília: COFEN, 2016.
  2. KAWAMOTO. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.
Dicas

Observatório da Enfermagem: COFEN cria formulário para casos de COVID 19

Para melhor acompanhar a situação da pandemia do novo coronavírus, buscar soluções que reduzam o risco de contágio e oferecer apoio aos profissionais de Enfermagem atingidos pela doença, o Cofen criou um formulário para notificação de casos de COVID-19. PARA ACESSAR O OBSERVATÓRIO DA ENFERMAGEM, CLIQUE AQUI! Na linha de frente do atendimento, enfermeiros, técnicos e auxiliares […]

20 de Maio: Dia Nacional do Técnico e Auxiliar de Enfermagem

👩🏻‍⚕️ 👨🏻‍⚕️ “O Branco, o Macacão, a Roupa Privativa, são os uniformes, que nós, profissionais auxiliares e técnicos de enfermagem, vestimos para ir a “luta”.

A luta pelos fracos, pelos oprimidos, pelos enfermos, pelos que estão incapacitados de lutar e que precisam que alguém lute por eles.

Lutar para enfrentar um sistema injusto, escala de trabalho pesado, salários baixos e fazer o máximo para dar uma boa assistência aos pacientes.

Devemos ser lembrados não somente por um dia do ano, mas sim todos os outros 364 dias que ali estamos à disposição da população.”

🎉Parabéns à todos os profissionais de nível médio na Enfermagem, que são os verdadeiros heróis na base da assistência!🎉

E uma curiosidade!

Para fechar a semana da Enfermagem, o dia 20 de maio foi instituído também devido ao falecimento de Anna Néri, pioneira da profissão no Brasil.

Dicas

Projeto de Lei n° 2564, de 2020 propõe PISO SALARIAL para a Enfermagem!

O PROJETO de LEI N° 2564/20 apresentado pelo senador Fabiano Contarato prevê alteração na lei do exercício profissional da Enfermagem (Lei 7498/86) para acrescentar o Art. 15 que cita: Art.15 – O piso salarial nacional para os Enfermeiros será de R$ 7.315,00. E também: – Esse piso é para jornada de 30h; – Jornadas maiores […]

12 de Maio – Dia Internacional da ENFERMAGEM

A Semana da enfermagem inicia-se em 12 de maio, Nascimento de Florence Nightingale, e encerra-se no dia 20 de maio com o falecimento de Ana Nery. Neste ano, curiosamente é o bicentenário de Florence.

Não é ao acaso que a semana da enfermagem inicia com a data do nascimento, uma vida nova, folha em branco a ser escrita diariamente e se encerra com a data de falecimento, da irmã morte.

Afinal o que sempre ficará marcado será a vida que tivemos, nosso legado, as nossas histórias e experiências, fixando nossa existência na memória de quem deixamos.

Celebrar a Semana da Enfermagem este ano, é celebrar a Vida de mulheres inovadoras, científicas, despojadas e acima de tudo humanas.

A história da enfermagem é encarnada na vida e na história de cada mulher com maestria e leveza de quem quer cuidar do outro, cuidar com atenção, carinho, empatia, ciência e sabedoria.

Celebrar a Semana da Enfermagem com o caos desses dias sombrios é acreditar na esperança que dias melhores virão.

Celebrar a Semana da Enfermagem no Ano Internacional da Enfermagem, diante de um inimigo sem precedentes, é cunhar nossa jornada na Grande História da Humanidade.

A cada dia, a cada plantão, hoje com a maioria de mulheres, fazemos história, a minha, a sua, a nossa, a da Enfermagem.

Alicerçamos nosso saber e nossa técnica naquelas que estão dispostas a ultrapassar os limites do conhecimento, do aprendizado, da tecnologia e até mesmo da geografia que nos separa.

Estarmos nessa Semana da Enfermagem longe uns dos outros é para mostrar que podemos ser a enfermagem mais comprometida de todos os tempos, pois estamos pelo e por quem amamos.

Ser Enfermagem nessa semana é acreditar no Cuidar, aquele que hoje necessita distância, porém com o coração unido nessa grande ciência e arte chamada ENFERMAGEM.

Uma Semana da Enfermagem com muitas experiências para quem está na linha de frente, e para quem tem a oportunidade de observar, pois não cometerão os mesmos erros quando acontecer novamente esse caos.

E lembrem-se, a Enfermagem não recua e não se intimida, ela é a nossa VIDA.

Parabéns Enfermagem!!

Se cuidem.

Christiane Ribeiro,

CEO da
Enfermagem Ilustrada/Experiências de um Técnico de Enfermagem

Espessante Alimentar: Por que usar?

Um agente espessanteagente de espessamento, ou simplesmente espessante, é uma substância a qual pode aumentar a viscosidade de um líquido sem substancialmente alterar suas outras propriedades (em função disso, em algumas publicações, são chamados de “doadores de viscosidade”). Espessantes comestíveis são comumente usados para espessar molhos, sopas e pudins sem alterar seu sabor, e líquidos para pacientes com dificuldades de deglutição.

A deglutição é o ato de conduzir o alimento da cavidade oral em direção ao estômago, não permitindo entrada de material nas vias aéreas.  Além de sua importância na nutrição, a deglutição está relacionada com aspectos culturais e sociais. Em nossa cultura, comer é um ato prazeroso e social. Assim, alterações na deglutição podem causar déficits nutricionais e prejudicar a socialização do indivíduo.

Durante o processo da deglutição, podem ocorrer alterações no seu processo fisiológico ou alterações anatômicas, podendo ocasionar alguns sintomas que irão caracterizar a disfagia.

O que é a Disfagia?

As disfagias são alterações no processo da deglutição, caracterizadas por dificuldades da passagem do alimento da cavidade oral até o estômago. Quando ocorrem dificuldades ou perda das habilidades para deglutir, em geral há graves consequências que podem levar à desnutrição e até à morte, por comprometer a integridade das vias aéreas. Além dos danos metabólicos, a disfagia pode influenciar o estado emocional do paciente, causando estresse, depressão e isolamento social.

A textura, a consistência, a viscosidade, a adesividade, o grau de coesão, a firmeza e a densidade dos alimentos devem ser considerados na seleção da dieta oral antes de serem oferecidos aos pacientes. Deve-se iniciar a alimentação via oral com líquidos espessados, a fim de evitar ocorrência de refluxos.

Preparações líquidas são contra-indicadas no início da reintrodução da alimentação via oral, pois os líquidos, por serem de baixa viscosidade, podem favorecer o risco de aspiração. A substituição da terapia nutricional enteral ou a reintrodução da alimentação oral deve obedecer a um esquema de evolução de consistência dos alimentos que a compõem, determinada por uma avaliação fonoaudiológica.

O uso de espessante alimentar ajuda a aumentar a viscosidade de soluções, emulsões e suspensões, sendo uma estratégia utilizada pelos fonoaudiólogos na terapia da deglutição, visto que a viscosidade e consistência do bolo alimentar geram mudanças na fisiologia deste processo.

A deglutição do líquido, quando comparado a outras consistências, exige maior controle oral, aumentando o risco de aspiração laringotraqueal em algumas patologias. Nesses casos, o uso do espessante é essencial.

Cuidados de Enfermagem com Pacientes em Disfagia

  1. Posicionar o paciente de forma adequada: idealmente o paciente deve estar sentado com os pés apoiados no solo e cotovelos apoiados na mesa. Pacientes acamados devem estar com a cabeceira elevada;
  2. Verificar estado de consciência previamente durante as refeições;
  3. Incentivar o paciente a se alimentar sozinho desde que possível;
  4. Observar se paciente usa prótese dentária que deve estar bem fixada;
  5. Vincular paciente aos profissionais, mostrar-se disponível durante as refeições;
  6. Ambiente calmo, sem distrações ou movimentação constante. O paciente deve focar na deglutição;
  7. Sugerir líquidos espessos ou líquidos com espessante;
  8. Oferecer alimentos durante as refeições apenas quando estiver completa a deglutição, observar se há alimentos retidos na boca;
  9. Se o paciente se engasgar deve pedir que ele tussa com força;
  10. Em caso de engasgos totais ou parciais, manobras para desobstrução poderão ser realizadas (ex: Manobra de Heimlich);
  11. Adaptar a textura da dieta e consistência de líquidos conforme a capacidade de deglutição do paciente. Importante salientar que alimentos que exigem alguma forma de mastigação diminuem o risco de aspiração (ex: consistência de purê);
  12. Fletir o pescoço e rodar a cabeça para lado que foi afetado durante a deglutição, indicado para pacientes com comprometimento de alguns dos lados do corpo;
  13. Promover exercícios para fortalecimento da musculatura do pescoço indicado por fonoaudiólogos ou terapeutas ocupacionais;
  14. Diminuir o tamanho dos utensílios e adaptar utensílios (ex: colheres de sobremesa, pratos antiderrapantes);
  15. Assegurar que o paciente consiga cerrar os lábios após a introdução dos alimentos;
  16. Reforço verbal vindo do profissional sobre o processo de deglutição (ex: -Engula);
  17. Realizar higiene da cavidade oral sempre após as refeições;
  18. Evitar que paciente se deite pelo durante 30 minutos após as refeições;
  19. Promover adaptações em domicílio para melhora da deglutição durante as refeições;
  20. Treinar cuidadores e familiares envolvidos na assistência destes pacientes.

Referências

  1. Silva, LBC; Ikeda, CM. Cuidado nutricional na disfagia: uma alternativa para a maximização do estado nutricional. Rev Bras Nutr Clin 2009; v.24, n.3, p: 203-210. Anvisa
  2. Ozaki K Kagaya et al. The risk of penetration or aspiration during videofluoroscopic examination of swallowing varies depending on Food types. Tohoku J Exp Med. 2010; 220(1):41-6.
  3. NANDA- I (EUA). Diagnósticos de enfermagem NANDA-I: definição e classificação 2018-2020. [Internet]; 2018; 11. ed. – Porto Alegre: Artmed.
  4. Ministério da Saúde (BR). Manual de rotinas para atenção ao AVC. Secretaria de Atenção à Saúde. [Internet]; 2013; 
  5. World Gastroenterology Organisation (EUA). Disphagia. [Internet]; 2014;
  6. Domingos A, Verissímo D. Cuidados de Enfermagem à Pessoa com deglutição comprometida. Ordem dos Enfermeiros (Portugal). [Internet]; 2014.